quarta-feira, 16 de novembro de 2016

O muro de Trump Astor Wartchow - advogado

O muro de Trump
Astor Wartchow - advogado
A surpreendente vitória do republicano Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas tem preocupado muita gente mundo afora.
Faz sentido, afinal, sua bem sucedida pregação eleitoral estava recheada de ameaças e fanfarronices que podem vir a se concretizar. 
Entre tais exageros está a promessa de contenção do processo migratório, sobretudo aquele originário do México. Neste caso, prometeu a construção de um gigantesco muro na divisa dos dois territórios.
Há uma certa injustiça com a repentina fama negativa de Trump. Historicamente, sempre erguemos muros e barreiras. Em várias regiões e por diferentes razões.
A vocação da Muralha da China era a contenção das periódicas invasões dos povos do norte. Quanto ao Muro de Berlim, sabemos das razões político-ideológicas de então. Com sua queda crescera a esperança de um mundo sem barreiras, de livre circulação das pessoas, das idéias e de mercadorias.
Infelizmente, o sonho de um mundo sem fronteiras não se concretizou. “Renovam-se” os velhos e crescem os novos muros. Motivações, justificações e explicações não faltam.
Diferenças abissais entre ricos e pobres, desemprego crescente, intolerância religiosa, guerras regionais, racismo e xenofobia, principalmente.
Nos Estados Unidos, atualmente, um muro gigante já separa parcialmente mexicanos de norte-americanos. Também há muros na Califórnia, no Arizona, no Novo México e no Texas.
Árabes também constroem muros. A Arábia Saudita construiu o seu na fronteira com o Iêmen. E constrói outro na divisa com o Iraque. E não descarta outros muros em relação aos demais vizinhos.
O Marrocos levantou um no Saara contra a Frente Polisário - um movimento político revolucionário que luta pela separação do Saara Ocidental, sob domínio marroquino.
Impossível ignorar os muros e cercas que separam as Coréias do Sul e do Norte. Também no Chipre há um muro que divide as comunidades grega e turca da ilha. A Turquia não abre mão de um terço da ilha!
No Oriente Médio, amplia-se a tensão e a distância entre judeus e palestinos devido aos muros nos territórios da Palestina. Ocupação e apartheid.
Mas, nós podemos criticar os outros povos? O que são nossas favelas? Nossos muros e cercas elétricas? Nossos cães ferozes e guardas armados? O que é a ostensividade dos novos e ricos condomínios?
Temos o nosso próprio apartheid!






Nenhum comentário:

Postar um comentário