quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Artiogo, Astor Wartchow, Zero Hora - propaganda e história

Propaganda e história
Astor Wartchow
Advogado
Lastimo que a presidente Dilma não tenha aproveitado a oportunidade – no seu discurso aos senadores - para pedir desculpas ao povo brasileiro.
Especialmente aos seus eleitores, iludidos e enganados por um conjunto de promessas irreais e informações sócio-econômicas omitidas e falsificadas durante o processo eleitoral de 2014.
“Quando acaba a propaganda, vem a história”, disse um personagem de um filme que vi, faz alguns dias. Evidentemente, não poderia ser diferente. Quem entende um mínimo de economia já previa tudo isto.
Descontados os fanáticos governistas e crentes na sua “igrejinha ideológica”, sabia-se de antemão que “o conjunto da obra” era insustentável.
E isto já fora dito – como alerta - durante as gestões de Lula, que dirá nos governos Dilma, a quem caberia, consequentemente, juntar os cacos e proceder as adequações necessárias. Não o fez.
Preferiu optar pela propaganda e manter as aparências, por solidariedade ao seu chefe e criador. Compreende-se. Se agisse preventivamente “desvestiria o santo e seus apregoados milagres”.
 Fez pior. Inventou “uma nova economia” que resultou, inevitavelmente, em artifícios orçamentários, fiscais e contábeis, entre outros atos lesivos contra a administração pública. Deu no que deu.
E aqui estamos. Déficit nacional gigantesco, economia em recessão, inflação descontrolada, milhões de desempregados, estados e municípios “quebrados”.
Mas há algo pior. Economia, estabilidade, controle da inflação e empregabilidade são passíveis de recuperação e adequação, ainda que possam exigir alguns anos de sacrifício.
Pior, repito, é a (in)fluência dos “membros da igrejinha” que continuam negando fatos policiais e judiciais. Demagogicamente, criam teorias conspiratórias, deusificam seus santos de barro, e manipulam temáticas (sérias!) étnicas, regionais e de gênero, gerando e mantendo um debate insano e inócuo.

Ignoram que a história se sobrepõe à propaganda, ainda que, às vezes, tardiamente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário