terça-feira, 10 de maio de 2016

Artigo, David Coimbra, Zero Hora - Nem só as cartas de amor são ridículas

Fernando Pessoa não disse, mas devia ter dito
A política do Brasil é ridícula.

Esse Waldir Maranhão, com aquele bigode de zelador de edifício, puxando ao mesmo tempo os sacos do Eduardo Cunha e do governador comunista do Maranhão, cometendo essa manobra infantil para adiar o processo de impeachment, é ridículo.
O Eduardo Cunha, dizendo que não é dono, mas usufrutuário de dinheiro depositado na Suíça, botando o nome de Jesus nas senhas das contas de banco, manobrando sem fim para se manter no cargo, com aquela expressão de fuinha que ele tem, é ridículo.
Dilma Rousseff, com sua caudalosa e densa incompetência, sua dislexia que a impede de falar e pensar ao mesmo tempo, sua mania de querer ser chamada de presidenta e principalmente com a desfaçatez de dizer que seu governo não é corrupto, é ridícula.
Dilma consegue ser uma presidente mais ridícula do que Jânio e Collor, que eram ridículos.
Renan Calheiros, com seu implante de cabelos, é ridículo.
Lula, com sua arrogância, com sua cara de pau de dizer que é a alma mais honesta do Brasil, com suas palestras clandestinas, sem os plurais, sem apartamentos, sem sítios e sem ser dono de NOVE celulares que acharam na casa dele, é ridículo.
Um cara que tem nove celulares é bem ridículo.
Aécio Neves, com aquele risinho eterno, é ridículo.
Temer, que escreve cartinhas ridículas para Dilma, que faz ridículas gravações no WhatsApp e que faz poemas ridículos, é, obviamente, um ridículo.
Jandira Feghali, com aquela cara de cartomante, querendo bajular o Lula numa gravação com o celular e expondo o quanto Lula é ridículo, é ridícula.
Lindbergh Farias, dizendo que adora o Lula, é ridículo.
Jair Bolsonaro, com sua truculência, sua grossura, sua falta de educação, sua homofobia, seu machismo, seu atraso e sua imensa, insuperável, incontornável burrice, é, de todos, o mais ridículo.
Mas Jean Wyllys, com seu nome de carro dos anos 1960, suas cusparadas e seus faniquitos de ex-BBB, é tremendamente ridículo.
Maria do Rosário, Marta Suplicy e todas essas mulheres brabinhas são ridículas.
Kátia Abreu, que jogou vinho na cara do José Serra, é ridícula.
José Serra, que chamou Kátia Abreu de namoradeira, é ridículo. Chamar uma mulher de namoradeira é coisa de gente ridícula.
Os pedetistas adoradores do Brizola são babosamente ridículos.
Os comunistas que fazem manifestos apoiando a Coreia do Norte são estupidamente ridículos.
Os comunistas que não fazem manifestos apoiando a Coreia do Norte também são ridículos. Só que menos.
A Bancada da Bala é violentamente ridícula.
A Bancada dos Evangélicos, perseguindo os gays, é ridícula.
A revista Veja, que define uma mulher como bela, recatada e do lar, é ridícula.
A revista Carta Capital, que é chapa-branca, melequentamente governista e que tem um diretor que escreve a mando de Lula, é ridícula.
Talvez o Brasil todo seja ridículo.

Mas, sobretudo, eu, que devia estar bebendo chope com os amigos, em vez de me importar com tudo isso, sou um baita de um ridículo.

Um comentário: