terça-feira, 18 de maio de 2021

Caminhos tortuosos da advocacia

A maior crise financeira da (pequena e média) advocacia gaúcha está em seu auge. Ela teve quatro principais vetores:

1) A lentidão sistêmica da prestação jurisdicional;

2) A incontrolável pandemia;

3) A ineficiência do sistema de processo eletrônico;

4) A invasão de hackers que congelou a prestação jurisprudencial, parando os fóruns e o tribunal.

 O caos começou há 20 meses. Eis a cronologia da lentidão cumulativa:

a) Greve dos serventuários, de 24 de setembro a 18 de novembro de 2019;

b) Recesso, de 20 de dezembro de 2019 a 20 de janeiro de 2020;

c) Expediente marcha-lenta e folguedos momescos em fevereiro de 2020;

d) Retomada da normalidade (?), em 2 de março de 2020;

e) Início da pandemia em 16 de março de 2020.

Mais a constante e significativa interferência das tartarugas forenses. Somando alhos com bugalhos, uma terrível conjunção.


Nenhum comentário:

Postar um comentário