quarta-feira, 5 de junho de 2019

Artigo, Astor Wartchow - Política versus economia


      Haja vista as promessas do novo governo em proceder uma ampla abertura comercial, de viés liberal, que contemple privatizações, concessões, permissões e terceirizações, entre as demais ações típicas, retomo um tema várias vezes tratado nesta coluna semanal.
      Primeiramente, importa afirmar que há uma crise mundial em curso, que a todas nações afeta, direta e indiretamente. E que exige estudos, procedimentos e diagnósticos para fins do futuro próximo.
      Entre as razões objetivas e subjetivas da crise, sejam mais ou menos difíceis de solução e conciliação, creio que há ponto central que tanto amplia a crise quanto impede soluções, qual seja:
      Há conflitos e divergências operacionais entre a prática política e a prática econômica dentro de um cenário de mundialização/globalização (da economia!).
      Regra geral, o espaço e o exercício da política é realizado no âmbito nacional, enquanto que a prática da economia – negociações, deliberações e decisões – ocorre extraterritorial e mundialmente.
      Vejamos um exemplo prático de conflito. Empresas multinacionais (ou nacionais com vocação importadora/exportadora) interessadas no livre comércio e no movimento de capitais estão sujeitas e influenciadas por legislação e sindicatos protecionistas e submetidas às condições da política nacional.
      Ou seja, a política nacional atua como um freio à tendência mundial do livre e abundante comércio. Nesse paradoxo, nesta contradição de vontades, a  política e a economia acabam por opor forças e anular esforços.
      Ideias e ações voltadas a integração mundial, dentro de uma visão liberal, a exemplo do que pretende o governo, acabam por enfrentar  movimentos e processos políticos internos nacionalistas e protecionistas.
      Estes movimentos e processos têm compromissos que vão além dos aspectos econômicos e financeiros. Basicamente, são compromissos incompatíveis com ânimos e tendências globalizantes.
      Consequentemente, este “insuperável” conflito de interesses provoca prejuízos aos projetos de ampliação do livre comércio mundial. Afinal, sob o domínio da política nacional, os liberais e globalistas econômicos têm dificuldade e incapacidade de interlocução e superação.
      Sobretudo neste momento de perplexidade, esta é uma dificuldade e contradiçao geral. Resumindo, é a política nacional de cada nação levada ao cenário e confronto mundial.
      E para piorar o cenário, para muito além da mundialização da economia, ultimamente advêm questões sociais complexas – como as ondas migratórias e o desemprego - que despertam o conservadorismo em todas as nações.


Um comentário:

  1. Suas observações são corretas, há um grande complicador que tem que ser solucionado, ele quase que "amarra" todos os demais,e o desnivel de custo de cada pais em função das responsabilidades sociais e fiscais E AMBIENTAIS, de cada pais ou unidade de produçãqo. COMPLICADOR PORQUE ELE VIABILIZA OU NÃO A PRODUÇÃO E VENDA DE UM PRODUTO PARA O MERCADO MUNDIAL.

    HÁ QUE SE CRIAR UMA ESPÉCIE DE PROTOCOLO, QUE REGULE TAXAS,DENOMINADOR COMUM QUE SE SEGUIDO POR INTERESSADOS ADOTAR DE LIVRE E ESPONTANEA VONTADE,ENTENDENDO QUE QUEM ASSIM NÃO O FIZER ESTARÁ FORA DA FESTA DOS NEGÓCIOS DO MUNDO.

    EMPORCALHAR O MUNDO SÓ PARA GANHAR MERCADO, NÃO MAIS.

    DONALD TRUMP PERCEBEU ISSO E LITERALMENTE "PEITOU E DESMASCAROU", A LUZ DO DIA ,LIDERES MAXIMOS DE PAISES EUROPEUS QUE SE QUEIXARAM A ELE, PARA TERMINAR COM TAXAS DE IMPORTAÇÃO;INESPERADAMENTE ELE ACEITOU E FOI MAIS ALÉM, A UNIÃO EUROPEIA TAMBÉM TERIA QUE FAZÊ-LO.

    TAXAS ZERO EM TODO MUNDO!

    QUASE TIVERAM UM FILHO.

    TRUMP RESOLVEU TEMPORARIAMENTE CRIOU TAXAS QUE CHAMO DE "TAXAS DE EQUALIZAÇÃO COMERCIAL", COMPENSANDO CUSTOS RIDICULOS DE PAISES QUE NÃO TEM GRANDES PREOCUPAÇÕES SOCIAIS DE SEUS PRODUTORES,DEGRADAÇÃO AMBIENTAL, OPERARIO AMERICANO COMPARADO COM O CHINES.

    ACHO JUSTO, POIS O OPERARIO DE CHINELO DE DEDO DESEMPREGA ALGUÉM NOS ESTADOS UNIDOS ,ABRICAS COM CHAMINÉ FUMEGANDO,CHEIOS DE SINDICATOS ONGS E OUTROS COMPLICADORES,O CUSTO FICA MAIS BARATO.

    TRUMP OBSERVOU E AGIU, ACERTOU NA MOSCA, E VAI SE REELEGER POR ESTAR ACERTANDO OS PONTEIROS DO EMPREGO EM SEU PAIS, DENTRE OUTRAS COISAS

    LEIS DE MERCADO FUNCIONAM DESDE QUE O MUNDO EXISTE,NINGUEM IRÁ MUDÁ-LAS, FAZ PARTE DO JOGO SE ADEQUAR A ELAS.

    ResponderExcluir