sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Artigo, Fábio Jacques - Tempos tenebrosos de radicalismo

Artigo, Fábio Jacques - Tempos tenebrosos de radicalismo

Não me lembro de tempos tão tenebrosos de radicalismo como os que vivemos atualmente no Brasil.
O barco brasileiro singra mares tempestuosos correndo sério risco naufragar enquanto grande parte da tripulação, por cego ódio contra o capitão, tenta dinamitar o casco ou jogá-lo contra os arrecifes. Que morramos todos contanto que o capitão seja destruído!
O escorpião, enfiando seu ferrão nas costas do sapo que o ajudava a fugir do fogo e atravessar o rio, foi de uma gentileza invejável quando comparado com a ofensiva da esquerda brasileira contra Bolsonaro.
A regozijo de deputados, senadores e grande parte da mídia brasileira com a não entrada imediata do Brasil na OCDE chega às raias da insanidade.
“Não adiantou ser capacho, toda subserviência para dar nisso. Bolsonaro é uma vergonha internacional” diz o deputado Ivan Valente do PSOL.
Parece que o Brasil sempre fez parte deste organismo e Bolsonaro o tirou de lá.
O mesmo pode ser dito com relação do acordo Mercosul – União Europeia. Bolsonaro é violentamente criticado por não conseguir ratificar o acordo imediatamente como se já houvesse o acordo e Bolsonaro o tivesse desfeito.
Patriotas como a deputada Tabata do Amaral, em um evento na Universidade de Nova York paralelo à Cúpula do Clima da ONU, ao falar sobre o futuro da floresta amazônica, disse estar “profundamente envergonhada” pelo “mundo não poder contar com o Brasil” e Jucélia Santos pede ao mundo que boicote os produtos brasileiros. “Nós temos a maior floresta tropical úmida do mundo, que é a Floresta Amazônica, e eles querem destruir tudo. A guerra é total e visa ao aniquilamento do “inimigo”.
Quaisquer melhorias nos indicadores socioeconômicos sempre são acompanhadas por um “mas”.
Aumentaram os empregos com carteira assinada, “mas” o desemprego ainda é extremamente alto. Os juros chegaram ao nível mais baixo da história, “mas” continuam altos demais para estimular o consumo. O PIB cresceu nos últimos 12 meses, “mas” a evolução é muito tímida. As queimadas na Amazônia estão abaixo da registrada nos últimos anos, “mas”...
Tudo o que o presidente faz ou diz é contestado e ridicularizado. Bolsonaro diz “sem provas” tem se tornado um bordão midiático.
Bolsonaro talvez tenha sido o único presidente brasileiro que procurou cumprir as promessas de campanha, mas quase todas as suas iniciativas têm sido barradas ou desfiguradas no congresso quando não judicializadas. Alguém pode lembrar de alguma propaganda feita por qualquer governo anterior que tenha sido barrada pela justiça como foi a campanha do pacote anticrime do Sérgio Moro? Mas todo dia se ouve na mídia que Bolsonaro não propõe nada, não tem plano de governo e não cumpre as promessas de campanha.
Esta é a tenebrosa guerra ideológica pela qual o país passa.
A oposição “inimiga figadal” do Bolsonaro quer destruí-lo mesmo que para isto tenha que destruir o país, e vai continuar gritando ensurdecedoramente até conseguir enfiar na cabeça da população a ideia de que este é o pior governo que o país já teve.
Os “institutos de pesquisa” sinalizam que a popularidade de Bolsonaro está despencando como a maçã na cabeça do Newton, mesmo que em pesquisas online sua aprovação se mantenha acima de 70%.
Tudo é uma guerra ideológica, e como as pessoas não seguem pessoas e sim ideias, a repetição sistemática busca substituir o que está gravado nas suas circunvoluções cerebrais. Não conseguirão.
Acredito que o mundo evolui em função de Ideias, motivo pelo qual minha empresa se chama FJacques – Gestão através de Ideias Atratoras, e tenho a plena convicção de que um país, uma empresa ou  quaisquer associações humanas somente terão possibilidade de sobreviver se todos os seus membros se unirem em torno de uma grande “Ideia Comum”, mantendo viva a liberdade para discuti-la, propor melhorias ou até mesmo contrapô-la. Nunca destruí-la, como hoje acontece no Brasil.
Discuto a imprescindibilidade de grandes ideias como condição sine qua non para o sucesso das empresas no evento que pode ser acessado no link (https://www.sympla.com.br/23102019---2-ed-workshop-lideranca-exponencial---attractor-thinking__667448).
Mantenho o meu otimismo e continuo acreditando que este momento de extremo radicalismo passará, que o bom senso e o patriotismo voltem a reinar no país e que, finalmente, despertemos, levantemos do eterno berço esplêndido e que caminhemos a passos firmes na direção do nosso destino de destaque como uma grande potência mundial.
Que Deus nos ajude.
O autor é diretor da FJacques - Gestão através de Ideias Atratoras, empresa coirmã da Selcon Consultores Associados – MS Francisco Lumertz (Professor Chicão), Porto Alegre, e autor do livro “Quando a empresa se torna Azul – O poder das grandes Ideias”.
http://www.fjacques.com.br -  fabio@fjacques.com.br




Nenhum comentário:

Postar um comentário