quarta-feira, 19 de junho de 2019

Artigo, Xico Grazziano, Poder360 - Plano Safra ficou bom. Ano que vem pode melhora


Pode ser substituído por Plano Trienal

Acabou uma jabuticaba da política agrícola: o governo Bolsonaro unificou o Plano Safra. Pôs fim a uma cizânia ideológica criada no campo.

Antes, por uma invenção de Lula, o Brasil tinha dois ministérios da Agricultura. Quando se anunciava o Plano Safra, realizavam-se duas cerimônias: em uma delas se convidava o pessoal do agronegócio; na outra, vinha a turma da agricultura familiar. Uma invenção petista.

Cultuava-se assim uma (falsa) distinção, que servia ao modo petista de governar: num evento, o governo adulava os empresários rurais; no outro, vestia o boné do MST. Manipulando a divisão, reforçava seu poder.

Desta vez, no anúncio do Plano Safra 2019/20, toda a agricultura estava junta no Palácio do Planalto, unida no mesmo propósito: gerar riqueza, dinamizar a economia e ajudar o país a sair desse marasmo. Maior harmonia rumo ao desenvolvimento.

Foram boas as notícias. O financiamento total para a agricultura brasileira soma o valor de R$ 225,59 bilhões. As taxas de juros, subsidiadas pelo Tesouro, ficaram estabelecidas em:

3% a 4,6% para os pequenos produtores, enquadrados no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf);
6% para os médios produtores rurais;
8% para os grandes produtores rurais.
A maior novidade do Plano Safra, uma vitória pessoal articulada pela ministra Tereza Cristina, coube ao subsídio do seguro rural, cujo montante subiu de R$ 440 milhões para R$ 1 bilhão nesta safra.

Nos países da Europa e nos EUA, a garantia da atividade no campo e, consequentemente, a manutenção da renda e do emprego, é o foco principal da política agrícola. Intempéries climáticas –seca, chuva, geada ou granizo– desgraçadamente afetam a roça de tempos em tempos.

A queda intempestiva de preços nos mercados, geralmente ocasionada por fatores externos, também pode ser indenizada pelo seguro rural. Estamos no caminho certo para uma agricultura mais estável e mais competitiva.

O fortalecimento do Ministério da Agricultura, promovido por Jair Bolsonaro, deu trunfos à negociação da pasta com o poderoso Ministério da Economia. Houve reversão de expectativas: a ruralista Tereza Cristina convenceu o liberal Paulo Guedes a bancar o agro.

Fala-se, porém, que, daqui a um ano, aí sim haveria uma reformulação geral da política agrícola. Tomara que ocorra. Não, é óbvio, para acabar com os subsídios, pois em todo o mundo os produtores de alimentos são protegidos.

Nossa política agrícola, porém, está cheia de remendos antigos. Seu escopo básico precisa ser substituído por novos mecanismos de apoio ao agronegócio. É preciso mudar o paradigma da política agrícola.

Mais que “agrícola”, a política governamental deve promover o desenvolvimento, com foco no agronegócio familiar. Exatamente isso. Ao contrário do pensamento da esquerda retrógrada, assumir que inexiste oposição entre o “agronegócio” e o “agricultor familiar”.

O recurso público deve ser utilizado para transformar os pequenos produtores rurais em empreendedores, torná-los prósperos, integrados às cadeias produtivas. Investir em tecnologia, aprender a negociar, crescer no mercado, sair da pobreza. Fortalecer o cooperativismo.

Nesse ano o Plano Safra ficou bom. Ano que vem pode melhorar, deixando de existir: seria substituído por um Plano Trienal de desenvolvimento rural.

Nenhum comentário:

Postar um comentário