quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Artigo, Marcelo Aiquel - O cinismo é impressionante

    Hoje é domingo (10/01/16) e, ao invés de estar descansando, me sento à frente do computador para escrever novos gritos de alerta.
    Plagiando o magistral Thomas Jefferson: “o preço da liberdade é a vigilância eterna”.
    Por esta singela razão, enquanto a nação correr algum perigo, não se pode descansar. Nem aos domingos!
    O Brasil vive um cenário de hipocrisia e cinismo “nunca antes visto na história desta terra”, como diria – do alto da sua iletrada sabedoria – o profeta de Caetés/PE, o dr. honoris causa que, coincidentemente, não ministrou mais NENHUMA palestra após estourar o escândalo das empreiteiras. Que eram as fontes pagadoras das bazófias do molusco do mal.
    POR QUE SERÁ? Se você se enquadra entre os admiradores do líder do PT, já se perguntou isso?     NENHUMA palestra proferida. E o sujeito dava várias por mês. Em outros países inclusive, mesmo que não saiba sequer comunicar-se decentemente no seu próprio idioma.
    O que explicaria o fim deste fenômeno, senão a descoberta das justificativas que recebem desculpas recheadas de cinismo e hipocrisia?
     Outro dia escrevi, e vou repetir (em negrito):
      “Nem todo imbecil é hipócrita. Mas todo hipócrita é um imbecil.”
      O mesmo serve para os CÍNICOS. Inclusive os de plantão nas redações dos jornais. E também (especialmente para) os da classe intelectual da nação!
      Pois agora, ao pipocar na imprensa as notícias de novos corruptos, os defensores desvairados do Lulo-Petismo partem para o ataque, raivosos como seu chefe: “O PSDB também foi denunciado”. “Viram, não éramos somente nós!”.
      Como se uma tese defensiva deste quilate pudesse convencer alguém.
      Nem o mais néscio dos humanos aceitaria uma desculpa como esta. Ah, me esqueci dos eternos defensores do chefe e do partido. Mas, estes, data vênia, são todos hipócritas, ou cínicos, ou ambos. Ou estão a levar algum tipo de vantagem. Posso apostar que indevida e ilegal. Encontrarei reais adversários dispostos a bancar tal desafio? Duvido!
      E, caso esta fajutíssima (e ridícula) tese defensiva venha a, por um aborto da natureza, vencer, já imagino o que farei:Passarei a justificar todo e qualquer deslize que possa cometer como algo normal. “Afinal, fulano também fez...”. E estará resolvida a questão.
      Porém, será que a esquadra bolivariana terá o mesmo entendimento quando a hipocrisia lhe for contrária?
      A história da esquerda mundial prova que não. Ah, alguém quer apostar? Não! Pois contra fatos não há argumentos.
      Portanto, chega de escutarmos silentes estas justificativas esfarrapadas (“as doações foram legais”; “eu não sabia de nada”; ou “é golpe!”).
      Chega de hipocrisia. Chega de cinismo. Chega disso tudo.
      Ou se faz justiça ou vamos trocar o nome do Brasil. Sugiro, como nomes alternativos “roubolândia”. Ou, quem sabe, “terra da impunidade”.

      E da falta de vergonha!

Nenhum comentário:

Postar um comentário