terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Ariqueza da corrupção

A riqueza da corrupção
Professor de Filosofia

Por: Denis Rosenfield

O Brasil é definitivamente um país rico. Tão rico que a corrupção se conta em milhões e bilhões de reais, senão de dólares. As cifras são astronômicas. Somente um país de imensos recursos poderia se dar ao luxo de permitir tal tipo de crime!

Os governos petistas apresentaram-nos uma longa lista de crimes, produto de seu modo mesmo de exercício do poder, saqueando cofres públicos e empresas estatais. Dentre seus coadjuvantes de luxo, encontram-se o ex-governador peemedebista do Rio de Janeiro Sergio Cabal, e Eike Batista, ícone desta era. Quem não se lembra das fotos de Lula e Dilma com estes personagens!

O ex-governador Sergio Cabral, tão aclamado por suas UPPs, que se mostraram um engodo por sua falta de estrutura, amealhou, calculando por baixo, mais de US$ 100 milhões em contas no Exterior, perfazendo mais de R$ 300 milhões. Não espanta, portanto, que o Rio encontre-se nesta penúria, pois o exemplo de cima apresenta toda uma estrutura estatal capturada pelo crime.

Festas em Paris mostravam os comparsas esbanjando o que tinham surrupiado dos cofres públicos, dos recursos dos contribuintes. Expunham a quem queria ver a impunidade dos poderosos. A lei, pensavam, jamais se aplicaria a eles.

Eike Batista é outra expressão desta época de crime e impunidade. Foi erigido em símbolo do capitalismo petista, construindo um castelo de cartas ancorado em financiamentos públicos e em relações "privilegiadas" com órgãos estatais. Financiava campanhas eleitorais e irrigava os seus bolsos e os de seus companheiros.

Todos "ganhavam", salvo evidentemente os brasileiros, que continuaram com sofríveis serviços públicos. As necessidades sociais do país seriam menores se os recursos fossem melhor administrados, com honestidade e probidade.

A Lava-Jato fez escola no Rio de Janeiro. O juiz Sergio Moro foi substituído pelo juiz Marcelo Bretas, cumprindo rigorosamente a lei. A era da impunidade, a depender destes juízes e promotores acabou, apesar do esperneio de seus remanescentes, como o ex-presidente Lula. Contra todas as evidências, continua declarando que a lei a ele não se aplica.

Se for coerente, a sua tentativa de processar na ONU o juiz Moro deverá, então, em pouco tempo, se traduzir por colocar em questão boa parte do Judiciário brasileiro! É a volta pueril da medíocre máxima esquerdista de que a lei é somente uma mera expressão das relações de classe capitalista.


Logo, o crime está justificado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário