terça-feira, 14 de junho de 2016

Vendas do varejo restrito permanecem estáveis há quatro meses

As vendas do comércio varejista restrito1 cresceram 0,5% em termos reais na passagem de março para abril, descontada a sazonalidade, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) divulgada hoje pelo IBGE. O resultado veio em linha com as expectativas do mercado e ligeiramente abaixo da nossa estimativa, as quais apontavam crescimentos de 0,5% e 0,7%, respectivamente, segundo coleta da Bloomberg. Na comparação interanual, houve recuo de 6,7%.
Setorialmente, três dos oito segmentos apresentaram variação positiva no período, com destaque para outros artigos de uso pessoal e doméstico, cuja alta de 2,8% na margem reverteu o recuo de 1,9% observado no mês anterior. Além disso, o volume de vendas de combustíveis e lubrificantes ficou estável no período. Já o setor de equipamentos e material de escritório, informática e comunicação registrou queda de 4,9% em abril, sucedendo elevação de 6,3% ocorrida em março (vale destacar que essa série é bastante volátil).
Os níveis das vendas reais já sinalizam alguma estabilidade da atividade varejista nos quatro primeiros meses deste ano. Quando analisamos o crescimento semestral anualizado, a receita nominal, por exemplo, avançou 6,0% no período, sugerindo alguma retomada do consumo das famílias à frente. Na margem, a alta foi de 1,2%, após a leve retração de 0,2% verificada em março.
Entretanto, o volume de vendas do comércio varejista ampliado, que contempla todos os setores, recuou 1,4% na margem em abril, também excetuados os efeitos sazonais. O desempenho inferior ao do varejo restrito se deveu às fortes contrações de 6,6% e 4,0% dos segmentos de veículos e motos, partes e peças e material de construção, nessa ordem.
De modo geral, os sinais advindos da PMC desde o início do ano se somam aos apresentados por diversos indicadores antecedentes e coincidentes já divulgados, reforçando nossa expectativa de alguma estabilização da atividade econômica no segundo trimestre deste ano. A melhora recente da confiança dos consumidores e a redução do ritmo de crescimento da taxa de desemprego nos próximos meses deverá impulsionar, em alguma medida, a elevação do consumo das famílias à frente.
Dessa forma, projetamos estabilidade do IBC-Br em abril (proxy mensal do PIB calculada pelo Banco Central), tendo em vista inclusive a modesta alta de 0,1% da produção industrial no período. Cabe ressaltar que os dados do setor de serviços, a serem divulgados amanhã, ainda podem alterar o nosso número.
Conheça também nosso site: economiaemdia.com.br
Octavio de Barros
Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos - BRADESCO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário