segunda-feira, 6 de julho de 2020

Programa de Recuperação Empresarial proporciona suporte emergencial

Em Pelotas, 30 empresas já estão participando

Em tempos de decisões rápidas, a diferença entre o fechamento e a sobrevivência de um negócio pode estar em uma assessoria técnica especializada para auxiliar na transformação e favorecer o crescimento e o desenvolvimento sustentável. Esta é a proposta do programa de Recuperação Empresarial lançado pelo Sebrae RS com foco no Microempreendedor Individual (MEI) – até R$ 81 mil de faturamento anual - Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP), com limite de faturamento de 4,8 milhões/ano.

A gestora do Sebrae RS, Jussara Argoud, afirma que 30 empresas que fazem parte do projeto Conexão Pelotas da Regional Sul estão no programa de Recuperação Empresarial. O objetivo é reduzir a mortalidade dos pequenos negócios através da geração de caixa nas empresas. Um dos participantes é o empreendedor Daniel Amaro, da Companhia de Dança Afro Daniel Amaro. Ele conta que com a pandemia teve de suspender as aulas e espetáculos presenciais e a empresa começou a enfrentar dificuldades. Como já era participante do Conexão Pelotas, resolveu ingressar também no programa de Recuperação Empresarial em busca de alternativas. “Com as consultorias, agora está sendo possível trabalhar usando as redes sociais”, relata o coreógrafo.

“Ficamos três meses sem dar aulas nem vender espetáculos, mas há uma semana começamos a temporada digital do espetáculo Reminiscências dos Tambores do Corpo e já estamos programando workshops online”, revela entusiasmado. Amaro afirma que graças ao plano de ação elaborado com orientação do Sebrae RS a empresa começou a recuperar seu caixa. “Estou muito contente e aconselho a todas as empresas que puderem, que procurem o Sebrae para fazer seu plano de ação”, complementa.

O programa de Recuperação Empresarial é composto por dois pacotes. O pacote Essencial engloba consultorias de Gerenciamento de Crise (12h), Gestão de Caixa (12h) ou Modelagem de Negócios (8h), Mentorias Coletivas com encontros semanais e, para projetos coletivos, encontros digitais segmentados coordenados pelos gestores dos projetos. Já o pacote Premium é desenvolvido por Consultorias de Planejamento para Presença Digital e Consultoria de Coaching. Se o empreendedor se interessar, poderá ainda optar por uma consultoria em design para presença digital e coaching executivo online. Haverá também assessoria em crédito com simulação do impacto do financiamento no negócio.

domingo, 5 de julho de 2020

Artigo,José Aquino Flores de Camargo - Ressuscitem Churchill

- O autor é ex-presidente do Tribunal de Justiça do RS.

Não costumo escrever aqui, mas a angústia dessa tortura que se prorroga provoca a ansiedade. Sou um privilegiado, portanto falar, na minha ótica, significa demonstrar o mínimo de empatia com o drama dos outros.
As pessoas estão esgotadas. Ninguém atura mais esse discurso.
Bandeira vermelha só no Beira Rio. E preta é lá no Corinthians.
O pico já subiu e desceu inúmeras vezes. Isso parece filme pornô. Desculpem a ironia...
Enquanto o vírus era exclusivamente da camada alta da população, exigiu-se solidariedade: todos para casa, para quebrarmos juntos.
Agora, o vírus está na comunidade. Isso seria inevitável cedo ou tarde.
Mandar para casa é exigir que o contágio se dissemine lá mesmo.  E que fiquem à sua própria sorte...
Ninguém pode ignorar a alta densidade populacional na periferia dos centros urbanos. Tampouco passam despercebidas as precárias condições sanitárias de vida.
Mas não é isso que os protocolos de saúde querem evitar: aglomerações em pequenos ambientes fechados?
Agora, além de quebradas, desempregadas, as pessoas ficarão desesperadas.
Depressão traz tristeza, conflito, desesperança e violência.
Pior que o vírus é a falta de saúde mental. Reações desproporcionais serão rotina do comportamento social.
Essa história, portanto, será melhor interpretada logo adiante.
Não pode ser avaliada pelo número absoluto de mortes; será pelos efeitos deletérios e devastadores que ela poderá produzir.
Ate agora, estamos sendo conduzidos como rebanho pela lógica do pensamento único: quem discorda é rotulado por atentar contra valores básicos de vida.
Que falta a humanidade sente de um homem como Winston Churchill. Não se vence uma guerra sem sangue, suor e lágrimas.
Falta-nos o mínimo de enfrentamento.
Deixamos os profissionais da saúde sozinhos. Enquanto eles se arriscam, pouco se produziu para sustentar o povo em pé.
Churchil dizia, reverenciando aos jovens pilotos ingleses: nunca muitos deverão tanto a tão poucos...
O mesmo há de se dizer em relação aos nossos profissionais da saúde.
A diferença é que lá, o resto da população tratou de trabalhar e produzir condições de enfrentamento. Que depois se viu foi a força para destruir o nazismo.
Aqui, ficamos em casa para quebrar, esperando o milagre da vacina. E, dizem, até medicamentos e insumos já estariam faltando...
Que Deus nos ajude, porque nós estamos sentados.
Ninguém imagina irresponsabilidade: proteção aos idosos e vulneráveis. E eu os tenho muito próximos, portanto sou insuspeito. E sei que eles preferem o risco do afeto à ausência da solidão devastadora.
E vamos, aqueles que podem, respeitando os protocolos de saúde, ao trabalho, para ajudar nossos heróis nessa guerra.
Fechar e lacrar não parece mais possível. Definitivamente, a vida tem que seguir. Até em respeito aos que tombaram!

sábado, 4 de julho de 2020

Vitor Koch denuncia campanha de "calúnias e ódios" contra ele. Koch é presidente da Federação de CDLs do RS.

Eis a nota que ele distribuiu ontem a noite:

Há três anos o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS, Vitor Augusto Koch, vem sendo vítima de uma campanha de calúnia e ódio que busca destruir a reputação de um homem cuja trajetória de vida pessoal e profissional é extremamente correta. 

Os ataques mentirosos e insanos ao presidente Vitor Augusto Koch têm origem em duas situações:

- A primeira, a partir de 2016, quando a CNDL iniciou sua articulação para retirar o SPC Brasil da base associativa lojista, transformando-o em uma empresa de capital aberto (S.A.). Vitor Augusto Koch, se posicionou contrariamente a este fato e por isto começou a ser desleal e caluniosamente atacado pela Confederação, com o objetivo de afastá-lo da presidência da FCDL-RS;

- A segunda, refere-se à justa cobrança que a FCDL-RS fez à CDL Caxias do Sul por causa da dívida da entidade caxiense, relacionada a sonegação da contribuição social não repassada à Federação, que hoje chega a casa dos R$ 2,5 milhões.

A partir desse processo de cobrança, a CDL Caxias do Sul passou a praticar uma oposição desleal ao presidente Vitor Augusto Koch, promovendo uma série de ataques a sua honra e cooptando de maneira obscura três diretores da Federação: o 1º vice-presidente Jorge Claudimir Prestes Lopes, de Uruguaiana; o vice-presidente Fernando Luis Palaoro, de Farroupilha; e o 1º diretor-financeiro, Moacir Paulo Lodi, de Soledade.

Desde que os cooptou, a CDL Caxias do Sul, custeia os gastos judiciais e presta assistência jurídica aos três em seus ataques, acusações falsas e constrangimentos impostos à FCDL-RS e ao seu presidente. Todas as ações jurídicas por eles promovidas foram recusadas ou indeferidas pelo Poder Judiciário.

E mais:

- Em 2018, o vice-presidente Fernando Palaoro, tentou extorquir da Federação R$ 500 mil para não denunciar às autoridades supostas irregularidades na entidade que ele dizia existir.

- Em 2019, o empresário Pedro Ênio Schneider, prestador de serviço à FCDL-RS, foi levado à força a prestar depoimento inverídico na 17ª DP de Porto Alegre para acusar o presidente Vitor Augusto Koch de cometer irregularidades na Federação, fato este afirmado pelo próprio Pedro.

As gravações de áudio que comprovam estes gravíssimos fatos estão disponíveis a todos os interessados.

Em maio deste ano, Jorge Prestes Lopes, Fernando Palaoro e Moacir Lodi, acompanhados de Giancarlo Ferriche Fonseca, também de Uruguaiana, realizaram novos atos criminosos. Pervertendo uma decisão do Poder Judiciário gaúcho tomaram de assalto a sede da Federação, em Porto Alegre. Na ocasião, Jorge Prestes Lopes chegou a desfaçatez de se autoproclamar presidente da FCDL-RS, forçando o presidente legítimo, Vitor Augusto Koch, a se retirar da sede sob ameaças, especialmente de Fernando Palaoro, que tentou arrombar a porta da sala da presidência.

No dia seguinte a este lamentável evento, os três novamente atacaram, arrombando portas da FCDL-RS, trocando senhas de acesso, desligando as câmeras de segurança e manuseando documentos internos da Entidade. Ata notarial detalha tal ação.

Não é mais possível conviver com tais atos praticados por Jorge Claudimir Prestes Lopes, Fernando Luis Palaoro e Moacir Paulo Lodi, pela CNDL e pela CDL Caxias do Sul, que objetivam a destruição de um cidadão sem máculas éticas, que dedica sua vida à construção do associativismo dos lojistas gaúchos, trajetória esta que inclusive o elegeu Presidente do Conselho Deliberativo do SEBRAE/RS entre 2011 e 2014.

As muitas conquistas que Vitor Augusto Koch obteve para o varejo do Rio Grande do Sul não serão manchadas por pessoas sem nenhum tipo de escrúpulo ou moral. A VERDADE PREVALECERÁ!

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Tratamento precoce de pacientes COVID-19 com hidroxicloroquina e azitromicina: uma análise retrospectiva de 1061 casos em Marselha, França

Resumo
Na França, a combinação hidroxicloroquina (HCQ) e azitromicina (AZ) é usada no tratamento de COVID-19.

Métodos
Relatamos retrospectivamente 1061 pacientes testados positivos para SARS-CoV-2 tratados por pelo menos três dias com o seguinte regime: HCQ (200 mg três vezes ao dia por dez dias) + AZ (500 mg no dia 1 seguido por 250 mg diariamente para o próximos quatro dias). Os desfechos foram óbito, piora clínica (transferência para UTI e internação> 10 dias) e persistência do derramamento viral (> 10 dias).
Resultados
Um total de 1061 pacientes foi incluído nesta análise (46,4% do sexo masculino, idade média de 43,6 anos - faixa de 14 a 95 anos). Bom resultado clínico e cura virológica foram obtidos em 973 pacientes em 10 dias (91,7%). O transporte viral prolongado foi observado em 47 pacientes (4,4%) e foi associado a uma carga viral maior no diagnóstico (p <0,001), mas a cultura viral foi negativa no dia 10. Todos, exceto um, foram limpos por PCR no dia 15. A mau resultado clínico (PClinO) foi observado em 46 pacientes (4,3%) e 8 morreram (0,75%) (74-95 anos). Todas as mortes resultaram de insuficiência respiratória e não de toxicidade cardíaca. Cinco pacientes ainda estão internados (98,7% dos pacientes curados até o momento). O PClinO foi associado a idade avançada (OR 1,11), gravidade da doença na admissão (OR 10,05) e baixa concentração sérica de HCQ. O PClinO foi independentemente associado ao uso de agentes beta-bloqueadores seletivos e bloqueadores dos receptores da angiotensina II (p <0,05). Um total de 2,3% dos pacientes relatou eventos adversos leves (sintomas gastrointestinais ou cutâneos, dor de cabeça, insônia e visão turva transitória).
Conclusão
A administração da combinação HCQ + AZ antes da ocorrência de complicações com COVID-19 é segura e associada a uma taxa de mortalidade muito baixa nos pacientes.
O COVID-19 é uma pandemia, com uma rápida disseminação global de infecção desde janeiro de 2020 [ 1 ]. Quatro estudos demonstraram que o sulfato de hidroxicloroquina (HCQ) inibe a SARS-CoV-2 in vitro [ [2] , [3] , [4] , [5] ]. Um estudo demonstrou que a combinação de HCQ e azitromicina (AZ) inibe a SARS-CoV-2 in vitro [ 6 ].
Vários estudos clínicos abordando a eficácia do HCQ foram conduzidos em pacientes com COVID-19, levando a resultados contraditórios. Três estudos mostraram um efeito favorável [ [7] , [8] , [9] ]. Um estudo de controle randomizado chinês (ECR) realizado em 62 pacientes COVID-19 mostrou um tempo de recuperação da temperatura corporal significativamente reduzido, tempo de remissão da tosse e uma proporção maior de pneumonia melhorada, avaliada por tomografia computadorizada, em pacientes tratados com 400 mg de HCQ por dia durante cinco dias (N = 31) em comparação aos controles (N = 31) [ 7] Outro ECR chinês realizado em 150 pacientes COVID-19 mostrou diferenças favoráveis significativas entre os pacientes tratados com 1200 mg de HCQ / dia por três dias, depois 800 mg / dia por duas a três semanas (N = 75) e controles (N = 75) em relação a alívio dos sintomas e diminuição da concentração de proteína C-reativa [ 8 ]. Um estudo iraniano realizado em uma coorte de 100 pacientes com COVID-19 tratados com 200 mg de HCQ duas vezes ao dia (dose única de 400 mg quando combinada com a administração de lopinavir / ritonavir) concluiu que o HCQ melhorou o resultado clínico dos pacientes [ 9 ].
Um ECR chinês realizado em 30 pacientes com COVID-19 não mostrou diferenças significativas entre os pacientes tratados com 400 mg de HCQ por dia durante cinco dias (N = 15) e os controles (N = 15) em relação ao transporte faríngeo de RNA viral no dia 7 [ 10 ] . Um estudo francês realizado em 181 pacientes com COVID-19 com doença relativamente grave não mostrou diferença entre 84 pacientes tratados com 600 mg de HCQ / dia e 97 controles em relação à transferência para UTI e óbito [ 11 ]. Finalmente, uma análise retrospectiva de dados de pacientes hospitalizados com infecção confirmada por SARS-CoV-2 em todos os centros médicos da Administração de Saúde dos Veteranos dos Estados Unidos não encontrou evidências de que, antes da ventilação, o uso de HCQ com ou sem AZ reduzisse a necessidade de subseqüentes ventilação mecânica [ 12] Nenhum desses estudos foi perfeito. Nos estudos chineses e iranianos, os pacientes receberam vários tratamentos adicionais, incluindo antivirais.
Um ensaio clínico francês não randomizado preliminar conduzido em 36 pacientes com COVID-19 mostrou uma redução significativa no transporte nasofaríngeo viral no dia 6 em pacientes tratados com HCQ a 600 mg por dia durante 10 dias (N = 20, teste de 70% negativo), comparado com controles não tratados (N = 16, 12,5% com teste negativo). Além disso, dos vinte pacientes que foram tratados com HCQ, seis receberam AZ por cinco dias (com o objetivo de evitar superinfecção bacteriana) e todos (100%) foram curados virologicamente no dia 6, em comparação com 57,1% dos restantes 14 pacientes [ 13 ]. Esse efeito sinérgico é a justificativa para usar a combinação HCQ e AZ.
Recentemente, relatamos 80 pacientes usando uma combinação de 200 mg de HCQ três vezes ao dia por dez dias mais AZ (500 mg no dia 1 seguido de 250 mg ao dia nos próximos quatro dias) com bons resultados clínicos e virológicos [ 14 ]. O AZ demonstrou ser ativo in vitro contra os vírus Zika e Ebola [ [15] , [16] , [17] ] e, mais recentemente, contra SARS-CoV-2 [ 5 ].
Em uma recente pesquisa internacional realizada entre pelo menos 7500 médicos em 30 países, a maioria dos médicos questionados considerou que HCQ e AZ são os dois tratamentos mais eficazes entre as terapias disponíveis para o COVID-19 [ 18 ]. Aqui, relatamos uma avaliação retrospectiva de 1061 novos pacientes com COVID-19, tratados por pelo menos 3 dias com HCQ + AZ a partir do momento do diagnóstico e um acompanhamento de pelo menos nove dias. Os resultados foram morte, piora clínica com persistência de derramamento viral.
2 . Materiais e métodos
2.1 . Pacientes e desenho do estudo ( Fig. 1 )
O estudo foi realizado na Assistance Publique-Hôpitaux de Marseille (AP-HM), sul da França, no Institut Hospitalo-Universitaire (IHU) Méditerranée Infection ( https://www.mediterranee-infection.com/ ). Criamos uma triagem maciça e irrestrita por PCR para pacientes com possível COVID-19 e para contatos assintomáticos de casos confirmados. Os dados foram coletados em pacientes incluídos de 3 a 31 de março. Indivíduos com RNA de SARS-CoV-2 documentado por PCR de uma amostra nasofaríngea [ 19], foram prescritos tratamento precoce com HCQ + AZ, como tratamento padrão, com ou sem sintomas, com o início do tratamento em nosso hospital de creche (pacientes internados) ou em nossas unidades de doenças infecciosas (pacientes internados) quando necessário. Os pacientes tratados inicialmente na creche ou que receberam alta das enfermarias de internação convencional antes do dia 10 foram acompanhados na creche (acompanhamento ambulatorial como pacientes ambulatoriais). Os pacientes também foram encaminhados para o IHU de outras unidades de saúde. Pacientes com pelo menos três dias de tratamento e nove dias de acompanhamento são descritos nesta análise. Dados demográficos, condições crônicas e medicações concomitantes foram documentados. Os pacientes descritos em estudos anteriores [ 13 , 14] não foram incluídos no presente trabalho. Em 18 de abril, uma nova avaliação dos dados foi realizada para atualizar os casos fatais e as taxas de mortalidade.
2.2 . Classificação e acompanhamento clínico-radiológico
Detalhes estão disponíveis em nossos estudos anteriores [ 13 , 14 ]. Resumidamente, os pacientes foram agrupados de acordo com a apresentação clínica na admissão (infecções do trato respiratório superior ou sintomas de infecções do trato respiratório inferior) e a gravidade foi avaliada usando o escore nacional de alerta precoce (NEWS) para pacientes COVID-19 na admissão e durante o acompanhamento [ 20] Definimos três categorias de risco para deterioração clínica: pontuação baixa (NEWS 0–4), pontuação média (NEWS 5–6) e pontuação alta (NEWS≥7). O tempo entre o início dos sintomas e o tratamento foi documentado. Os pacientes foram submetidos a tomografia computadorizada de baixa dose (LDCT) do tórax sem melhora e foram classificados em quatro graus (normal, mínimo, intermediário e grave). A necessidade de oxigenoterapia, transferência para a unidade de terapia intensiva (UTI), óbito e tempo total de permanência no hospital (para pacientes internados) foram documentados. O acompanhamento virológico incluiu ≥1 teste (s) realizado sistematicamente nos dias 2, 6 e 10. Pacientes com PCR positivo persistente no dia 10 foram propostos testes adicionais a cada 4 dias até que o teste se tornasse negativo.
2.3 . Tratamento e resultados COVID-19
Pacientes sem contraindicações [ 13 , 14 ] receberam uma combinação de 200 mg de HCQ oral, três vezes ao dia por dez dias, combinados com cinco dias de AZ (500 mg no dia 1, seguidos por 250 mg ao dia nos quatro dias seguintes). A terapia não foi supervisionada. Não foram incluídas crianças <14 anos, gestantes ou pacientes com deficiência de G6PD (apenas com base na declaração do paciente). A investigação sistemática pré-terapia incluiu análise de eletrólitos séricos e um eletrocardiograma com medida corrigida de QT (fórmula de Bazett). Um protocolo de inclusão específico e acompanhamento para torsade de pointesrisco foi projetado. Qualquer medicamento em uso pelo paciente com potencial para prolongar o intervalo QT e medicamentos não vitais que destroem o potássio (diuréticos prescritos para pressão alta) foram sistematicamente interrompidos. Quando os medicamentos que destroem o potássio não podiam ser interrompidos ou em caso de hipocalemia documentada na admissão, era fornecida suplementação de potássio e o HCQ era administrado apenas quando o nível de potássio estava normalizado. O monitoramento da análise eletrolítica sérica foi realizado em pacientes com baixos níveis séricos de potássio no início do estudo. Um eletrocardiograma era realizado rotineiramente 48 horas após o início do tratamento. O tratamento com HCQ foi interrompido quando o intervalo QT corrigido (QTc, fórmula de Bazett) foi> 500ms e a relação risco-benefício do tratamento com HCQ + AZ foram estimadas pelo especialista em doenças infecciosas e acordadas com o cardiologista, entre 460 e 500ms. As indicações para este ECG de controle foram restritas após um exame inicial em 848 ECG de 424 pacientes (no dia 0 e no dia 2 para cada paciente), mostrando que todas as anormalidades contra-indicativas de repolarização foram detectadas no primeiro ECG.
A dosagem de HCQ foi realizada conforme descrito anteriormente [ 14 , 21 ] e uma concentração> 0,1 µg / mL foi considerada na faixa terapêutica [ 22 ]. Antibióticos de amplo espectro (ceftriaxona ou ertapenem) foram adicionados para pacientes com pneumonia e pontuação NEWS ≥ 5. Tratamentos sintomáticos, incluindo notavelmente oxigênio, foram adicionados conforme necessário. Os desfechos primários foram i) um curso clínico agressivo que requer oxigenoterapia, transferência para UTI ou óbito após pelo menos três dias de tratamento e hospitalização prolongada (10 dias ou mais) e ii) contagiosidade avaliada por PCR e cultura.
2.4 . Investigações adicionais em pacientes com falha do tratamento
Os pacientes com falhas clínicas ou virológicas foram caracterizados com precisão e um acompanhamento clínico e viral rigoroso foi realizado horas extras. Definimos um grupo com resultado clínico ruim (PClinO) por morte ou transferência para UTI ou hospitalização por 10 dias ou mais e um grupo com resultado virológico ruim (PVirO) foi definido pela persistência do derramamento viral no dia 10. Finalmente, indivíduos que pertenciam nem ao grupo PClinO nem ao grupo PVirO foram atribuídos a um grupo com um bom resultado (GO). Os fatores associados à falha clínica foram identificados pela comparação do grupo PClinO com o GO e os fatores associados à falha virológica foram identificados pela comparação do grupo PVirO com o grupo GO. Realizamos testes adicionais em pacientes com evolução atípica, incluindo culturas tardias de SARS-CoV-2 em células Vero E6, conforme descrito anteriormente [23 ] e detecção de amplo espectro de outros vírus por PCR multiplex [ 19 ] em amostras respiratórias. Além disso, o cDNA foi transcrito de forma reversa diretamente a partir de amostras totais de rinofaringe do RNA do SARS-CoV-2 viral, seguindo as recomendações do fabricante. Os cDNAs foram purificados usando contas Agencourt AMPure (Beckman Coulter, Villepinte, França). O DNA genômico foi extraído usando o biorobô EZ1 com o kit de tecidos EZ1 DNA (Qiagen, Hilden, Alemanha) e, em seguida, sequenciado em um sequenciador MiSeq (Illumina Inc, San Diego, CA, EUA) com a preparação da amostra Nextera Mate-Pair e o Nextera XT Kits de extremidade emparelhados (Illumina Inc., San Diego, CA, EUA). Os genomas de SARS-CoV-2 foram baixados do NCBI ( https://www.ncbi.nlm.nih.gov/) ou estão disponíveis no EMBL-EBI sob o BioProject: PRJEB37693. A reconstrução filogenética foi realizada usando NEXSTRAIN ( https://nextstrain.org/ ) e GISAID (Global Initiative; https://www.gisaid.org/ ) [ 24 ].
2.5 . Métodos estatísticos
As variáveis contínuas e categóricas foram apresentadas como média (dp), mediana, min-max en (%), respectivamente. Utilizamos o teste t de Student, Mann-Whitney Uteste qui-quadrado ou teste exato de Fisher para comparar diferenças entre os três grupos (GO, PVirO e PClinO), quando apropriado. O grupo GO foi escolhido como o grupo de referência para testes estatísticos (PVirO vs. GO e PClinO vs. GO, respectivamente). Para explorar os fatores de risco associados aos grupos PVirO e PClinO, também realizamos análises multivariáveis usando modelos de regressão logística. Todas as variáveis significativas em p <0,01 nas análises univariadas foram introduzidas no modelo multivariado inicial. Uma abordagem passo a passo foi usada para avaliar a iteração das variáveis e controlar potenciais fatores de confusão (ambos os valores do nível de significância para entrada e permanência foram fixados em 0,05.) Um alfa bilateral de menos de 0,05 foi considerado estatisticamente significativo. Todas as análises foram realizadas no software estatístico SAS 9.4 (SAS Institute,
2.6 . Declaração de ética
Os dados aqui apresentados foram coletados retrospectivamente dos cuidados de rotina, utilizando o sistema de registro eletrônico de saúde do hospital, de acordo com a metodologia de referência MR-004 para o processamento de dados pessoais. A acessibilidade aos dados é protegida de acordo com o Regulamento Geral Europeu de Proteção de Dados n.o 2016/679. A natureza retrospectiva do estudo foi aprovada por nosso comitê do conselho de revisão institucional (Mediterranée Infection N °: 2020–13). No momento em que o estudo foi realizado, o HCQ foi aprovado para o COVID-19 apenas como parto hospitalar, na França. Para todos os pacientes, a prescrição de HCQ + AZ foi feita durante a internação completa ou na creche por um dos médicos praticantes, independentemente do investigador, após decisão colegiada com base nos dados científicos mais recentes disponíveis e após avaliação da relação benefício / dano do tratamento, de acordo com as disposições do Código de Ética (artigo R. 4127-8 do Código de Saúde Pública). Nenhum monitoramento suplementar ou procedimentos de diagnóstico foram adicionados à prática clínica normal, permitindo a vigilância e o gerenciamento do paciente (monitoramento dos níveis de HCQ e vigilância da carga viral de SARS-CoV-2 e ECG).
3 . Resultados
3.1 . Participantes
Entre 1.411 pacientes elegíveis com dados disponíveis, 350 foram excluídos ( fig. 1 , tabela 1 ). Para a presente análise, um total de 1.061 pacientes foram tratados por pelo menos 3 dias com a combinação de HCQ + AZ na IHU, incluindo 492 homens (46,4%). A idade média foi de 43,6 anos (desvio padrão (dp), 15,6 anos). As condições e sintomas subjacentes declarados pelos pacientes (91,7%) estão descritos na Tabela 2. A maioria (95,0%) dos pacientes apresentou baixa pontuação no NEWS. O tempo entre o início dos sintomas e o primeiro dia de tratamento (dia 0) foi de 6,4 dias (desvio padrão de 3,8 dias). Um total de 469 pacientes (65,7%) apresentou tomografia computadorizada de LD compatível com pneumonia, incluindo 20,5% e 2,2% com escore intermediário e grave, respectivamente. A carga viral média obtida por PCR no swab nasofaríngeo no dia 0 foi de 26,6 Ct com 5,0 como desvio padrão.

Plataforma Unio conecta empreendedores

O novo serviço do Sebrae RS possibilita ampliar a base de clientes e facilita as negociações em um ambiente virtual

A plataforma Unio lançada pelo Sebrae RS funciona como uma vitrine de profissionais que buscam ou oferecem algum tipo de serviço de consultoria e, inicialmente, contempla três categorias: inovação, design e processos, com 14 subcategorias. Até o final do ano, mais categorias serão incorporadas, informa o analista de soluções do Sebrae RS Saulo Roberto Henrich Morschel. A plataforma é um ambiente virtual que possibilita ampliar a base de clientes, facilita as transações financeiras e dá mais segurança para o fechamento de negócios.

A operação é simples. Os prestadores de serviço cadastram-se na Unio e respondem aos pedidos de orçamento; as empresas interessadas solicitam orçamento e escolhem a melhor proposta de trabalho.  A negociação e a contratação acontecem via plataforma, bem como o pagamento, que só é liberado para o prestador quando o trabalho é concluído, o que dá segurança para ambas as partes.

Para se cadastrar basta acessar www.uniosebrae.com.br, ler os Termos de Uso e Política de Privacidade, clicar em “Sou Prestador de Serviço – Quero fazer parte”, no menu superior, e preencher o cadastro completo, que inclui também um portfólio de projetos anteriores. Em seguida, o profissional passa pela curadoria e, sendo aprovado, é só aguardar os pedidos de orçamento que chegam pela plataforma.

Confira as categorias e subcategorias:
Design: design de ambientes, design de embalagens, design estratégico, design gráfico, design de produto, design de serviços, design web

Inovação: gestão da inovação, propriedade intelectual, registro de marca, transformação digital

Processos: estudo de viabilidade técnica, melhorar processos, melhorar produtos

quinta-feira, 2 de julho de 2020

Muito além das aparências.

Muito além das aparências.

Encoleirado no sofá da sala, vendo o Coronavirus bater na minha janela querendo entrar, me atacar e me destroçar, ainda que esteja provado que a maior contaminação se dá entre aqueles que ficam enfurnados em suas casas, pouco me resta do que mergulhar em leituras estocadas e espairecer deliciando-me com reprises de velhos clássicos do cinema.
Numa destas maratonas cinéfilas, dei de cara com o antigo campeão de bilheteria de 1949, Sansão e Dalilaprotagonizado por Victor Mature e Hedy Lamarr.
Gosto sempre de me inteirar sobre quem foram as personalidades que outrora brilharam nas telonas, o que fizeram em suas vidas, como estão hoje ou até mesmo se ainda estão em nosso meio. No caso de Sansão e Dalila, ambos protagonistas já se despediram a tempos da peregrinação terrena.
Descobri em minhas pesquisas que Hedy Lamarr era o nome artístico de Hedwig Eva Maria Kiesler, nascida em Viena, na Áustria em 9 de novembro de 1914, e falecida em 19 de janeiro de 2000 nos Estados Unidos em Altamonte Springs, Flórida.
De uma beleza deslumbrante, Hedy Lamarr foi considerada pelo diretor e produtor austríaco Max Reinhardt a mulher mais linda da Europa. Foi também a inspiração para Walt Disney desenhar o rosto da Branca de Neve, “a mais bela de todas” em 1937. Em 1933 protagonizou a primeira cena de orgasmo em um filme não pornográfico, Êxtase, o qual foi proibido em muitos países assim como pela própria Igreja Católica.
Enquanto perambulava em minhas pesquisas bibliográficas, tocou o meu celular e, ao apanhá-lo para atender à ligação senti perto de mim a própria Hedy Lamarr. Aquele maravilhoso aparelho que no meu isolamento anti-pandemia permitia que eu me comunicasse com qualquer lugar do globo terrestre eu devia a ela, Heidy Lamarr.
Além de consagrada atriz de beleza deslumbrante, ela foi uma excepcional inventora.
Muitas foram as suas invenções, mas a que mais se destacou e que demonstrou incontestavelmente a genialidade de sua mente criativa, foi aquela que, conjuntamente com o compositor e pianista George Antheil,criou o conceito de frequências variáveis.Avançado demais para a sua época,somente mais de meio século depoisfoi mundialmente reconhecido consagrando-a com justiça no rol dos grandes inventores mundiais. Toda a tecnologia atual da telefonia celular se baseia na invenção de Hedy Lamarr.
Em 1997 Lamarr recebeu do governo dos Estados Unidos menção honrosa “por abrir novos caminhos nas fronteiras da eletrônica”. É considerada mundialmente, com toda a justiça, a mãe do Wi-Fi.
O dia de seu nascimento é comemorado em todo o mundo como o dia do inventor. Em 2014 em Viena foi erigido um túmulo em sua homenagem ainda que suas cinzas tenham sido, a seu pedido, espalhadas pelos bosques de Viena.
Fico pensando em quantas vezes julgamos uma pessoa somente pela sua aparência. Quem diria, assistindo ao filme Sansão e Dalila que aquela garota petulante era, por trás das câmeras, um verdadeiro gênio da ciência?
Quantas pessoas trabalham conosco durante uma vida inteira sem que saibamos, um pouquinho que seja, quem que elas são na vida real?
Quantos músicos, poetas, atletas, líderes comunitários ou religiosos ou até mesmo abnegados voluntários junto a entidades sociais passam todos os dias ao nosso lado e nem sequer nos damos ao desplante de lhes desejar um bom dia?
É de nossa natureza centrarmo-nos em nós mesmos e isto faz com que percamos grande parte daquilo e daqueles que nos rodeiam. Quantas maravilhas e pessoas maravilhosas passam por nós todos os dias sem que ao menos nos apercebamos de sua existência.
Se queremos nos tornar mais felizes e plenos, procuremos descobrir as Hedy Lamarr que se escondem por detrás de rostos às vezes lindos, outras nem tanto. Mas elas estão ocultas ali, bem na nossa frente.
Cabe a nós estimulá-las a se revelarem. E, com certeza, poderemos ter surpresas extremamente gratificantes.

Fabio Freitas Jacques. Engenheiro e consultor empresarial, Diretor da FJacques – Gestão através de Ideias Atratoras e autor do livro “Quando a empresa se torna azul – o poder das grandes ideias”.

Transformação digital da rede varejista gaúcha das Lojas Lebes

Nesta quarta-feira, 1º de julho, ocorre a grande virada SAP da rede de varejo Lojas Lebes. Conhecida como Go Live, a virada é um marco no processo de Transformação Digital da empresa, iniciado em 2018, que contou com investimento de mais de R$ 30 milhões.

“O sucesso da Transformação Digital depende do entrosamento perfeito entre tecnologia, processos e pessoas, e trabalhamos com muita dedicação para chegarmos até aqui. Contornamos diversos obstáculos e desafios, entre eles, a epidemia do Covid-19, fazendo com que realizássemos testes e treinamentos de modo remoto e o próprio Go Live de forma híbrida, com parte restrita do time presencial e a outra parte toda em home office”, comenta Otelmo Drebes, presidente da rede.

Para esse projeto, informa o Diretor de TI Luis Brocca, a Lebes adquiriu a plataforma S/4 Hana Retail, versão mais moderna do SAP, implementada com acesso total via Fiori, tendo sido uma das primeiras varejistas do Brasil a ter essa tecnologia. Para garantir o sucesso desse marco, a Lebes contou com mais de 60 colaboradores dedicados exclusivamente ao projeto, que trabalharam por 10 meses com a metodologia SAP Activate, além de parceiros estratégicos para este desafio.

Destaque para o trabalho da FH, responsável pela implementação do sistema SAP S4/Hana; da GMC, que realizou o gerenciamento da mudança (Change Management); da Consultoria Lozinsky, responsável pela qualidade do projeto (Quality Assurance); da RetailPar, consultoria em Transformação Digital do Varejo; da DBC Company, desenvolvimento da solução de Inteligência de Negócio; da DbServer, responsável pelos testes de software; e da SoftwareAG, responsável pelas integrações.

O primeiro marco da onda digital Lebes aconteceu em 2019 quando foi lançado o App Lebes, que representou a materialização da Transformação Digital. Com uma visão Omnichannel, a Lebes empoderou ainda mais seus clientes e colocou todos os produtos e serviços na palma da mão. A partir de agora, com a virada SAP, a Lebes está ainda mais preparada para outras inovações.

“A virada do SAP marca o início de um novo capítulo da nossa história. A Lebes do futuro já está no presente com ainda mais agilidade, qualidade e transparência”, destaca Otelmo Drebes. E para comemorar este importante marco para a empresa, o presidente da rede de varejo realizou uma Live, na última terça-feira (30), para dividir a grande conquista com colaboradores e parceiros.