quinta-feira, 19 de julho de 2018

Artigo, Glauco Fonseca - Ficar ou deixar

Os setenta mil homicídios, a corrupção desenfreada, a violência endêmica, a falta de oportunidades para quem quer trabalhar e a ausência de perspectivas para quem quer investir são alguns dos fatores que estão fazendo muita gente pegar coragem e ir embora do Brasil. Não é fácil aguentar viver num país que é violentado e abusado todos os dias. Aqui não tem guerra, mas têm batalhas sangrentas. Não há muitos desastres naturais. Nossos desastres são, em sua maioria, artificiais mesmo. Este é um estado que deveria ser o terceiro ou quarto do planeta, por suas riquezas naturais e potenciais dos mais variados. Não é mais, entretanto, uma nação, para alguns. Para outros, não passa de um território imenso cheio de malandros e ladrões. Para mim, é tudo isso.

Dentre todas as mazelas que nos cercam, talvez, paradoxalmente, o povo brasileiro seja o menor problema. A ignorância popular vota nos Collors, Lulas e Dilmas, como faz, de forma idêntica, a elite de banqueiros, empreiteiros, artistas, jornalistas e os tais “formadores de opinião”. Os votos nos petistas foram incentivados pelos Odebrechts, que inundaram suas campanhas de dinheiro. Culpa do povo brasileiro? A qualidade dos candidatos a cargos eletivos tem sido a mais baixa possível. Vota-se no menos pior, no menos ladrão, no menos mentiroso...culpa do povo brasileiro? Vale repensar.

É de se imaginar a dor e o desencanto daqueles que tomaram a dificílima decisão de abandonar o barco. Vender suas coisas, aceitar viver debaixo de outra bandeira. Ter de se afastar de pessoas queridas, familiares, de sua rua, seu bairro e seu trabalho é algo que deve ser doloroso e muito sofrido. São corajosos – sim – os que deixam de viver em sua terra para ser inquilino em outras distantes. A vida é longa demais para a gente ter de vive-la sem um hino para cantar, com lágrimas nos olhos de saudade das aves que gorjeiam como lá.

São bravos os que ficam e os que vão. Ficar é um ato de coragem quase insano, daqueles que se vê em filmes. Entende-se sair de nossa terra por causa de guerras, perseguições políticas ou raciais, doideiras religiosas e outros horrores. Sair da terra por causa de conflitos transmite a ideia de que, tão logo as coisas se acalmem, é possível voltar. Quem está saindo do Brasil não fala em voltar. Não estão dizendo “até logo”. Estão dizendo adeus. Os que ficam, ricos ou pobres, sentem-se sós, em desamparo aumentado a cada vez que a voz do aeroporto diz “Senhores passageiros do voo 123 para Lisboa...”. Lá se vão mais compatriotas que vão fazer falta.

Ficar é a minha decisão. Poderia ter tomado a decisão de ir. Preferi ficar, sem julgar ninguém. Chego até a ficar com pena de quem vai, mas respeito e apoio a dura decisão. Ufanismos à parte, ficar ou sair é ato semelhante. A diferença é o risco que se assume. No risco de ficar, jazem as estatísticas horrendas de violência social que, de tão presentes, questionam até o próprio termo “estatística”. No risco de ir, a insegurança de ter de recomeçar, de dar errado, de ter de...voltar.

Meu abraço solidário, portanto, aos que vão e aos que ficam. Que todos nós encontremos a felicidade, aqui ou em outro lugar. Aos que ficam e aos que vão, no entanto, a minha lembrança: que MERDA que nós todos fizemos com o nosso país, não é mesmo?

Um comentário:

  1. Excelente artigo. Eu decidi ficar em 1973. Já morei nos Estados Unidos e tinha tudo pra voltar pra lá. Decidi formar minha família aqui. Hoje meus netos é que estão saindo do Brasil, pra estudar fora. Não aguentam mais os assaltos em paradas de ônibus e na casa deles. Se fosse mais jovem, acho que repensaria novamente e deixaria o Brasil, como fez tanta gente. Parabéns ao Diego Casagrande que decidiu morar nos Estados Unidos. Parabéns aos que vão e aos que ficam! João A. de Souza Filho. Escritor.

    ResponderExcluir