quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Artigo - Os moços da Espanha

Artigo - Os moços da Espanha


MADRID – Em meio à turbulência da política europeia, a Espanha é hoje o melhor exemplo de renovação. Seus principais líderes políticos são muito jovens, todos com menos de 50 anos.
O primeiro-ministro Pedro Sanchez (PSOE) tem 46 anos, Pablo Iglesias (Podemos), 40, Albert Rivera (Ciudadanos), 39, Pablo Casado (PP), 37, e Santiago Abascal (Vox), 42. Nenhum outro país da Europa experimentou uma renovação política tão ampla neste século 21, com a velha geração deixando a linha de frente para dar lugar aos mais novos.
A política espanhola renovou da extrema direita ao centro e, deste, à extrema esquerda. No caso dos dois maiores partidos, PSOE e PP, a virada se deu pelo voto dos filiados. Os outros três surgiram em 2006 (Ciudadanos), 2013 (Vox) e 2014 (Podemos) trazendo a bordo novos atores políticos.
Isto mostra o vigor da democracia ibérica, um sistema político parlamentarista com voto em lista fechada. Santiago Abascal, líder do partido de extrema direita Vox, se tornou a principal estrela das eleições da Andaluzia no início deste dezembro.
Conseguiu 11% das cadeiras do parlamento e Vox é o partido que mais cresce entre os jovens. A última pesquisa eleitoral, publicada pelo jornal ABC em 17 de dezembro, revela um partido em pleno crescimento, podendo chegar a 10% dos votos nas eleições do ano que vem.
Entretanto, a grande estrela emergente da política espanhola é o advogado catalão Albert Rivera, fundador e presidente do Ciudadanos. Partido liberal, de centro, vem conquistado simpatizantes tanto do PSOE quanto do PP. Rivera, ex-campeão de natação com MBA em campanhas políticas pela The George Washington University, faz política com criatividade e ousadia.
Conquistou seu primeiro mandato no parlamento da Catalunha em 2006 com uma frase: “Só nos importam as pessoas”. E nenhuma roupa. No cartaz da campanha, uma foto de Rivera nu, fundo branco e o texto: “Não importa onde naceste, que língua falas, que roupas vestes. Nos importa tu”. Conseguiu três cadeiras.
Na eleição da Andaluzia, no início de dezembro, Ciudadanos foi o terceiro partido mais votado. Depois de 40 anos no poder o PSOE foi derrotando pelo centro-direita que tinha PP e Vox. Será a primeira experiência do partido no executivo.
No ano passado, foi o mais votado na Catalunha, sob a liderança de Inês Arrimadas, 37 anos, e levou 36 cadeiras. Inês cravou uma cunha no coração do movimento independentista e acaba de lançar o ex-primeiro ministro da França, o barcelonês Manuel Vals, candidato a prefeito de Barcelona.
O crescimento do partido de Rivera é consequência de uma mensagem de valorização da cidadania, transparência e combate à corrupção. Ciudadanos publica na internet seu balanço anual e submete suas contas a auditorias. Mas também foi ajudado pela desgraça que se abateu sobre o PP e o PSOE.
O PP teve boa parte dos seus dirigentes condenados por corrupção em maio deste ano, provocando a queda do ex-presidente Mariano Rajoy no dia 2 de junho. Rajoy sofreu uma espécie de impeachment e o governo foi recomposto a partir de uma nova maioria no Congresso liderada pelo PSOE.
Apoiado por José Maria Asnar, que comandou a Espanha entre 1996 e 2004, o jovem Pablo Casado foi escolhido para assumir o PP. A condenação do partido, a queda de Rajoy e a volta do PSOE ao poder gerou uma crise de confiança no eleitorado, fazendo com que boa parte migrasse para Ciudadanos e Vox.
Como a desgraça nunca é pouca, o PSOE também não escapou dela. Em 17 de novembro do ano passado a polícia prendeu o comissário e dublê de detetive particular José Manuel Villarejo, ex-membro do Corpo Nacional de Polícia, que chantageou boa parte da elite econômica, judicial e política das Espanha com gravações feitas durante mais de uma década e que somam 40 terabytes.
Entre suas vítimas está a princesa Corinna zu Sayn-Wittgenstein, amante do rei Juan Carlos. Não tardou para que surgissem áudios envolvendo ministros do PSOE, juízes e procuradores simpatizantes do partido. A ministra da Justiça, Dolores Delgado, ex-procuradora, aparece numa gravação onde faz comentários jocosos sobre a sexualidade do atual ministro do Interior e ex-juiz Fernando Grande-Mariaska.
O PSOE também perdeu consistência eleitoral por aliar-se ao Podemos de Pablo Iglesias, acusado de receber ajuda financeira de Nicolás Maduro, demonstrar pouca habilidade ao negociar com os independentistas da Catalunha e não conseguir oferecer soluções concretas para o desemprego próximo de 30% entre os jovens de até 30 anos. Todas as pesquisas indicam ser este o principal problema espanhol.
Neste contexto, Ciudadanos encontrou espaço para se transformar na terceira força política e estimulou os adversários a renovarem. É certo que José Maria
Asnar, de longe o mais experiente e competente político espanhol, não perdeu tempo e apareceu com a solução Pablo Casado.
Pedro Sanchez sofreu mais, porém seu caminho até Moncloa foi mais curto: um ano antes de sentar na cadeira de Presidente derrotou os principais caciques socialistas, entre eles Felipe Gonzalez e José Luís Zapatero.
O que a política espanhola nos reserva para 2019 é talvez sua mais importante disputa eleitoral desde século, porque existem chances concretas de o poder sair do velho eixo PSOE-PP para as mãos de uma nova força representada por Albert Rivera, cuja habilidade para negociar à direita e à esquerda tem feito a diferença.
Sua ascensão significa a preservação do centro democrático, o ponto de equilíbrio entre os extremos. Este ano, o centro foi moído nas eleições do Brasil. Desde 2016 vive um revés nos EUA com a eleição de Trump e o surgimento de uma esquerda democrata, representada por Bernie Sanders, e há dias vimos a sacudida que abalou a França de Manuel Macron com os protestos dos jalecos amarelos.
Os velhos líderes políticos brasileiros da esquerda, do centro e da direita, que teimam em não largar o osso, deveriam buscar inspiração nos moços da Espanha e deixar renovar, oxigenar. A política do sangue novo é a grande novidade transformadora num mundo que resolveu dar marcha à ré.
Gostou?
  
Autores

Marcelo Tognozzi
Marcelo Tognozzi é jornalista e consultor independente há 20 anos. É pós-graduado na Graduate School Of Political Management - The George Washington University e na Escola de Inteligência Econômica da Universidade Autônoma de Madri.


Nenhum comentário:

Postar um comentário