segunda-feira, 3 de julho de 2017

Saiba por que caiu a taxa de desemprego em maio

- IBGE: queda da taxa de desemprego em maio foi explicada pelo crescimento do emprego por conta própria

Os dados da Pnad Contínua referentes a maio apontaram para continuidade do processo de ajuste do mercado de trabalho. Apesar de a taxa de desemprego ter caído em maio, esse resultado refletiu principalmente o crescimento do emprego por conta própria. A ocupação formal caiu novamente no mês, em linha com o indicado pelos dados do Caged. A taxa de desemprego chegou a 13,3% nos três meses encerrados em maio, segundo resultados da PNAD Contínua divulgados na última sexta-feira pelo IBGE. Descontada a sazonalidade, a taxa recuou 0,1 p.p. ante a leitura anterior. Para tanto, a população ocupada reduziu seu ritmo de queda, ao cair 1,3% na comparação interanual, ante retração de 1,5% verificada em abril. Em relação ao mês anterior, a ocupação cresceu 0,2%. A População Economicamente Ativa (PEA) cresceu 0,1%, depois de ter ficado estável na leitura anterior. A intensificação da queda do emprego formal foi compensada pelo crescimento do emprego por conta própria, que responde por aproximadamente 25% do total de ocupados. De fato, nos últimos três meses, a ocupação por conta própria subiu 5,3% em termos anualizados, ante alta de 3,4% nos últimos seis meses. A ocupação formal, por outro lado, caiu 3,4% na comparação interanual ante queda de 3,6% na leitura anterior. Somado a isso, o rendimento médio nominal desacelerou entre abril e maio, ao passar de uma alta interanual de 7,4% para outra de 6,4%. Apesar do resultado positivo de maio, acreditamos que o ajuste do mercado de trabalho continuará no restante deste ano, com o aumento da taxa de desemprego. Esperamos, porém, moderação desse ajuste ao longo dos próximos meses, com a estabilização gradual da ocupação.

-Esta análise é da equipe de economistas do Bradesco e foi entregue hoje ao editor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário