terça-feira, 16 de agosto de 2022

Artigo, Cel. Paulo Roberto Mendes Rodrigues, Correio do Povo - As bodycam, os policiais e a criminalidade

Estão chegando as bodycam para melhorar a nossa segurança, alinhando-se a outras, em retrospectiva recente, auspiciosas iniciativas que surgiram para reduzir o quantitativo de transgressores da lei, destacando-se a implantação das câmeras de ruas, espalhadas pelas cidades, e dos radares implantados nas ruas e rodovias (pardais). Mas a vida seguiu.


Agora, mais do que nunca, existem notícias alvissareiras correndo pelo Brasil informando que a criminalidade, especialmente a violenta, finalmente será contida. A polícia será um órgão pacificador, comunitário e a bandidagem finalmente vai se render. Até falam que em São Paulo as ocorrências de confronto armado com evento morte já caíram fortemente. Tudo a partir da fixação de câmeras nos uniformes dos policiais (bodycam). Notícia ótima! Todos os policiais com seus apetrechos imponentes a utilizarão em suas ações e operações diuturnas.


Pois bem! Objetivamente a iniciativa é boa. E melhor ainda será o posicionamento dos "especialistas" que vão comemorar. Também será ótimo, pois vai acabar a narrativa da "violência policial". Será um sucesso. As bodycam vão vigiar os policiais 24 horas por dia. Poderíamos, também, aproveitar o êxito e experimentar a imediata utilização nos presos dos diversos regimes, nos baderneiros reiterados do futebol, entre tantos outros.


Ah! Imagine se a proposta fosse implementada na direção da corrupção. Nossa, que sucesso! Adiante serão fixadas em outras categorias, por primeiro as do crime organizado, em segundo as do crime desorganizado (varejo) e, terceiro, quem sabe no interior das residências (vai reduzir a violência doméstica, feminicidio...). Tudo vai seguir o mesmo caminho, teremos a tão almejada paz social.


Mas, lembre-se, sempre tem controvérsia e o assunto, por certo, irá para debate público com uma forte repercussão – ocorrerão debates acalorados na imprensa e redes sociais –, serão debatidos princípios constitucionais, intimidade, direitos humanos e por aí vai. Mas, ao cabo, prevalecerá as bodycam somente nos policiais, pois concluirão que são esses que contribuem para a violência.


E, assim, finalmente teremos o fim da bandidagem. Estamos salvos! Por certo, com tais medidas, a criminalidade violenta vai ter fim e os nossos policiais, através de suas ações sempre proativas e com o risco de suas vidas, serão finalmente reconhecidos como sendo os verdadeiros heróis protetores de nossa gente. Ufa!


*Ex-comandante-geral da Brigada Militar

4 comentários:

  1. O povo está preso, atrás de muros altos e grades e nem assim está protegido e não é de ataques zumbis, mas de "trabalhadores" do crime. A proposta é séria, foi criada no Congresso Nacional pela bancada do Partido dos Trabalhadores! Por sorte não passou, mas a câmera pra vigiar policial e não bandido passou, infelizmente. A inversão de valores, deixa claro que a maioria dos Deputados Federais e Senadores do Congresso Nacional apoia o Crime Organizado, mas, vou lembrar que é ano de eleição e não adianta votar só para Presidente e não votar para os outros cargos em apoio a ele. Votem em Deputados Estaduais, Governadores, Deputados Federais, Senadores e Presidentes que lhes represente de fato e se o crime organizado não te representa, não vote em ninguém que os endossa!

    ResponderExcluir
  2. Creio que o uso da câmera veio para constatar a ação policial, tanto para protegê-lo como para denuncia-lo, de acordo com as circunstâncias do ocorrido, diante do que, se faz necessário investir em instruções de abordagem e técnica policial, visando preservar a integridade física, psicológica e legal do policial.

    ResponderExcluir
  3. SIM A CAMERA APROVA OU CONDENA, ENTÃO MENOS BANDIDOS VÃO OUSAR E AS MARIAS E LUCIANAS DEFENSORAS DE BANDIDOS VÃO TER QUE INVENTAR OUTRA ATIIVIDADE.

    O BOM POLICIAL FICARA PROTEGIDO PELA CAMERA,"TESTEMUNHA OCULAR DO EVENTO".

    MUITO BOM!

    ResponderExcluir
  4. PARABÉNS, A BANDIDAGEM EXISTIRÁ SEMPRE MAS EM MENOR ESCALA.

    ResponderExcluir