quarta-feira, 24 de julho de 2019

Artigo, Adão Paiani* - Escola católica, ideologia e terror.


O Colégio Marista Nossa Senhora do Rosário, em Porto Alegre, já foi uma das mais tradicionais escolas católicas do RS. Hoje, encontra-se dominada pelo ideário  de esquerda, "teologia da libertação" e ideologia de gênero, adotados desde a mantenedora, passando pela direção, professores e um expressivo número de pais e alunos - muito embora exista um movimento igualmente expressivo, dentro da escola, que trava uma luta desigual contra esse estado de coisas.

Em vídeo que circula pelas redes sociais, observa-se o risco a que são expostos os alunos da referida instituição em contato com essas ideologias nefastas, cujos princípios são impostos pela violência àqueles que lhes fazem oposição; e o efeito destruidor delas sobre personalidades ainda em formação.

No citado vídeo, uma aluna de cabelo verde (que alega possuir um pênis, algo biológica e anatomicamente pouco crível), investe com violência contra outro aluno, que reage no justo exercício do seu direito de defesa; tudo sob a postura omissa e covarde do professor, que não esboça o menor gesto de intervir no conflito.

A confusão entre os dois alunos, a propósito, teria  começado em função da própria atitude do professor em aula, que ao expor o conteúdo da disciplina que ministra, atacou violentamente a Polícia Militar (que no RS é chamada de "Brigada Militar"), acusando a instituição de perseguir "negros, pobres e LGBT's", no que foi contestado pelo aluno, despertando a ira da aluna agressora.

Até quando a sociedade poderá ficar inerte ante a ideologização dos currículos escolares e o incentivo à violência e a divisão social em um ambiente que deveria ser de estudo, pesquisa e formação de jovens?

Até onde iremos tolerar que instituições pretensamente religiosas sejam responsáveis por escolas onde se incentive não o convívio fraterno entre os diferentes, mas se ensine o ódio e a violência como forma de forçar a supremacia de uma visão de mundo e sociedade sobre outra?

Até que ponto permitiremos que escolas pretensamente confessionais preguem não a fé que dizem professar, mas a destruição da sociedade, a partir de seus mais elementares fundamentos, e incutam ideologias destruidoras e nefastas nós corações e mentes de nossos jovens?

O problema não se resume, particularmente, a esta escola, mas aquilo que a Igreja Católica no Brasil, tomada até suas entranhas por padres, bispos e cardeais comunistas, está transformando suas instituições de ensino.

Até quando, até onde e até que ponto continuaremos permitindo isso?

Para aqueles que acham que o que ocorre no âmbito de uma escola privada nada tem a ver consigo, ou com a formação de seus filhos, uma vez que não são alunos lá, um alerta: o que está sendo ensinado em escolas como esta, influirá diretamente na vida, no mundo e na sociedade onde seu filho irá viver.

E, por fim, a pergunta que fica é: você colocaria seu filho nesta escola? Se a resposta for "não", então o seu dever moral é lutar contra isso, ou experimentar o terror como colheita amarga da sua omissão.

* Advogado em Brasília/DF.



3 comentários:

  1. Este não é o meu Rosário, do irmão Lucínio, irmão Celso, Celso Pedro Luft
    Darcy Luzzato, Túlio Ordovás Santos...que lástima, era tão bom.

    ResponderExcluir
  2. A Escola não é lugar para DOUTRINA ideológica. Aulas sobre Política deve ser seriamente conduzida de forma imparcial. Adultos se comportam como selvagens sem a menor postura em plenário e congresso. Como um adolescente sem maturidade reage em situações de conflitos de opinião? Cabe o adulto intermediar o processo de análise evitar ataques em salas de aula. O colégio é responsável e inibir comportamento selvagem de posicionamento político.

    ResponderExcluir
  3. Lamentável!
    Mas, temos solucao e precisamos nos unir:http://transformando.com.vc/compreendendo-a-escola-sem-partido/?gclid=EAIaIQobChMIy9zns9rn4wIVBVYMCh1nfw8zEAAYASAAEgJZjfD_BwE

    ResponderExcluir