terça-feira, 29 de junho de 2021

No Rio Grande do Sul, consumo das Classes C e D se recupera e sobe 20% em maio

Na pesquisa da Superdigital o índice havia recuado em fevereiro, março e abril, mas mostra melhora expressiva

O consumo das Classes C e D no Brasil cresceu 8% em maio, de acordo com a Pesquisa de Hábitos de Consumo da Superdigital, fintech do Santander. O resultado aponta uma boa recuperação, uma vez que em fevereiro, março e abril, a pesquisa apresentou quedas sequenciais. O levantamento é realizado mensalmente e busca traçar o perfil do consumidor das classes C e D.

No Rio Grande do Sul, a pesquisa aponta crescimento do consumo em maio de 20% sobre abril, destacando as categorias Transporte (27%), Drogaria (10%) e Automóveis e Veículos (9%). Houve queda também nos setores Companhias Aéreas (-50%), Serviços (13%) e Prestadores de Serviços (-13%).

Todas as regiões do Brasil apresentaram melhora, mas o crescimento mais robusto foi no Norte (14%) e no Sudeste (10%). Sul, Centro-Oeste e Nordeste tiveram alta de 9%, 5% e 2%, respectivamente.

Os setores que mais alavancaram os números foram Lojas de Roupas (12%), Transportes (10%), Restaurante (10%), Combustível (8%) e Hotéis e Motéis (8%). Os gastos que mais tiveram queda foram com Diversão e Entretenimento (-19%), principalmente, jogos online. 

Neste mês, foi possível fazer uma análise sobre o comportamento de consumo, em que as pessoas passaram a fazer mais compras em estabelecimentos comerciais físicos e menos no e-commerce, fato relacionado à reabertura gradual do comércio e maior mobilidade. 

Em abril o consumo online representou 25% do total das compras e passou para 22% em maio. Já o consumo em lojas físicas passou de uma representatividade de 75% em abril para 78% em maio, com aumento nas categorias Diversão e Entretenimento (81%), Serviços (12%), Lojas de Roupas (9%) e Restaurante (7%).

Para Luciana Godoy, CEO da Superdigital no Brasil, “depois do fechamento do comércio que houve no início do ano, as pessoas voltaram a ir a restaurantes e lojas. Percebemos uma mudança até no consumo de entretenimento, já que nos meses anteriores identificamos crescimento de gastos com jogos online. Agora, o consumo está sendo em parques de diversão, academias, entre outros serviços presenciais”.  

Esta avaliação fica ainda mais evidenciada observando os valores médios gastos em maio com cada modalidade. Os que mais cresceram foram em Companhias Aéreas (7%), Hotéis e Motéis (5%) e Restaurante (4%). “As pessoas estão gastando com itens que dependiam de maior circulação. Conforme o avanço da vacinação, elas se sentem mais confiantes para viajar, ir a um restaurante ou espaço público”, afirma a executiva.

Para o acesso aos dados completos da pesquisa, clique aqui.

Recortes regionais

NORTE

Pará

No Pará, o crescimento do consumo foi de 33%, impulsionado, principalmente pelos setores Drogaria/Farmácia (53%), Automóveis e Veículos (38%), Restaurante (36%) e Combustível (27%). Houve queda também em algumas categorias, como Companhias Aéreas (-18%), Telecomunicação (-8%), Hotéis e Motéis (-3%).

Amazonas

No estado, houve uma leve queda do consumo em maio de 1%. As categorias que mais sofreram foram Rede Online (-28%), Serviços (-26%) e Hotéis e Motéis (-23%). Os setores que mais cresceram foram Companhias Aéreas (121%), Transporte (23%), Diversão e Entretenimento (14%) e Restaurante (10%).

 

SUDESTE

Rio de Janeiro

O índice cresceu 38% em maio no Rio de Janeiro, recuperando as perdas em abril, quando houve queda no consumo em 26%. Os setores que mais se destacaram foram Hotéis e Motéis (40%), Combustível (14%) e Lojas de Roupas (13%). Houve queda nas categorias Companhias Aéreas (-17%), Prestadores de Serviços (15%) e Serviços (9%).

São Paulo

A pesquisa apontou crescimento do consumo em 4%, com destaque nos setores Lojas de Roupas (15%), Companhias Aéreas (14%), Restaurante (12%) e Combustível (10%). Houve queda dos gastos em Diversão e Entretenimento (-26%), Serviços (-5%) e Prestadores de Serviços (-2%).

Minas Gerais

A variação do consumo em comparação com abril foi de 7% de crescimento. Os mineiros gastaram mais nos setores Lojas de Roupas (21%), Transporte (14%) e Combustível (12%) e Telecomunicação (9%). As maiores quedas foram nas categorias Diversão e Entretenimento (-32%), Companhias Aéreas (-17%) e Automóveis e Veículos (-10%).

Espírito Santo

No Espírito Santo, houve uma leve queda no consumo em maio de 0,3%. Em comparação com abril, as categorias que recuaram foram Diversão e Entretenimento (-38%), Rede Online (-14%) e Transporte (-13%). Houve crescimento em Hotéis e Motéis (227%), Lojas de Roupas (32%) e Companhias Aéreas (18%).

 

SUL

Rio Grande do Sul

No estado, a pesquisa aponta crescimento do consumo em maio de 20% sobre abril, destacando as categorias Transporte (27%), Drogaria (10%) e Automóveis e Veículos (9%). Houve queda também nos setores Companhias Aéreas (-50%), Serviços (13%) e Prestadores de Serviços (-13%).

Paraná

No Paraná, o consumo teve um crescimento mensal de 6%. As categorias que mais tiveram alta foram Lojas de Roupas (14%), Lojas de Artigos Diversos (11%) e Transporte (8%). Houve queda de gastos nos setores Companhias Aéreas (-26%), Automóveis e Veículos (-19%) e Rede Online (-17%).

 

NORDESTE

Bahia

O consumo na Bahia teve queda de 3% em maio sobre abril. As maiores quedas foram nos setores Automóveis e Veículos (-33%), Hotéis e Motéis (-27%) e Companhias Aéreas (-27%). Alguns setores apresentaram crescimento, como Transporte (22%), Restaurante (11%) e Combustível (9%).

Ceará

No Ceará houve uma leve queda no consumo em maio sobre abril de 0,3%. As categorias que mais recuaram foram Companhias Aéreas (-44%), Diversão e Entretenimento (-30%), Hotéis e Motéis (-17%). Houve também crescimento de 8% nos setores Restaurante, Combustível e Transporte.

Pernambuco

Em Pernambuco, o crescimento no consumo em maio foi de 4% sobre abril. Rede Online teve crescimento de 41%; Automóveis e Veículos, 23% e Lojas de Roupas, 12%. No estado houve recuo em alguns setores como, Companhias Aéreas (-7%), Telecomunicação (-6%) e Prestadores de Serviços (-3%).

 

Sobre a Superdigital

A Superdigital (www.superdigital.com.br) é uma das fintechs do Banco Santander com atuação global. Possui mais de 1,7 milhão de clientes e processa mais de 70 milhões de transações por ano. O propósito da empresa é democratizar os serviços bancários: em apenas cinco minutos, qualquer pessoa pode abrir uma conta e gerenciar sua vida financeira sem burocracias, pelo celular.


domingo, 27 de junho de 2021

Show de impostura: quando é fofo dizer mal da pátria...

Por Renato Sant'Ana

 

Imaginem os Rolling Stones no Brasil, cantando para um Maracanã lotado de fãs. Aí, Mick Jagger, tendo um surto, interrompe o show para acusar a Família Real Inglesa de fazer fortuna com o tráfico de drogas.

É pura ficção, frise-se. Contudo, se chegasse a ocorrer, a maioria dos fãs acreditaria em Mick Jagger. E haveria uns quantos que até usariam as redes sociais para "viralizar" a injustiça de uma calúnia.

É o fenômeno da falsa legitimidade do estrangeiro que, por mais cínico e ignorante que seja, é ouvido como autoridade ao falar mal de seu país.

O ser humano médio não pensa. Na infância, acredita nos pais (estejam certos ou errados). Pela vida afora, não reexamina as convicções que vai formando e dá crédito a quem lhe parece fofo: é o autoengano de adotar "crenças" alheias como se fossem "pensamentos" próprios.

Tal fraqueza é útil ao populismo (de direita e de esquerda), que costuma forjar e disseminar crenças para fazer a cabeça dos medíocres.

E é o que a esquerda executa sem nenhum pudor, quando, em âmbito internacional, propaga mentiras sobre o Brasil para ocultar a corrupção que governos petistas sistematizaram, tudo para pavimentar o caminho da implantação de uma ditadura socialista no país.

Um exemplo recente, escabroso e útil a esta análise é o do ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas, Pedro Hallal, que publicou um panfleto numa revista de circulação internacional para atacar o governo.

Autorreferente e com dicção juvenil, o texto não parece lavrado por um acadêmico. Mas tem astúcia para tirar proveito da profusão de gaiatices que Jair Bolsonaro pronuncia cada vez que fala em público.

O primeiro ardil é intitular o manifesto como "SOS Brasil: ataques à ciência" e, assim, desde logo, incutir na mente de eventuais leitores a falsa ideia de existir no país uma cruzada contra os homens de ciência, forjando um contexto para um montão de informações descontextualizadas.

Depois, ele se declara "cientista" (sic), afirma que a situação da pandemia no Brasil é das mais graves, transcreve uns quantos disparates de Bolsonaro (alguns bem bobos) e costura os retalhos de modo a enfiar na cabeça do leitor que tudo é culpa do presidente.

"Como cientista, eu costumo não acreditar em coincidências", diz ele para ligar os números da pandemia à figura de Bolsonaro.

Com nenhum senso de ridículo (normal para um socialista), ele joga as informações sem demonstrar nexo com sua tese acusatória.

É o caso de citar que o Twitter discriminou uma publicação do Ministério da Saúde do Brasil como "disseminação de notícias enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à COVID-19", atribuindo ele à "galera" do Twitter uma idoneidade que é totalmente falsa.

Decente seria repudiar o que Twitter e Facebook fazem ao censurar postagens (inclusive de médicos) que não se alinham com a facção que usa a pandemia como pano de fundo para uma predatória guerra ideológica.

Outro ardil é o do vitimismo: "Eu nunca imaginei que seria o próximo", diz, pleiteando sua credencial de vítima.

"Sou o investigador principal do EPICOVID-19, o maior estudo epidemiológico sobre COVID-19 no Brasil", diz ele: é um introito para a sua farsa do "bonzinho perseguido".

"(...) durante uma entrevista de rádio, fui criticado por um deputado e por um jornalista (...)", queixa-se ele. E The Lancet, revista que se pretende científica (e que já deu vexame durante a pandemia) presta-se a divulgar a solene patacoada do ex-reitor.

Não vale a pena esmiuçar o panfleto, que mais parece escrito por um guri de grêmio estudantil do que por um professor universitário. Mas não é possível ignorar a irresponsabilidade com que ele procede.

O pretenso cientista estabelece proporções numéricas entre população do Brasil e do mundo e de vítimas locais e internacionais para concluir que, na data de 21/01/2021, "156.582 vidas foram perdidas por causa do mau desempenho brasileiro no enfrentamento da pandemia". Vamos ver.

A questão, aqui, não é examinar erros e acertos no enfrentamento da crise e respectivos autores. Nem, muito menos, justificar nada. O que se quer, de fato, é desmascarar a manipulação maliciosa dos números.

E o meio apto é comparar índices per capita de infectados, de óbitos e de curados, apontando a real posição do Brasil. Tomem-se números do Worldometer em 10/02/2021, panorama em que se deu o blefe do ex-reitor.

Infectados: segundo esses números, o Brasil tem 45 casos por mil habitantes, sendo o 35º lugar na lista de infectados per capita, situação bem melhor que EUA (84 casos por mil habitantes), Israel (77), Portugal (76), Espanha (65), Bélgica (62), Suíça (62), Suécia (59), Reino Unido (58) e França (52), por exemplo.

Óbitos: o Brasil está em 27º lugar, com 1096 por milhão de habitantes, situação melhor que todos os países acima citados, exceto Israel.

Apesar dos "secadores", o Brasil ultrapassou [fevereiro] a marca de 8,5 milhões de curados - mérito para nossos bravos profissionais de saúde.

Ora, não há o que comemorar. Mas há o que repudiar!

Como pode Hallal, um professor de educação física, que, no doutorado, estudou epidemiologia, lidar com estatística de modo tão leviano?

Não é leviandade. É, isto sim, malícia de um militante socialista.

Seu intuito é produzir um factoide útil para a esquerda, que, desde o início da pandemia, tenta colar em Bolsonaro o rótulo de genocida.

Qualquer cidadão pode, sim, criticar o destempero de Bolsonaro. Mas o que faz Hallal não é crítica: ele investe em desinformação, seguindo uma estratégia bem calculada, articulado com seus coleguinhas mundo afora.

Para o bem e para o mal, professores do mundo inteiro estão em rede. E é nesse cenário que o "estrangeiro maltratado" fala mal do Brasil.

E dá resultado. A U.S. Network for Democracy in Brazil, uma "rede" de acadêmicos e ativistas brasileiros no exterior (leia-se "estudantes" que nós custeamos) teve o engenho de preparar um "dossiê" a ser entregue a Joe Biden, o novo presidente dos Estados Unidos. Para quê?

Querem que Biden retire o apoio atual que os EUA dão ao ingresso do Brasil à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e questione a participação do nosso país no G7 e G20 enquanto Bolsonaro for presidente. E o Brasil que se exploda!

O dossiê é assinado por professores de dez universidades, nove delas nos Estados Unidos, e por diretores de algumas ONGs internacionais.

Não, os parasitas não atacam Bolsonaro por seus muitos defeitos. Eles se insurgem contra a descontinuidade do projeto de poder engendrado pelo Foro de S. Paulo, conglomerado das esquerdas latino-americanas.

O plano, com a mãozinha da casta acadêmica, era espalhar ditaduras socialistas no continente. Mas o projeto travou com a revelação da corrupção do PT & associados e com o impeachment de Dilma Rousseff.

E a eleição de Bolsonaro foi uma barreira para a revolução socialista.

Pois o ex-reitor é uma síntese do modus operandi dessa casta, sem a qual (citando só dois exemplos de alta letalidade para a democracia) não haveria operadores do direito (em todos os órgãos) que desonram a melhor tradição jurídica nem jornalistas úteis à desinformação.

E aí está um flash do que há de pior em nosso país, uma casta acadêmica disposta a tudo por um projeto de poder, infamando o Brasil e degenerando a juventude para o fim de formar palermas para o socialismo. Essa casta acadêmica é fiadora do nosso atraso e nos rouba o futuro.

 

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. 

E-mail:  sentinela.rs@outlook.com

Dia do Veterano Militar

  Homenagear aqueles que prestaram serviços relevantes em favor da preservação da integridade nacional e na defesa da sociedade, defendendo os objetivos nacionais permanentes. Este é o objetivo do deputado estadual Tenente-Coronel Zucco ao protocolar o projeto de lei 185/2021 que institui o Dia do Veterano Militar das Forças Armadas das Forças Auxiliares no âmbito do RS. A data escolhida é 11 de novembro.

Zucco explica que o projeto pretende dar visibilidade às mulheres e homens destas forças para que sejam lembrados por gerações e honrados pela sociedade pelos seus feitos e dedicações.

- Estas pessoas atuam nas mais diversas áreas com uma ampla gama de profissionais com várias formações e que trabalham pela paz mundial, no atendimento de catástrofes e onde for necessário o braço forte das Forças Armadas e Auxiliares – acrescenta.

A data escolhida – 11 de novembro – remete ao término da 1ª Guerra Mundial, sendo conhecido como o Dia do Armistício. Também ficou consagrada como data internacional dos veteranos militares e simbolizando a luta pela paz entre as nações. Neste dia poderão ser realizadas atividades, cerimônias e eventos festivos alusivos à comemoração.

sábado, 26 de junho de 2021

Pedro Lagomarcino - A canalhice de certos institutos de pesquisa

 Pedro Lagomarcino

@fanpagepedrolagomarcino  · Advogado(a) e escritório de advocacia

Pedro Lagomarcino


Canalhas existem em todos os lugares, em todos os ofícios e em todas as profissões.

Com o passar do tempo, uma nova classe de canalhas emergiu: a dos integrantes de inconfundíveis institutos de pesquisas.

E ao atuarem a canalhice é de estourar os tímpanos e de cegar.

Senão vejamos em detalhes.

Cena 1 - Pesquisa do Ipec diz que Lula tem 49% dos votos e Bolsonaro 23% no primeiro turno

https://gauchazh.clicrbs.com.br/.../lula-tem-49-dos-votos... 

Cena 2 - A CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari Nunes, afirmou à Polícia Federal, no dia 5 de novembro, que o senador Renan Calheiros (MDB) acertou propostas de pesquisas eleitorais que seriam pagas pela J & F.

Cena 3 - Márcia Cavalari Nunes, destaco, agora CEO do Ipec (empresa que realizou a pesquisa que diz que Lula tem 49% dos votos e Bolsonaro 23% no primeiro turno) presta depoimento da Operação Alaska

https://politica.estadao.com.br/.../Inqu%C3%A9rito-p%C3...

Qualquer mente média pode chegar as mais óbvias conclusões.

Em síntese, canaLHEIRAMENTE falando, as 🤭🙈pesquisas🙈🤭 apontam que Lula tem 49%.

sexta-feira, 25 de junho de 2021

Pedro Hellal

 "Leia-se: o sistema de distanciamento controlado e o monitoramento de bandeirinhas foram desvendados e demonstrados como verdadeiros embustes que são"

Eis a declaração de Pedro Hallal, ex-reitor da Universidade de Pelotas (UFPel), publicada hoje, dia 25-06-2021, no site da Zero Hora, ao se referir ao Sistema de Distanciamento Controlado, adotado pelos atuais Governador e Vice-Governador do Estado do RS. Diga-se de passem, sistema que era monitorado por bandeirinhas coloridas psicodélicas e mudava, a cada dia, as cores do Estado:

- "Foi politizado e degringolou."

Neste link a declaração👇:

https://gauchazh.clicrbs.com.br/.../foi-politizado-e...

Não, senhor Pedro Hellal!

Ledo engano!

Nem de longe ele foi politizado, senhor

Na verdade, eles foram é DETALHADAMENTE DESVENDADOS e DESMASCARADOS.

Aliás, para que conste, sem falsa modéstia, EU OS DESVENDEI e tive O PRAZER, após 16 (dezesseis) madrugadas, de DEMONSTRAR DETALHADAMENTE que se tratam de VERDADEIROS EMBUSTES, incluídos dentro de 103 (CENTO E TRÊS) Decretos Estaduais estapafúrdios, inconstitucionais e ilegais, firmados pelo Governador e pelo seu imediato Vice-Governador, os quais implicam na transferência de responsabilidades para Municípios, servidores municipais, empresários, empreendedores, comerciantes e cidadãos de bem enfrentarem e combaterem a pandemia do COVID-19, sob pena de se não o fizerem e descumprirem tais Decretos, serem presos em flagrante, bem como responsabilizados na área administrativa, cível e penal.

Aliás, após aproximadamente 1 (um) mês do trabalho de análise que fiz, eis que os próprios Governador e Vice-Governador firmaram, como não podia deixar de ser, outro Decreto, instituindo OUTRO EMBUSTE, agora chamado de sistema 3A's, o qual o Conselho Estadual de Saúde do Estado do RS, em ofício, afirmou que referido Sistema é ILEGAL, INEFICAZ e TEMERÁRIO!👇

https://www.correiodopovo.com.br/.../ces-diz-que-3-as-%C3...

Nada é tão trêfego em deturpar a verdade dos fatos tendo-se o desPeiTo de afirmar que o famigerado Sistema foi politizado, quando na verdade, o que se fez foi demonstrar os embustes de forma clara, didática e solar.

Aliás, nada é tão hiPócriTa do que recomendar a todos ficar em Casa (#FiqueEmCasa) e usar máscaras, como se apenas isso fosse a panaceia para todos os males de uma pandemia como o COVID-19 e, no entanto, ser flagrado em restaurantes sentado à mesa, na fila do caixa e jogando beach tênis, pasmem, SEM FAZER O USO DA MÁSCARA e, obviamente, SEM FICAR EM CASA, demonstrando que na PráTica, aquilo que se recomenda, não é o que se PraTica.

Compartilho com todos o trabalho de 476 (quatrocentas e setenta e seis) páginas, no qual demonstro os verdadeiros EMBUSTES do referido Sistema de Distanciamento Controlado e suas lúdicas bandeirinhas psicodélicas, incluídos com os 103 (CENTO E TRÊS) Decretos Estaduais estapafúrdios, inconstitucionais e ilegais👇:

http://chng.it/fQ4pKDjR

Também compartilho o trabalho de 486 (quatrocentas e oitenta e seis) páginas, no qual requeri ao Ministério Público do Estado do RS, a análise e apuração de eventual prática de improbidade administrativa, abuso de poder e abuso de autoridade do Governador e do Vice-Governador do Estado👇:

https://drive.google.com/.../1Tw4XEguixTO5vCRhydc.../view...

Índice de Confiança da Construção Civil volta a melhorar

 O Índice de Confiança da Construção (ICST) subiu 5,2 pontos em junho, para 92,4 pontos. É o segundo aumento consecutivo do indicador, e o mais elevado desde julho de 2020. O cálculo é feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre).

“Com a maior alta mensal desde julho do ano passado, o Indicador de Confiança da Construção recuperou o nível do início do ano”, disse Ana Maria Castelo, coordenadora de projetos da construção do FGV Ibre.

De acordo com a pesquisadora, o valor das matérias primas continua subindo, mas “prevaleceu a percepção de que a alta dos preços não está afetando a demanda, que voltou a crescer”. A questão para ela é se o mercado suportará o repasse do custo.

O ICST em junho refletiu a melhora das expectativas e da percepção dos empresários. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) subiu 4,0 pontos, para 89,5 pontos (o melhor patamar desde fevereiro). O resultado do ISA-CST foi influenciado principalmente pela melhora do indicador de situação atual dos negócios, que registrou 92,6 (acréscimo de 6,2 pontos). O Índice de Expectativas (IE-CST) sofreu alta de 6,4 pontos, indo para 95,4 pontos (maior nível desde dezembro de 2020). Por sua vez, IE-CST foi impulsionado pelo indicador de demanda prevista (aumento de 8,2 pontos) e o de tendência dos negócios ganhou 4,3 pontos (ficando em 94,8 pontos). O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) da Construção se elevou 3 pontos percentuais, para 77,4%. A maior contribuição veio do NUCI de Mão de Obra, que avançou 3,2 pontos, para 78,9%. Já o NUCI de Máquinas e Equipamentos cresceu 0,8 ponto para 70,3%.

quinta-feira, 24 de junho de 2021

A startup gaúcha Aegro - Software de Gestão Rural‎ recebeu um aporte financeiro de R$ 12 milhões.

 A startup gaúcha Aegro - Software de Gestão Rural‎ recebeu um aporte financeiro de R$ 12 milhões. O valor conta com a participação de ABSeed e SP Ventures. Entraram ainda na rodada a SLC Ventures, braço de corporate venture da SLC Agrícola, a ADM Venture Capital, do grupo Rendimento, o family office de Luis Felipe Carchedi e o publicitário Nizan Guanaes.

 

“Essa foi uma rodada muito importante, não só pelo volume de capital, mas pelos novos sócios que vão agregar em segmentos relevantes. Dividimos em três aspectos, o agrícola, porque não podemos perder nossas raízes; crédito, pois queremos investir em capital para o produtor rural; e branding para mudar nosso posicionamento. Assim, teremos soluções mais integradas dentro do sistema de gestão do produtor rural como um todo”, comenta o diretor executivo da Aegro, Pedro Dusso.

 

Fundada em 2014, em Porto Alegre, por Dusso, Paulo Vitor Silvestrin, Thomas da Silva Rodrigues e Francisco Gerdau de Borja, a Aegro desenvolveu um software de gestão para fazendas no modelo de software as a service (Saas) e funciona como uma planilha de Excel para funções do campo, realizando toda a gestão operacional do plantio e da colheita.

 

“Pensamos em uma plataforma que ajudasse o produtor rural a ter mais dados de toda a lavoura. Hoje, nossos clientes estão economizando tempo no planejamento das suas safras, registrando com precisão as atividades da lavoura, armazenando com segurança seu histórico de produção e acessando de qualquer lugar todas suas informações”, comenta o diretor executivo da Aegro, Pedro Dusso.

 

Atualmente, a Aegro conta com mais de 4,5 mil propriedades cadastradas. Isso significa que mais de 2,5 milhões de hectares já estão sendo gerenciados de forma eficiente, moderna, integrada e sem burocracia. Agora, com o aporte, a Aegro vai dar um novo salto e pretende entrar na área financeira, criando um braço de fintech. Além disso, a empresa quer aumentar a sua base de clientes, que, por sua vez, vai alimentar a área financeira com mais dados. A meta é, até 2023, atender com o sistema online aproximadamente 8 milhões de hectares – a assinatura mensal da plataforma é baseada no tamanho da fazenda e não no número de usuários ou de transações.

 

Lado a lado com o empreendedor

O sucesso é por conta do trabalho, mas este caminho começou quando a empresa participou da segunda turma do StartupRS, em 2015. Além de ter passado pelo programa realizado pelo Sebrae RS que tem o foco em soluções e aprendizados para prosperar, a startup ainda foi incubada no Centro de Empreendimentos em Informática da UFRGS (CEI) e na Wow Aceleradora, ambos parceiros do StartupRS. “Porto Alegre tem um dos ecossistemas que mais dispõe de instituições e ferramentas de apoio às startups e empresas de base tecnológica no Brasil. A startup é um exemplo de empreendedores que aproveitaram o que um ecossistema de inovação tem a oferecer durante a sua jornada”, destaca o analista de articulação de projetos do Sebrae RS, João Pinheiro Neto.


quarta-feira, 23 de junho de 2021

Nota da Faculdade de Ci~encias da Saúde do Moinhos de Vento, Porto Alegre

A Faculdade de Ciências da Saúde do Hospital Moinhos de Vento registrou aumento de 120% na procura pelo curso de graduação em Enfermagem com a pandemia da COVID-19. No primeiro semestre de 2021, o número de matrículas foi 130% maior do que no segundo semestre do ano passado. 

Segundo a gerente de Educação do Hospital Moinhos de Vento e diretora da Faculdade de Ciências da Saúde, Susane Garrido, as equipes da área da saúde se destacaram como protagonistas do enfrentamento à doença. Ela acrescenta que a situação não prejudicou a formação desses profissionais. 

“Conseguimos manter o padrão do Ministério da Educação, adaptando às exigências de saúde necessárias pela ocasião atípica. Quando as aulas presenciais foram suspensas, garantimos as atividades em plataformas online, para atendimentos síncrono e assíncrono. Depois, com a retomada das aulas práticas presenciais, reforçamos a segurança com acompanhamento da equipe de controle de infecção do hospital. Mantivemos serviços essenciais como biblioteca, atendimento de NAPP, além de lives para mantermos a conexão e o acolhimento dos alunos com a instituição. Então, eles seguiram aprendendo, pesquisando e praticando”, pontua Susane.

Para a Superintendente Assistencial e de Educação do Hospital, Vania Röhsig, o aumento da procura também se deu porque o mercado acompanhou as adaptações para que o aluno seguisse sendo formado com base em pesquisa. “A pandemia evidenciou faces da área da saúde que antes eram desconhecidas por grande parte da população. Com uma doença nova, ficou claro que esses profissionais precisam estar em constante aprendizado. Na Faculdade Moinhos, prezamos por uma formação que visa a prática baseada em evidências científicas, sem abrir mão do cuidado humanizado e integral ao paciente”, explica Vania. 

 

Vestibular de Inverno

As inscrições para o vestibular e os processos seletivos para ingresso no segundo semestre já estão abertos. Os interessados devem acessar o site http://faculdademoinhos.com.br. Também estão disponíveis vagas na pós-graduação e bolsas de iniciação científica. Um dos diferenciais destacados é o processo de aprendizagem na prática, além de mentorias com experientes professores da área médica.

 

Certificação Internacional

A Faculdade de Ciências da Saúde pertence à mesma mantenedora do segundo melhor hospital do Brasil, sexto da América Latina e um dos únicos dois brasileiros entre os cem melhores do Mundo. Os acadêmicos podem usufruir já no início da sua formação da expertise e da excelência do Hospital Moinhos de Vento. A instituição é a única afiliada à Johns Hopkins Medicine International. Também é certificada pela Joint Commission International (JCI).



 



terça-feira, 22 de junho de 2021

Entrevista com Nilo Quaresma Neto, diretor da EPCOR - Energia solar pode trazer economia de 95%

Acompanhando o ritmo de desenvolvimento econômico do país, a demanda por energia cresce. Ocorre que as fontes renováveis vêm se destacando nesse cenário e estão crescendo em larga escala. Atualmente, é comum encontrarmos residências, condomínios, empresas, indústrias e fazendas implementando algum sistema de energia renovável, muitas vezes gerando a sua própria eletricidade para o autoconsumo. 

A falta de investimentos em energias renováveis nos governos de Lula e Dilma deixou o país refém dos recursos hídricos que estão escassos e o acionamento das usinas termoelétricas nos últimos anos fez com que as tarifas de energia tivessem uma grande alta. Sobre o assunto leia a seguir a entrevista com o diretor da EPCOR Energia Solar, Nilo Quaresma Neto:

A quanto tempo está no mercado de energia renovável a EPCOR e onde atua?

- A Epcor atua no segmento de energia já faz 26 anos, desde 1995. Iniciamos com projetos de parque eólicos que hoje já estão em operação e a partir de 2012 começamos a atuar na área de energia solar fotovoltaica, quando fundamos a EPCOR Solar. Somos uma empresa pioneiro no Rio Grande do Sul no setor de energia eólica e solar. 

Qualquer pessoa ou empresa pode optar por ter energia solar na sua casa ou empresa?

- Sim, a energia solar através da geração distribuída pode ser utilizada por qualquer segmento que queira reduzir em até 95% sua tarifa de energia: residencial, comercial, industrial e rural. Mas não necessariamente tem que ser geração solar, também temos o recurso da energia eólica para instalar em pequenas propriedades ou estabelecimentos. Mesmo com sombreamento em telhados, caixas de água, chaminés, temos sistemas de alta tecnologia que nos dão alternativas para com soluções para não comprometer o sistema de energia solar. 

O que é necessário para geração de serviço energia eólica ?

- Nós estamos falando de geração distribuída, é tanto para energia solar como para eólica de médio ou pequeno porte. Se o local tem uma necessidade com potencial eólico pode ser utilizado um mini gerador onde já temos instalados em residências e Uruguaiana e no litoral, regiões com alto potencial eólico. O cliente pode ficar atrelada a concessionaria de energia, com valor x ligado a concessionaria mas com utilização de nossos serviços o nosso cliente, dependendo do consumo pode ter uma economia superior a 95%. Para não ter que ficar atrelado a uma concessionaria existe a opção de off grid, que é a utilização de baterias que darão suporte e mais autonomia para geração de energia sem quedas de força, pois utilizam como suporte as placas solares.   

Pode nos dar um panorama de como a energia solar tem evoluído no Brasil?

- O setor de energia solar cresceu muito nos últimos anos com geração de empregos e renda mesmo com a pandemia. Hoje nós trabalhamos com módulos de 535 watts (a quatro anos atrás eram instalados módulos de até 260 watts). Tivemos grande crescimento tecnológico no setor e muitas empresas principalmente na área rural estão aderindo a essa geração de energia limpa. A matriz elétrica brasileira é composta 60% por usinas hidrelétricas, energia eólica tem 10% e a energia solar está com 1,8%, o número é pequeno mas a tenência é crescer muito nos próximos anos. Para se ter uma ideia na geração distribuída, o Rio Grande do Sul (12,4%) é o terceiro estado com mais instalações solar fotovoltaica, só perdemos para São Paulo (12,6%) e Minas Gerais (18%). A distribuição de energia por setor está distribuída atualmente concentrada 40% da potência instalada no residencial, 36% no comercial, setores atualmente muito atingidos pela alta das tarifas de energia. Já o setor rural representa 8%. 

Saiba mais sobre a EPCOR Energia no site http://epcor.com.br/site/

Ata do Copom

 Os economistas do Bradesco dizem, hoje, que a ata do Copom reforçou a intenção de fazer o ajuste da política monetária, voltando ao nível neutro. O documento apontou uma visão de recuperação robusta da atividade econômica global em um ambiente de estímulos fiscais e monetários, mas as incertezas elevadas e a presença de riscos inflacionários levantam desafios aos países emergentes. Em relação ao cenário doméstico, a ata reconhece as surpresas positivas recentes da atividade, mesmo diante da segunda onda da pandemia, ressaltando que os riscos para a recuperação econômica reduziram-se significativamente. Além disso, o BC reconheceu que as pressões inflacionárias, principalmente sobre os bens industriais, têm se mostrado mais persistentes do que o esperado, mas essa alta pode ser revertida à frente. O BC também ressaltou que acompanha a evolução do setor de serviços e as possíveis pressões inflacionárias provenientes da reabertura da economia com a vacinação. 


o Diante dessa avaliação, o colegiado classificou como apropriada a normalização da política monetária até o patamar neutro, sinalizando elevações subsequentes de juros até este nível. Foi explicitada a discussão de adotar uma redução mais tempestiva dos estímulos já nessa última reunião, mas o Comitê optou pela manutenção do ritmo de alta de juros. Contudo, para a reunião seguinte, existe a possibilidade de aceleração do grau de ajuste monetário, condicionado ao comportamento das expectativas de inflação (acompanhando a pesquisa Focus e o implícito nos preços de mercado) e da evolução dos preços mais inerciais. Em nossa avaliação, por ora, o fluxo de dados quanto à atividade econômica, à taxa de câmbio e às expectativas determinarão o ritmo de elevação em agosto. Por ora, nossa expectativa de juros chegando a 6,50% a.a. no final de 2022 deve ser antecipada para este ano.


30 ANOS DE CONCESSÃO RODOVIÁRIA

 30 ANOS DE CONCESSÃO RODOVIÁRIA 

Marcus Vinicius Gravina 

advogado


Acompanhei o Programa Estadual de Concessão Rodoviária - PECR que foi extinto depois de intermináveis conflitos entre o Governo, Concessionárias e entidades de usuários das vias. O Relatório da CPI dos Pedágios da Assembleia Legislativa deveria ser lido antes da elaboração do próximo processo licitatório.

A ruptura, naquela ocasião, aconteceu sob ameaças de pedidos indenizatórios de grande monta das Concessionárias. Ninguém mais falou de tais ações judiciais. Convém saber se foram propostas, julgadas ou pagas pelo Estado.  

Não sou contrário à delegação pretendida pelo atual Governo do Estado. Mas, considero uma temeridade celebrar um contrato por 30 anos mediante cobrança de pedágio dos usuários. Não deve haver ilusão de que agora será diferente. Que teremos harmonia entre tarifa módica e o equilíbrio econômico e financeiro na relação contratada, em época de crise aguda e inflacionária, que forçará reajustes ou revisões de tarifas, em períodos inferiores a um ano. A sociedade não suportará tal ritmo de aumento das tarifas.  

Caso o Poder Concedente não autorize a cobrança dos valores calculados pelos “órgãos técnicos”, as concessionárias irão cobrar em juízo os valores calculados, ou rescindirem o contrato, levando-se em conta, para efeito indenizatório, as suas remunerações previstas pelos 30 anos. 

Os reajustes das tarifas dos pedágios serão reclamados com insistência pelas empresas por meio de repactuações dos contratos, aditivos ou “readequação de quantitativos para reequilíbrio econômico e financeiro do contrato” prática conhecida e usual do DAER. 

Isto é importante, porque se está falando em contrato de 30 anos. O prazo do programa rodoviário anterior foi de 15 anos e sem prorrogação.  Este poderia ser de 15 anos com prorrogação por até 15 anos, depois de avaliação do período inicial.  

Entenda-se o que pretendo dizer sobre a precaução com o prazo de concessão.  A tarifa inicial partirá de um patamar elevado.  Fala-se em 7 reais para veículos leves e certamente, será mais que o dobro para os caminhões. 

A inflação dos preços dos insumos empregados nas obras de duplicações e conservações de rodovias estarão em alta continua e provocarão o reajuste da tarifa do pedágio durante todo o prazo contratual, desde o primeiro dia.   

Caso os pleitos das concessionárias, por alegação de desequilíbrio financeiro não sejam atendidos, as obras e os serviços serão reduzidos, repactuados para menos. O contrato original não será cumprido e, mesmo assim, se continuará pagando o pedágio. 

Outro fator preocupante a ser previamente considerado.  Trata-se da participação da Agência Reguladora ou do Conselho Rodoviário do DAER.  São, facilmente, influenciados pelos interesses das empresas concessionárias e em segundo lugar, o adequado monitoramento fiscalizador das obras e serviços contratados. A comunidade não tem quem, efetivamente, a represente na execução e acompanhamento do programa e do projeto.  Se existente, deve ser reformulada em defesa do controle social, tendo por parâmetro o Art. 2º, II da Lei 10.257/2001.  


Artigo, Pedro Lagomarcino - A casa caiu

Em 14-04-2021, quando protocolizei a petição requerendo a instauração de processo de impeachment dos atuais Governador e Vice-Governador do Estado, por haverem firmado 103 (cento e três) Decretos Estaduais draconianos, estapafúrdios, inconstitucionais e ilegais, desvelei, detalhadamente, o verdadeiro embuste que sempre disse ser o tal de Sistema de Distanciamento Controlado. Ação essa realizada após 2 (dois) turnos de trabalho, já cansado, ao longo de contadas 16 (dezesseis) madrugadas em claro, que somou 476 (quatrocentas e setenta e seis) páginas e, sem falsa modéstia, se trata de apenas mais um de já incontáveis outros trabalhos de exercício da cidadania de minha autoria. Digo mais, nessa petição demonstrei claramente que o Governador e o Vice-Governador, com os Decretos que firmaram, na verdade apenas transferiram responsabilidades para Municípios, servidores municipais, empresários, empreendedores, comerciantes e cidadãos de bem enfrentarem e combaterem a pandemia do COVID-19, sob pena de se não o fizessem e descumprissem tais Decretos, acabarem presos em flagrante e responsabilizados na área administrativa, cível e criminal.

Segue o link da petição👇

http://chng.it/fQ4pKDjR 

Ato seguinte, em 24-05-2021, também protocolizei representação no Ministério Público Estadual, para que este analise eventual prática de improbidade administrativa, usurpação de poder e abuso de autoridade, exatamente, pelo que constou nos referidos Decretos Estaduais e devido as consequências que eles trouxeram a todo Estado do RS. O referido trabalho foi concluído com 486 (quatrocentas e oitenta e seis) páginas.

Segue o link da representação👇

https://drive.google.com/file/d/1Tw4XEguixTO5vCRhydcOHrM1dtTcO4g9/view 

No entanto, pasmem, aproximadamente, 1 (um) mês, contado da data do protocolo da petição, o governo do Estado do RS, "coincidentemente", criou o Sistema 3 A's.

Francamente, tal "coincidência" chega a ser hilária, haja vista que o famigerado Sistema de Distanciamento Controlado era alardeado pelos Alcaides que (des)governam o Estado do RS, como se fosse uma verdadeira panaceia e, de repente, "e não mais que de repente", foi abandonado pelo governo do Estado.

Verdade seja dita: o "noviço" sistema de 3 A's não passa de um embalado produto de marketing de 5° classe, que apenas encanta os olhos de mentecaptos.

Vejamos o que declarou, recentemente, em ofício, o Conselho Estadual de Saúde do RS:

- O SISTEMA 3 A's É ILEGAL, INEFICAZ, TEMERÁRIO, bem como NÃO FORAM investidos 12% na saúde.

Vejam com seus próprios olhos a matéria👇

https://www.correiodopovo.com.br/colunistas/taline-oppitz/ces-diz-que-3-as-%C3%A9-ilegal-e-ineficaz-e-que-n%C3%A3o-foram-investidos-12-na-sa%C3%BAde-1.635837 

Eis que, o Tribunal de Contas do Estado do RS (TCE-RS), em estudo realizado, constata que o governo do Estado do RS recebeu mais de R$ 3.000.000.000,00 (três bilhões de reais) e aplicou em saúde apenas R$ 867.700,00 (oitocentos e sessenta e sete milhões e setecentos mil reais), ou seja, foram aproximadamente R$ 2.000.000.000,00 (dois bilhões de reais), destaco, não-aplicados, em saúde.

Vejam com seus próprios olhos a matéria👇

https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2021/06/13/estudo-do-tce-mostra-que-rs-aplicou-r-8677-milhoes-enviados-pelo-governo-federal-em-saude-na-pandemia.ghtml

Senhoras e Senhores, a casa caiu!

O (des)governo dos dois tiranos que impuseram a tirania no Estado, através de Decretos Estaduais draconianos, estapafúrdios, inconstitucionais e ilegais acabou!

Estou aqui refletindo:

- Os Deputados Estaduais do RS ainda acham que estes dois tiranos que (des)governam o Estado não devem responder em processo de impeachment?

- Por que os Deputados Estaduais do RS calam, de forma velada, como se nada estivesse ocorrendo sem realizar qualquer posicionamento sobre este particular? Acaso não sabem que a omissão, a apatia e a indiferença são as vozes da conivência e da impunidade?

- Quando o Presidente da Assembleia Legislativa do RS me informará sobre alguma decisão em relação a petição de minha autoria, uma vez que já fiz 7 (sete) pedidos de informações ao Superintende-Geral da Assembleia e, até o presente momento, não recebi informação de qualquer decisão?

- O Ministério Público do Estado do RS não se arrependeu de ter concedido a mais alta condecoração da instituição ao atual (des)governador, no dia 01-06-2021, constrangendo quem realmente a merece e antes de analisar a representação que foi protocolizada em 24-05-2021, ou seja, antes da concessão da condecoração?

- Que isenção terá o novo Procurador-Geral de Justiça do RS, para analisar a representação que protocolei, sendo que, poucos dias depois de 27-05-2021, quando este recebeu a nomeação do (des)governador para ser o Chefe da Instituição, já de pronto, o condecorou, passados apenas 5 (cinco) dias da data da nomeação?

Enfim, são apenas algumas reflexões.

É da democracia e da maturidade saber conviver com sedimentadas reflexões.

Como também é, ou ao menos deveria ser, pautar-se com impessoalidade, observar o Império da Lei, o qual sedimenta o Estado Democrático de Direito e defender os reais interesses da sociedade.

No dia da prestação de contas com a minha consciência, perante o Pai Celestial, de algo jamais hei de me acusar: 

- Da covardia, de emudecer.


- - -

Dr. Pedro Lagomarcino

OAB/RS 63.784


www.pedrolagomarcino.adv.br

domingo, 20 de junho de 2021

Linguagem neutra está proíbida nas escolas de Santa Catarina

 Atendendo à proposição da deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC), o governador Carlos Moisés (PSL) editou nessa terça-feira (15) um decreto que prevê a obrigatoriedade do uso da norma culta da língua portuguesa nas instituições de ensino. Fica proibido o uso da chamada “linguagem neutra”, defendida por movimentos LGBT e por feministas.


“Com a proposta, documentos escolares oficiais, provas, grade curricular, material didático, comunicados e editais de concursos não trarão novas formas de flexão de gênero e de número das palavras”, informou o governo de Santa Catarina.


Ainda de acordo com o executivo, na prática, o conteúdo não fará referência à linguagem do gênero neutro, inexistente na língua portuguesa e que é contrária às regras gramaticais.


A deputada Ana Campagnolo destacou que o uso da linguagem neutra criaria um terceiro gênero linguístico, além do feminino e masculino.


Durante a discussão do projeto na Alesc, a parlamentar alertou que, ao contrário do que se prega, a linguagem neutra seria exclusiva e não inclusiva.


“Esse dialeto exclui os surdos porque não faz bem a linguagem labial, exclui os cegos porque complica os softwares de leitura, exclui também os disléxicos, que representam uma boa fatia da nossa sociedade. Ao invés de incluir, ele exclui as pessoas”, disse. 


No Boletim da Manhã desta quarta-feira (16) o analista político Italo Lorenzon explicou que a linguagem é uma ferramenta da razão que não pode ser deturpada.


“A língua é o mecanismo que você tem para digerir a realidade. Se você não tem preparo para a base lógica da linguagem, você simplesmente não pensa”, afirmou. Ainda de acordo com o analista, a linguagem neutra é mais uma bolha criada pela esquerda. “A linguagem neutra só vai funcionar para uma bolha. A esquerda virou uma máquina de fabricar a própria bolha”

A Lei de Incentivo à Corrupção

 Normalmente, pelo mundo afora, quando os Congressos aprovam uma nova lei por maioria-gigante, fica claro para todo mundo que os parlamentares estão entendendo a sua função — todos, ou quase todos, viram que havia uma clara vontade da opinião pública em determinar isso ou aquilo, e fizeram o que a população estava mandando que fizessem. 


No Brasil já aconteceu isso uma ou outra vez; não é impossível. Mas quase sempre, na vida como ela é, grandes aprovações são sinal seguro de grandes safadezas. Acaba de acontecer, mais uma vez, com a nova Lei da Improbidade Pública — que, acredite se quiser, torna ainda mais fácil do que é, para os corruptos, meter a mão no dinheiro do erário. 

Câmara aprova proposta que flexibiliza Lei de Improbidade e restringe possibilidades de punição a agentes públicosCâmara aprova proposta que flexibiliza Lei de Improbidade e restringe possibilidades de punição a agentes públicos

Bolsonaro defende projeto que flexibiliza a Lei de Improbidade Administrativa e restringe punição a agentes públicosBolsonaro defende projeto que flexibiliza a Lei de Improbidade Administrativa e restringe punição a agentes públicos

Os deputados capricharam: a coisa foi aprovada por 408 votos, com o apoio entusiasmado do PT e dos partidos que apoiam o governo. É nessas horas que se comprova, além de qualquer dúvida, o quanto o povo brasileiro está vendido. Havia uma lei sobre a improbidade no serviço público — essa que já permite toda a colossal roubalheira que está aí desde sempre —, mas os políticos não estavam contentes com ela. Achavam dura demais; precisavam, na verdade, de uma lei nova, que tornasse praticamente impossível a punição dos ladrões. 


Enquanto a população do país necessita desesperadamente de reformas que não saem nunca, os congressistas decidiram socar em cima da sociedade, em “regime de urgência”, uma lei nova, a seu gosto — algo que poderia ser chamado de "Lei de Incentivo à Corrupção".  


Passa pela cabeça de alguém que a grande maioria da opinião pública esteja exigindo, com urgência urgentíssima, medidas mais suaves para combater a prática do crime na vida política brasileira? Por acaso alguém acha que o problema do Brasil seja o excesso de rigor no combate à roubalheira?  


O líder do governo, num momento de sinceridade descontrolada, chegou a dizer que o projeto era “uma prioridade”. O próprio presidente Jair Bolsonaro se declarou a favor. O PT votou 100% junto com o seu inimigo “genocida”. Está claro, mais uma vez, quem fica com prejuízo quando eles todos se entendem tão bem assim. 


É claro que vieram com uma desculpa de primeira classe para explicar a nova lei — os “gestores” públicos estão “engessados”, dizem eles, pelos mecanismos de fiscalização existentes na legislação atual. Há dificuldade demais para fazer as coisas. A lei irá “destravar os empecilhos” que “paralisam o serviço público” — e por aí se vai. 


O serviço público é um desastre, como todos sabem há décadas; salvo as exceções, tudo ali funciona pior que na vida privada. Mas a nova lei teve interesse zero em reduzir a burocracia alucinada da máquina estatal. A papelada que oprime a população, com todos os seus alvarás, licenças, certidões, permissões, atestados, firma reconhecida e outras aberrações, continua igualzinha. A bandidagem, em compensação, fica com a vida ganha

Por que a obesidade é tão fatal para quem é obeso ?

 A pandemia de Covid-19 tornou ainda mais urgente tratar e prevenir a obesidade. Os obesos correm 48% mais de risco de morrer do que as outras pessoas se forem infetados com o novo coronavírus.

Essa foi uma das conclusões preocupantes a que chegou a análise de 75 estudos realizados em vários países, publicada na revista Obesity Review, no final de agosto. “É um aumento de cerca de 50 por cento, um número muito alto e assustador. Todos os dados são, aliás, muito mais altos do que eu esperava”, admitiu na época, ao The Guardian, o autor principal da investigação, Barry Popkin, da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos

A mesma análise concluiu que estes doentes, com um índice de massa corporal superior a 30 (o IMC é a relação entre peso e altura), correm um risco aumentado (em 113%) de acabar numa cama de hospital. E a probabilidade de irem parar aos cuidados intensivos é de mais 74%.

Por conta disso, surgiram vozes defendendo a prioridade na administração da vacina contra a Covid-19. Segundo um estudo publicado em fevereiro, na revista PNAS, os obesos serão “supertransmissores”. Isto porque tanto eles como os idosos têm uma maior probabilidade de respirar de forma pesada e expelir grandes quantidades de partículas infeciosas, concluíram pesquisadores do MIT, do Hospital Geral de Massachusetts e das universidades de Tulane e de Harvard, nos Estados Unidos.

A questão da vacinação voltou a ser tema no último fim de semana de fevereiro, quando se soube que a vacina da Pfizer/BioNTech pode ser menos eficaz em obesos. Numa pesquisa liderada pelo virologista italiano Aldo Venuti, do Istituti Fisioterapici Ospitalieri, em Roma, descobriu-se que 248 profissionais de saúde com obesidade produziram cerca de metade da quantidade de anticorpos em resposta a uma segunda dose dessa vacina, em comparação com pessoas saudáveis.

A obesidade é uma doença crônica e complexa, que está associada a mais de 200 outras doenças e problemas de saúde. Um obeso tem uma maior probabilidade de sofrer de diabetes e de hipertensão, uma maior disfunção pulmonar por causa da gordura abdominal e um maior risco de doença hepática e doença renal – tudo comorbilidades que o tornam mais vulnerável no caso de se infetar com o novo coronavírus.

Hoje, está cientificamente provado que as causas da obesidade incluem fatores genéticos e que a hereditariedade é responsável por 70% a 80% do IMC. Só depois vêm o sedentarismo, as dietas desequilibradas, a educação, o nível de rendimento (os alimentos menos saudáveis são mais baratos), o acesso a cuidados de saúde e os interesses comerciais (por exemplo, uma maior disponibilidade de alimentos processados).

Um tratamento que está se destacando é o semaglutido, uma versão sintética de uma hormona que atua suprimindo os centros de apetite no cérebro. No final de fevereiro, pesquisadores da Universidade Northwestern, em Chicago, nos Estados Unidos, apresentaram resultados “significativos” de um ensaio em que foi administrado semaglutido a 611 adultos com excesso de peso ou obesidade. Um tratamento de 68 semanas com semaglutido subcutâneo uma vez por semana versus placebo, combinado com terapia comportamental intensiva e uma dieta de baixas calorias nas oito semanas iniciais, resultou em reduções em peso corporal de 16% versus 5,7%, respetivamente.

Na Europa ja exitse três fármacos que tratam a obesidade. O primeiro a entrar no foi o orlistat, que impede a absorção de 30% da gordura da dieta e já demonstrou ser eficaz na redução do peso, do perfil lipídico e da gordura visceral, além de reduzir a progressão da diabetes.

Depois, chegou o liraglutido 3 mg, que reduz o apetite, aumenta a saciedade e atua ao nível do tubo gastrointestinal, sendo eficaz também na redução do perfil tensional e da apneia do sono, e podendo levar à regressão da diabetes.

Por fim, existe a associação fixa naltrexona/bupropiom, que também é eficaz na redução do peso, do perfil lipídico e da gordura visceral, e, tal como o liraglutido, reduz as compulsões alimentares. O mais urgente, mas não o mais importante. À cabeça de quem luta contra a obesidade está sempre acabar com a ideia errada e estereotipada de que “só é gordo quem quer”.

Artigo, Renato Sant'Ana - Como o populismo se insinua

O populismo é uma grande armadilha cognitiva, porque, não tendo qualquer compromisso com a verdade, busca conquistar o apoio das massas aplicando a pedagogia da dissimulação, do ilusionismo e das promessas vãs.

Pois que falem os fatos!

Em 2010, o ginecologista Roger Abdelmassih, especialista em reprodução humana e um dos pioneiros da fertilização in vitro no Brasil, foi condenado a 278 anos de prisão por 52 estupros praticados contra mulheres que se trataram em sua clínica, além doutros crimes.

Chegou a estar preso preventivamente. Mas, beneficiado por habeas corpus concedido pelo STF, fugiu. Só voltou a ser preso em 2014, no Paraguai, onde vivia sob falsa identidade com mulher e filhos.

E só foi trazido de volta para cumprir pena porque, entre Brasil e Paraguai, vigora, desde 1922, um acordo de extradição.

No entanto, como se verá, se dependesse do populismo esquerdista, ele estaria livre, leve e solto até hoje (está em prisão domiciliar...).

A notícia é do Diário do Poder: os socialistas do PSOL manifestaram-se contra o acordo de extradição Brasil-Marrocos (aprovado na COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL da Câmara em 10/06/21), dizendo que "viola os direitos humanos" e que é contrário à Lei de Imigração.

Ora, a extradição é a entrega de uma pessoa, pelo governo do país onde ela está escondida ao país que a reclama, para o fim de ser julgada criminalmente ou, ainda, de cumprir pena de restrição de liberdade por julgamento já ocorrido: depende de acordo prévio entre os Estados.

Note-se que, em regra, os acordos de extradição têm um caráter humanitário: permitir que a pessoa julgada e condenada possa cumprir sua pena em seu país de origem e com a proximidade de sua família.

Como pode, pois, o PSOL falar que um acordo de extradição viola direitos humanos? E que teria isso a ver com a problemática da imigração?

É preciso ver a psicologia da coisa!

Tratar como inimigo quem pensa diferente, taxar de indigno qualquer um que esteja fora do seu campo ideológico, jamais reconhecer mérito no que os outros realizam e fazer crítica sistemáticas, eis algumas formas de o populismo esquerdista dizer, indiretamente, que é superior aos demais.

Tem ainda as bandeiras de luta, hasteadas no mastro da falsificação: a defesa dos imigrantes é uma delas, usada para exaltar um alegado "humanismo" que não é, de modo algum, uma face do esquerdismo.

Quando o PSOL, que é apenas uma das vozes do extremismo esquerdista, faz essa falsa defesa dos imigrantes, está insinuando ter um profundo respeito pelo ser humano. Não tem! É marketing!

Criticar os outros é sempre uma forma de autoexaltação. Vale para indivíduos. Vale para agremiações.

Sabidamente, a maioria dos jovens, alvo principal dessa propaganda, não sabe nem procurará saber o que é "extradição", a que fim se destina nem em que condições se dá. E não vai filtrar a falácia populista.

A nota esdrúxula é que, o mesmo PSOL que diz defender as mulheres (outra bandeira enganosa), ao atacar o acordo de extradição, quer por ignorância, quer por oportunismo, adota uma posição que teria sido útil para proteger um repulsivo abusador de mulheres como Roger Abdelmassih.

Aliás, é irônico que o PSOL e seus assemelhados (PT, PCdoB, etc.) falem de "violação de direitos humanos": todos eles defendem a implantação de um regime totalitário no Brasil, em que direitos humanos não há.

Em suma, o populismo só diz o que as pessoas querem ouvir. Inventa alguns problemas e amplifica outros, de modo a exacerbar os anseios para, então, prometer soluções mágicas.

O populismo vive da preguiça mental das pessoas, que é a maior pandemia, um mal para o qual a maioria não quer vacina, que é conhecer, analisar e robustecer a honestidade intelectual. Dá muito trabalho...

Tem consequências concretas. O populismo chavista transformou a Venezuela de país mais rico da região em uma nação de famintos. O populismo peronista está venezuelizando a Argentina.

Aí acende um sinal de alerta: evitar a argentinização do Brasil! Isso requer combater, entre nós, a preguiça mental (que é coisa egoísta).

Não dá para combater a sordidez do populismo esquerdista alimentando um populismo de direita. A solução é deixar de preguiça, compreender o verdadeiro sentido da democracia e defendê-la pelos meios pertinentes.

 

Renato Sant'Ana é Advogado e Psicólogo. 

E-mail: sentinela.rs@outlook.com

Bolsonaro reafirma que Leite fez má gestão na área da saúde

 Em conversa com apoiadores, o presidente afirmou: “Não sei. Eu sei que o MP pediu para todos o destino do dinheiro. Tem governador que não encaminhou ainda. Não sei, não vou falar que ele fez mau uso do dinheiro. Pode ter enfiado num outro lugar, pode ser até legal, mas o dinheiro era para a saúde”.

 Em resposta enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), faz uma “má-gestão”, mas nega que tenha o acusado de “irregularidades“.

O documento é resposta à ação ingressada pelo tucano na Corte em que ele pede explicações ao presidente sobre declarações em relação ao uso da verba enviada ao governo estadual para combater o coronavírus. Em março, em entrevista à Rede Bandeirantes, Bolsonaro perguntou onde o governador havia “enfiado” “essa grana“, sugerindo um possível desvio de recursos.

“Em momento algum sugeri que o interpelante tenha cometido qualquer ilícito penal, tampouco pretendi ofender a sua honra. Não caluniei ou difamei o governador do Estado. Ao contrário, apenas critiquei duramente o governador, promovendo o natural e desejável debate político, típico de um ambiente de disputa por espaços. É perfeitamente natural que críticas e questionamentos públicos surjam com frequência, sempre sob o escopo do pluralismo político e da liberdade de expressão”, afirma o presidente.

Em 3 de junho, Bolsonaro voltou a levantar suspeitas sobre o uso de dinheiro federal enviado ao Estado do Rio Grande do Sul.


sábado, 19 de junho de 2021

O pecado original da esquerda decretou o fracasso dos novos atos de hoje

 

Recomendado - Depois da feijoada deste meio dia, Bier Markt Vom Fass já está aberta para atender quem for visitá-lo esta noite. Porto Alegre

Filé Biertrunken com pão preto é o prazo que mais sai no Bier Markt.

Depois da exitosa feijoada deste sábado, meio dia, com casa lotada, Bier Markt já abriu para seu público tradicional. Vá lá.

Faça já a reserva para você e seu grupo de amigos: WhatsApp e celular - 99388-2401

Pratos a la carte inspirados na gastronomia alemã.

Exclusivamente cervejas e chopes artesanais (36 torneiras). Segurança completa de verdade./Bom estacionamento de rua / Ar condicionado perfeito

Rua Barão de Santo Ângelo, 497 - Bairro Moinhos de Vento
Porto Alegre, RS

Localização, dicas, serviços: www.biermarkt.com.br

A esquerda humilha o Império Romano.

Fábio Jacques *

Até sinto pena do Calígula.

A história conta que o imperador Caio Júlio César Augusto Germânico, mais conhecido pelo apelido de Calígula, o terceiro da dinastia júlio-claudiana, comandou o império romano entre os anos 37 e 41 da era cristã. O apelido Calígula lhe foi dado pelos soldados quando ele, ainda criança, acompanhava as tropas e, por ser pequeno usava sandalinhas militares, as cáligas. Só no sapatinho.

Entre os feitos de Calígula como imperador, o de maior repercussão foi a nomeação de seu cavalo Incitatus para o cargo de senador.

Se vivo fosse, tenho certeza de que Calígula estaria esbravejando contra a esquerda brasileira chamando-a de invejosa por ter copiado a sua decisão. A esquerda superou Calígula colocando no senado brasileiro não um garanhão puro sangue, mas uma burricada, ou seja, uma manada de burros mal-intencionados.

Renan, Randolfe, Omar Aziz, Otto Alencar, Cajuru, Humberto Costa, Tasso Jereissati, Angelo Coronel, Simone Tebet, Kátia Abreu, Rogério Carvalho e Mara Gabrilli para citar apenas uns poucos, são senadores que fazem inveja ao bom e velho Incitatus. A diferença é que parecem equinos, mas na realidade estão mais para muares.

Fico imaginando Incitatus, do alto de sua majestade, perguntando, com pata em riste, ao Otto Alencar  qual a diferença entre um vírus e um protozoário sem permitir que ele pesquisasse a resposta no almanaque do Biotônico Fontoura? Ou perguntando à Simone Tebet qual foi exatamente a frase dita pela Kátia Abreu sobre o 5G já que ela não estava presente, mas contesta o que foi dito? Ou perguntando ao Aziz sobre a prisão da sua mulher e dos seus irmãos? Ou ao Renan sobre os 17 inquéritos dos quais é protegido por seus comparsas supremos? Ou à Mara Gabrilli, por que pergunta se não quer saber a resposta? Ou ao Randolfe DPVAT sobre o que ele quis dizer sobre buscar a verdade esteja onde estiver, ou sobre os motivos da seu requerimento de convocação da Mia Khalifa para depor na CPI? Será que depois de só perguntarem besteiras e de fugirem do contraditório num espetáculo deplorável, estão pretendendo apresentar algum show de sexo explícito? Aí vão ter que passar a transmissão em algum canal com pay-per-view só para adultos.

Tenho certeza de que Calígula se sentiria vingado e que Incitatus se atiraria no chão de tanto rir.

E quando Renan e seus comparsas começassem a se retirar da sala onde seriam inquiridos os médicos defensores do tratamento precoce e da vida, Incitatus certamente pensaria que estavam saindo para fazer um lanchinho no gramado em frente ao congresso e os teria seguido. Afinal, depois de dois mil anos, imagino que Incitatus estivesse louco para saborear um pouco de grama do cerrado, quase tanto quanto aqueles esquerdopatas.


Este nosso senado federal, com algumas poucas exceções, tornou-se a segunda maior vergonha do país. A primeira não vou citar porque algum de seus membros pode querer vir atrás de mim para me colocar uma tornozeleira eletrônica como as do Oswaldo Eustáquio, da Sara Winter ou do Daniel Silveira.

Nelson Rodrigues demonstrou toda a sua sabedoria quando proferiu uma de suas mais emblemáticas sentenças: 

“Os idiotas vão tomar conta do mundo, não pela capacidade, mas pela quantidade. Eles são muitos”.

Parece que os tenebrosos dias da instituição do reinado dos idiotas se aproximam a passos largos.

Dies irae dies illa. Vade retro. Mizifio.


* Fabio Freitas Jacques. Engenheiro e consultor empresarial

Bolsonaro participa da entrega de espadins na Escola Naval, Rio

O presidente Jair Bolsonaro participou neste sábado, no Rio de Janeiro, da cerimônia de entrega de espadins a 177 aspirantes da turma Almirante Bosisio, da Escola Naval. 

O espadim é o símbolo do compromisso que os aspirantes assumem com a Marinha.

Na cerimônia, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, disse que os militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica são indispensáveis para o progresso, para a liberdade e para a democracia do país. 

“O recebimento do espadim é a materialização do esforço e da dedicação dos senhores e das senhoras”, disse o ministro aos aspirantes.

Conselheiros municipais da educação pressionam por veto à lei de homeschooling no RS

 ORIENTAÇÕES PARA OS CMEs DO RS PARA MOBILIZAÇÃO CONTRA A SANÇÃO DO PL 170/2019


Conselheiros(as) Municipal de Educação


É do conhecimento de todos(as) que foi aprovado nos últimos dias na Assembleia Legislativa do RS o Projeto de Lei nº 170/2019, que autoriza a implementação da educação domiciliar (o Homeschooling). 

Solicitamos o apoio e empenho de todos(as) vocês para que usem o Twitter, o Instagram e o Facebook para manifestarmos CONTRA A SANÇÃO DESSA LEI. Precisamos de uma grande mobilização dos CMEs, pois a Educação gaúcha será prejudicada de forma avassaladora, nesta e nas futuras gerações.

Publiquem nas suas redes sociais a hastag #vetaGovernadorPL170 e marquem o Governador do Estado, Senhor Eduardo Leite, e o próprio Governo do Estado do RS, especialmente nessa SEXTA-FEIRA, DIA 18 DE JUNHO DE 2021, NO HORÁRIO DAS 10H ÀS 12H DA MANHÃ, utilizando:


Pela garantia da continuidade do direito à Educação Escolar das crianças e dos(as) estudantes do nosso RS, #vetaGovernadorPL170


@eduardo leite 

@governo do rio grande do sul

@eduardo leite 45

@governo_RS


Contamos com a mobilização de todos(as).

Atenciosamente,

Diretoria Executiva da UNCME-RS

Resumão do Lázaro e da “justiça” brasileira

2007 – Lázaro mata 2 pessoas na Bahia, fica preso 10 dias e fugiu.

O que ele fez nesses 2 anos? Trabalhou honestamente?

2009 – Lázaro é preso por roubo, estupro e porte ilegal de arma e é levado pra Papuda, em Brasília.

2013 – Na Papuda, saiu um laudo psicológico dizendo que ele é muito perigoso. 

2014 – Lázaro, em Março, é colocado pela justiça brasileira em regime Semiaberto.

2016 – Lázaro fugiu da Papuda.

2018 – Lázaro foi preso em Águas Lindas de Goiás por homicídio qualificado, porte ilegal de arma de fogo, roubo e estupro.

- No mesmo ano, em 23 de Junho de 2018, (o cara ficou meses preso): Lázaro fugiu de novo.

2020 - Lázaro, no dia 8 de abril de 2020, invadiu chácara em Santo Antônio do Descoberto e bateu num idoso com um machado. Foi indiciado por roubo por restrição da liberdade das vítimas, emprego de arma branca e tentativa de latrocínio.

2021 - Lázaro, no dia 26 de abril, invadiu uma casa no Sol Nascente: prendeu pai e filho no quarto, pegou a esposa levou pro matagal e estuprou.

- 17 de maio: entrou numa casa, rendeu toda a família, deixou todos nus e manteve a família refém por 5 horas de terror.

- 9 de Junho: entrou numa chácara, na Ceilandia, rendeu o caseiro, rendeu a família do caseiro e matou 1 casal e 2 filhos numa casa.

- 12 de Junho: invadiu fazendas, atirou em 4 pessoas e quando a polícia chegou ele botou fogo na casa pra fugir.

- 13 de Junho: furtou carro, viu a barreira policial, abandonou o carro e correu pra mata.

- 14 de Junho: tentou invadir uma fazenda, o caseiro atirou nele. Passou a noite numa fazenda, onde foi visto pelas câmeras.

- 16 de Junho: sequestrou uma família, levou todos pro rio, trocou tiros com a polícia e fugiu de novo.


perguntas: 

- A história do Lázaro mostra claramente como está o Código Penal Brasileiro. Quantos Lázaros o judiciário brasileiro, um dos judiciários mais caros do mundo, deixa solto por aí?

- Se a polícia prender o Lázaro de novo: por quanto tempo ele ficará preso?

sexta-feira, 18 de junho de 2021

 Artigo, Roberto Motta - Olhem Para San Francisco
Para ver o que acontece quando a ideologia radical domina a justiça criminal, basta olhar para a cidade de San Francisco, na Califórnia.

Uma reportagem do New York Times de maio de 2021 [1] diz que os roubos em lojas de San Francisco - uma das cidades mais ricas dos EUA - saíram totalmente de controle na cidade.

Por exemplo, os roubos nas lojas Walgreens da cidade são quatro vezes mais altos do que a média nacional, o que já forçou a empresa a fechar 17 lojas.

Frequentemente, os produtos roubados são vendidos nas calçadas em frente às próprias lojas de onde foram tirados.

CIQUE AQUI para ler mais.


Roberto Motta - Olhem Para San Francisco

Para ver o que acontece quando a ideologia radical domina a justiça criminal, basta olhar para a cidade de San Francisco, na Califórnia.


Uma reportagem do New York Times de maio de 2021 [1] diz que os roubos em lojas de San Francisco - uma das cidades mais ricas dos EUA - saíram totalmente de controle na cidade.


Por exemplo, os roubos nas lojas Walgreens da cidade são quatro vezes mais altos do que a média nacional, o que já forçou a empresa a fechar 17 lojas.


Frequentemente, os produtos roubados são vendidos nas calçadas em frente às próprias lojas de onde foram tirados.


Seguranças e funcionários receberam instruções para não confrontar e nem perseguir mais pessoas que tenham sido vistas furtando mercadorias, porque o risco se tornou muito alto.


Eu vivi nos EUA entre 1989 e 1994, e uma das primeiras coisas que percebi é que os americanos levavam qualquer tipo de crime a sério, incluindo os roubos em lojas - o termo é “shoplifting”.


O que mudou em San Francisco?


A reportagem do NY Times menciona como causa uma lei do estado da Califórnia aprovada por um plebiscito em 2014. 


Segundo a lei, conhecida como Proposition 47, roubo de mercadorias com valor inferior a 950 dólares deixou de ser crime e passou a ser contravenção. 


Isso, naturalmente, estimulou os ladrões.


É vasta a literatura que explica a motivação econômica do crime. 


O economista Gary Becker ganhou o Prêmio Nobel em 1992 explicando que a atividade criminosa é movida por uma análise de custos e benefícios pelo criminoso. Se os custos do crime para o bandido são baixos, e os benefícios são altos, mais crime será cometido.


O comandante Raj Vaswani, chefe de investigações do Departamento de Polícia de San Francisco, diz que está ocorrendo uma escalada de crimes violentos e cada vez mais ousados, “cometidos repetidamente pelos mesmos criminosos”.


Isso também não é novidade. Um estudo de 2017 [2] já mostrou que 66% dos crimes são cometidos por 10% dos criminosos.


É exatamente isso que está acontecendo em San Francisco.


Mas - pergunta a reportagem do NY Times - por que a mesma coisa não está acontecendo em outras cidades da Califórnia, já que a lei que foi modificada é estadual?


Quem explica a razão é Ahsha Safai, um vereador de San Francisco: tolerância com o crime. “Virou rotina”, ele declarou ao NY Times. “As pessoas se conformaram com a situação”.


Segundo Safai, “os criminosos estão escolhendo os alvos baseados nas consequências. Se os crimes cometidos não geram consequências para o criminoso, então você está estimulando novos crimes”.


E essa é a lição de San Francisco.



[1] www.nytimes.com/2021/05/21/us/san-francisco-shoplifting-epidemic.amp.html


[2] https://link.springer.com/article/10.1186/s40163-017-0072-2

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Senado aprova privatização da Eletrobrás. Governo jogou pesado no plenário. Oposição foi derrotada.

A líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS), disse em entrevista ao site Poder360 que a MP desagradava a todos e que uma derrota do governo seria o começo do fim da administração Bolsonaro, mas o governo jogou pesado, hoje. Como a proposta foi aprovada, a senadora resultou desmoralizada em sua catastrófica declaração.

O Senado aprovou nesta quinta-feira o texto-base da MP (Medida Provisória) da capitalização da Eletrobras. Foram 42 votos contra e outros 37 a favor. 

O texto agora segue para a Câmara dos Deputados. A proposta perde validade em 22 de junho.

O relator no Senado, Marcos Rogério (DEM-RO), fez acréscimos à proposta já aprovada pela Câmara. 

Pernambucanas abre loja em Uruguaiana

  A Pernambucanas, marca varejista nacional pioneira em inovações, inaugura sua 11ª unidade no Rio Grande do Sul, desta vez, na cidade de Uruguaiana, localizada no interior do estado. Somando 423 unidades no Brasil, a varejista chega a 11 lojas inauguradas somente em 2021, intensificando a capilaridade de produtos e serviços da Pernambucanas por todo o país. 


A unidade possui 953m² e gerou mais de 15 empregos diretos.


O espaço conta com o conhecido portfólio de produtos que vão desde vestuário feminino, masculino e infantil, itens de lar como cama, mesa e banho, além de eletroportáteis, telefonia e informática. A loja também conta com as novas categorias de produto da marca com itens de lar e vestuário para bebês, linha pet, bijuterias e brinquedos. Os clientes também podem conferir as novidades do Espaço Beleza, área dedicada a produtos das marcas Jequiti e Multi B (Vult, Eudora e Australian Gold).


“Os gaúchos têm um carinho enorme com nossa marca, sempre prestigiam nossos produtos e serviços. Expandir nossa presença na região é resultado de toda essa conexão com nossos clientes. Temos certeza de que nossa nova loja em Uruguaiana será um grande sucesso, assim como ocorre com as outras 11 unidades do estado”, afirma Sergio Borriello, CEO da Pernambucanas. 


Alinhada à experiência Fígital, que integra o melhor dos universos Físico com o Digital, a Pernambucanas disponibiliza em todas as suas unidades o sistema “Clique e Retire”, no qual os clientes compram pelo site ou aplicativo da marca e retiram na própria loja. Além disso, o cliente também tem à disposição a compra por Whatsapp, também com retirada na loja, em apenas 2 horas. 

Sempre pensando no bem-estar e saúde de seus clientes e colaboradores, a nova loja de Uruguaiana, assim como as demais, segue todas as recomendações dos órgãos oficiais com um rigoroso protocolo de segurança.

Serviço:

Unidade Pernambucanas Uruguaiana – RS

Inauguração: 18/06

Endereço: Rua Bento Martins, Calçadão, 2839, Centro, Uruguaiana – RS

Sobre a Pernambucanas

Há 113 anos, a Pernambucanas evolui junto com a família brasileira. Referência no varejo nacional, a companhia tem como marca registrada o pioneirismo e a contribuição para o progresso de diversas cidades do país. Conta com um time de estilistas que identificam as principais tendências mundiais da moda e oferece uma ampla variedade de produtos em moda, beleza, lar, eletroportáteis, telefonia e informática.  Está presente em cerca de 300 cidades, em dez estados e no Distrito Federal, com mais de 420 lojas e cerca de 14 mil colaboradores. Além do varejo, a companhia tem a sua fintech, a Pefisa, braço financeiro do grupo, responsável pelo desenvolvimento e gestão dos produtos como a Conta Digital Pernambucanas, PIX, Carteira Digital, cartões, empréstimo pessoal e seguros. Sempre se reinventando e acompanhando às necessidades de seus clientes, a Pernambucanas oferece uma inovadora plataforma digital de relacionamento em varejo e produtos financeiros, com aplicativos, compra online, tablet (concessão de crédito 100% digital em 7 minutos), emissão instantânea de cartão com chip, atendimento digital e Wi-Fi grátis em todas as lojas.

Leilão da CEEE-T tem nova data

 O governo do Rio Grande do Sul, por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura, publicou no Diário Oficial desta quarta-feira (16/6) o Aviso de Alteração do Edital nº 1/2021, referente ao processo de privatização da Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-T). O documento altera o cronograma da desestatização.

O leilão, que inicialmente estava marcado para 29 de junho de 2021, passou para 16 de julho de 2021. A entrega das propostas será no dia 12 de julho. O valor inicial foi estabelecido em R$ 1,6 bilhão.

A prorrogação foi solicitada por interessados na companhia, para melhor avaliar os aspectos da CEEE-T após a conclusão do processo de cisão dos segmentos de geração e transmissão que anteriormente eram objeto de uma única companhia (CEEE-GT).

Conforme o secretário do Meio Ambiente e Infraestrutura, Luiz Henrique Viana, “a mudança faz parte dos trâmites normais deste tipo de processo e proporciona mais tempo de análise aos investidores em potencial, aumentando as chances de concretização e sucesso da privatização”.

• Clique aqui para ler o documento publicado no Diário Oficial do Estado alterando os prazos.

Histórico da privatização

O segmento de transmissão de energia será o segundo braço do Grupo CEEE a ser privatizado, após o leilão da CEEE Distribuidora, no fim de março. A audiência pública com o objetivo de fornecer informações, esclarecer dúvidas e colher sugestões da sociedade sobre o processo de desestatização da CEEE-T, que tem como controladora a Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações (CEEE-PAR), foi realizado em 9 de abril.

A CEEE-T tem 56 subestações, que somam potência instalada própria de 10,5 mil MVA, e opera outras 18 unidades. A companhia também é responsável pela operação e manutenção de 6 mil quilômetros de linhas de transmissão e mais de 15,7 mil estruturas.

A desestatização foi iniciada em janeiro de 2019, com a elaboração das propostas legislativas necessárias. Em maio do mesmo ano, a Assembleia Legislativa aprovou a retirada da obrigatoriedade de plebiscito para a venda da empresa e, em julho, autorizou a privatização das empresas do Grupo CEEE.

Para a elaboração dos estudos e da modelagem do projeto de privatização, o governo do Estado firmou contrato com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A execução dos serviços é feita pela empresa Ernst & Young Global e pelo consórcio Minuano Energia, composto pelas empresas Machado Meyer, Thymos Energia e Banco Genial.

Depois da publicação do edital da CEEE-T, será publicado o edital para a venda do braço de geração da companhia, a CEEE-G.

Análise, os novos juros básicos

  Em decisão unânime, Copom elevou a taxa Selic de 3,5% para 4,25% ao ano, conforme esperado. No comunicado da decisão, o comitê seguiu apontando uma visão positiva para o cenário global, mas ressaltou que as preocupações dos mercados com a inflação podem tornar o ambiente desafiador para países emergentes. Em relação à atividade doméstica, o colegiado reconheceu a resiliência da economia brasileira frente à segunda onda de Covid-19, ao apontar que os indicadores continuam surpreendendo positivamente, implicando revisões relevantes nas projeções de crescimento e na diminuição significativa dos riscos para a recuperação econômica. Ao mesmo tempo, o Copom avalia que a persistência da pressão inflacionária vem se mostrando mais duradoura que o esperado, o que, somada à lentidão da normalização das condições de oferta, à resiliência da demanda e às implicações da deterioração do cenário hídrico sobre as tarifas de energia elétrica, tem contribuído para manter a inflação de curto prazo elevada, a despeito da recente apreciação cambial. Sob o modelo do BC, as projeções do IPCA subiram de 5,1% para 5,8% neste ano e de 3,4% para 3,5%, considerando a Selic de mercado, de 6,25% e de 6,50%, respectivamente, ao final de 2021 e 2022.


o BC mudou a indicação de um processo de normalização parcial, indicando normalização completa, inclusive deixando a porta aberta para um ajuste mais célere. A sinalização para a próxima reunião é de alta para 5,00% ao ano. Contudo, ao nosso ver, ao condicionar uma redução “mais tempestiva” dos estímulos monetários à eventual deterioração das expectativas de inflação, há chance de alta de 1,0 p.p. na próxima decisão. Por ora, entretanto, seguimos antevendo novo ajuste de 0,75 p.p. em agosto. Esse é um ritmo de ajuste compatível com a normalização de juros e que assegura uma travessia apropriada para o período de inflação alta e choques que vivemos, sem elevar excessivamente a volatilidade da política monetária. Nesse contexto, nossa expectativa de juros em 6,5% para 2022 pode ser antecipada para este ano quando publicarmos as novas projeções do cenário. 


o Fed reconheceu melhora do cenário de econômico, sem alterar a política acomodatícia, mas trouxe maior preocupação com a inflação. Na última reunião, o colegiado decidiu não realizar mudanças na política monetária, mantendo a taxa de juros básica e os programas de compras de ativos inalterados. Na avaliação do cenário, por sua vez, o FOMC ressaltou avanços na recuperação econômica do país, com o apoio do processo de vacinação e do estímulo fiscal e monetário. Além disso, a aceleração da inflação é classificada como temporária. As expectativas estão ancoradas, mas aumentará o incômodo, caso elas superem os patamares atuais. Dessa forma, apesar de reconhecer avanços no cenário de atividade e emprego, o FOMC manteve a avaliação de que a economia necessita de suporte monetário. Contudo, a informação mais importante foi a sinalização de que o início do aperto monetário pode estar ficando mais próximo, de acordo com o sugerido pela divulgação das projeções econômicas dos membros do FOMC. A maioria dos dirigentes passou a esperar uma alta de juros em 2023, antecipando o ciclo de aumento em relação à última divulgação, na qual era majoritária a visão do ciclo de alta se iniciando somente a partir de 2024. 


o Investidores reagem à antecipação da previsão do Fed para alta de juros nos EUA e os mercados operam no campo negativo nesta quinta-feira. Os índices futuros norte-americanos e as bolsas europeias registram perdas, ao passo que o dólar se fortalece ante as demais moedas. Com relação ao petróleo, os preços da commodity recuam, diante do dólar mais forte, revertendo parte dos ganhos da semana. Mais cedo, a leitura final do índice de preços ao consumidor da Área do Euro confirmou a alta anual de 2,0% em maio, acelerando em relação a abril, quando o índice tinha subido 1,6%, na mesma métrica. 

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Elisângela Hesse - Corram, prefeitos, corram!

Advogada e Gerente da RS Prev

É possível que muitos prefeitos que têm a obrigação de instituir o Regime de Previdência Complementar (RPC) em seus municípios ainda não tenham calculado e percebido que o processo é demorado. O prazo fatal é 12 de novembro deste ano. Quem não cumprir terá seu Certificado de Regularidade Previdenciária (CRP) suspenso. A consequência direta é a perda de recursos federais!

 

O longo caminho a ser percorrido até a assinatura do convênio de adesão da previdência complementar passa pela criação de um Grupo de Trabalho, elaboração da minuta do Projeto de Lei Complementar para instituição do RPC, aprovação na Câmara de Vereadores, seleção da entidade gestora da previdência complementar e assinatura do convênio de adesão. Tudo isso deve acontecer até julho, porque só depois de tudo isso é que o convênio poderá ser enviado à aprovação final da Previc, autarquia federal responsável pelo setor de previdência complementar, o que pode levar 60 dias úteis ou 90 dias corridos.

 

O RS tem 331 municípios que devem cumprir tal obrigatoriedade. É provável que nem 10% desses já estejam com PLC no Legislativo Municipal. Portanto, é alto o risco de sérios transtornos aos prefeitos municipais que não concluírem o processo todo até novembro. Os municípios poderão ficar sem o recebimento de verbas de programas e políticas públicas de todas as áreas, além de ficarem impedidos de celebrar acordos, contratos ou convênios. Também não poderão contrair empréstimos, financiamentos, avais e subvenções em geral de órgãos ou entidades da administração direta e indireta da União.

 

Mas há uma alternativa: o Plano RS Municípios pode auxiliar os gestores locais a instituírem seus regimes de previdência complementar sem correr o risco de sofrer punições ou perder benefícios. Administrado pela RS-Prev, entidade criada em 2016 pelo Estado do Rio Grande do Sul, o plano representa uma opção viável e segura para que os prefeitos instituam seus regimes de forma ágil e eficiente, sem precisar passar por todas as fases de criação de mais um órgão previdenciário, agora de previdência complementar. Em meio à dificuldade de cumprimento do prazo, que se torna a cada dia mais exíguo, o RS-Municípios é uma oportunidade, e a RS-Prev uma facilitadora. Corram, prefeitos, corram!

terça-feira, 15 de junho de 2021

Caso Luciana Genro - Embargos de declaração contra restrições do TJ ao Pedido de Interpelação. 15/06/2021.

 http://www.polibiobraga.com.br/embargos.pdf

Bolsonaro diz que vetará passaporte fascio-comunista para quem se vacinou

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que deve vetar o projeto de lei do chamado “passaporte” sanitário. A proposta foi aprovada no dia 10 de junho no Senado e ainda será analisada pela Câmara.O projeto cria o CSS (Certificado de Imunização e Segurança Sanitária). O documento permitirá que pessoas vacinadas ou que testaram negativo para a covid-19 possam entrar em espaços públicos e privados independente das medidas sanitárias de restrição adotadas para conter o avanço do coronavírus.

Bolsa cai levemente, mas opera acima dos 130 mil pontos

 A Bolsa abriu suas operações em baixa.

O dólar sobe.

11h27min

Bolsa, -0,10%, 130.083 pontos
Dólar comercial,+_0,28%, R$ 5,0833 para a venda

Blindagem do STF a governador investigado é um crime contra o país

 Blindagem do STF a governador investigado é um crime contra o país

Por J.R. Guzzo


STF liberou o governador do Amazonas, Wilson Lima, da obrigação de depor na CPI da Covid para que ele não sofresse constrangimentos.

O Supremo Tribunal Federal, quando se deixa de lado os não-me-toques usados para “proteger as instituições”, e se fala em português claro, funciona cada vez mais abertamente como o principal protetor do crime no Brasil — e tem cada vez menos interesse em disfarçar o que está fazendo. O ministro Edson Fachin proibiu os voos de helicóptero da polícia sobre as favelas do Rio de Janeiro; o único direito que ficou garantido, no caso, foi o dos criminosos, que agora estão protegidos de ações policiais capazes de revelar suas posições no território que ocupam.

O ministro Marco Aurélio soltou um dos maiores traficantes de droga do país; o homem fugiu no ato, e nunca mais foi encontrado. O ministro Gilmar Mendes não pode ver um ladrão do erário sem sacar do bolso um alvará de soltura. Agora é a vez da ministra Rosa Weber, que deu ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), um dos políticos brasileiros mais enrolados com suspeitas de corrupção no uso de verbas públicas no combate à Covid-19, o privilégio de não ser interrogado nesse picadeiro de circo que “investiga” a pandemia no Brasil.

A ministra Weber deu um argumento espantoso para a sua decisão: o governador, segundo ela, não pode sofrer “constrangimentos” na CPI da Covid. Por que não? Só porque está metido na operação “Sangria” da Polícia Federal? Só porque precisa esconder as responsabilidades diretas do governo do Amazonas no sinistro colapso do fornecimento de oxigênio em Manaus, no começo do ano — que a “Resistência”, desde então, tenta desesperadamente jogar em cima do governo federal?

Todos os inimigos do presidente da CPI, do seu relator e da bancada da esquerda que controla os chamados “trabalhos” têm sido insultados em público, das formas mais grosseiras que se possa imaginar, pelos inquisidores. Ninguém, no STF ou em qualquer outra entidade de oposição ao governo, se lembrou até agora de mexer uma palha em favor dos seus direitos. Por acaso eles não estão sendo constrangidos da maneira mais agressiva, cínica e desleal em seus interrogatórios? Por que o governador do Amazonas não pode ser constrangido, mas a dra. Mayra Pinheiro pode?

Há desculpas vagas de que ouvir o governador na CPI poderia ferir a “independência de poderes”. Como assim, se o próprio STF não faz outra coisa senão violar diretamente os direitos dos outros dois poderes? Os ministros conseguiram prender um deputado federal em pleno exercício do seu mandato. A cada instante dão “três dias”, ou “cinco dias”, para o presidente da República e os seus ministros fazerem isso e aquilo. Atendem a qualquer exigência que os partidos de esquerda lhes apresentam, por mais fútil que seja, para atacar o governo. “Interferência?” Que conversa e essa?

Alega-se, também, que o governador do Amazonas — o estado brasileiro onde o Covidão roubou mais que em qualquer outro — está sendo investigado pela polícia, e se fosse ouvido na CPI poderia incriminar a si mesmo. É chicana jurídica de baixa qualidade. Um administrador minimamente honesto não teria problema nenhum em responder a qualquer pergunta, na CPI ou onde for. Se não fez nada de errado, por que está se escondendo? Quanto à possibilidade de “incriminação”, estamos diante de uma piada vulgar. Não é exatamente esse o propósito declarado dos donos da CPI — incriminar os adversários?

Desde o seu primeiro dia, essa CPI tem sido um espetáculo inédito, mesmo para os padrões de safadeza da vida política brasileira, em matéria de hipocrisia, de desrespeito ao público e de desonestidade em estado bruto. Como definir esta aglomeração, quando o presidente da CPI é um político desse mesmíssimo Amazonas, envolvido nas piores denúncias de roubalheira na área da saúde? Sua própria mulher foi presa, pelo mesmo motivo; seus três irmãos também foram presos, também por ladroagem e também na saúde. Dizer mais o quê?

É óbvio que o STF está agindo e vai agir como aliado vital dessa gente. Faz todo o sentido que seja assim. Sua missão, seu objetivo e seus interesses são os mesmos — governar o país sem a necessidade de ganhar eleições . Vão fazer qualquer coisa para continuar assim.


domingo, 13 de junho de 2021

Dica - Saiba como identificar e prevenir doenças do trato urinário

 Segundo pesquisa do Congresso Brasileiro de Urologia, as taxas de incidência dos sintomas relacionados ao trato urinário, entre os brasileiros, já chegaram ao nível de epidemia.  

O que acontece no corpo

Os rins estão em atividade constante ao longo do dia, assim como a produção da urina. Conforme a filtragem dos líquidos vai acontecendo, a urina caminha pelo ureter e enche a bexiga. A musculatura que envolve o reservatório, começa a contrair, mandando sinais ao cérebro de que já está em sua capacidade máxima e então, a necessidade de ir ao banheiro se torna física.

Condições mais comuns:

1. Incontinência urinaria de urgência: (espasmos ou contrações na bexiga e com eventuais vazamentos de urina antes de a pessoa conseguir chegar ao banheiro.)

2. Bexiga Hiperativa: (os músculos comprimem a bexiga muitas vezes, mesmo sem um acúmulo considerável de líquido)

Só a urgência de querer ir ao banheiro vira um incômodo no cotidiano, afetando a qualidade de vida. Os números mostram que apesar de afetar principalmente mulheres, os homens não saem ilesos.

 Confira algumas dicas!

Ingestão de líquidos X Incontinência urinaria

Apesar de parecer lógico, cortar líquidos não é uma boa solução para este tipo de problema. Beber pouca água, leva a desidratação, afetando o funcionamento de alguns órgãos e a urina fica muito concentrada, o que pode causar irritação da bexiga.

Encontre o equilíbrio

Hidrate-se
Varia de pessoa para pessoa, mas em geral o recomendado é beber em torno de 2 litros de água por dia.

Escolha uma boa opção de líquido

Evite bebidas diuréticas, como café ou cerveja e pensando em qualidade, procure reduzir o consumo de bebidas com açúcar e gás. A água é sempre umaboa escolha.

Ouça seu corpo!

A sede é o sinal de que seu corpo precisa de água.

Diminua a ingestão antes de dormir

Pode ajudar a reduzir algumas das viagens noturnas ao banheiro.


Diário de micção

O controle diário pode te ajudar a rastrear a relação entre o que você come e bebe e a incontinência.

sábado, 12 de junho de 2021

Inter, um clube tremendo...

Por Facundo Cerúleo


E eis que uma revolução estourou no Beira-Rio... Com todos os vícios cabulosos de qualquer revolução...

Os movimentos revolucionários têm um roteiro: destruir tudo que havia antes; submeter todo mundo ao pensamento de um grupelho; discurso exaltado para justificar o injustificável; em vez de respeitar os fatos, adequar a realidade às convicções revolucionárias.

Isso tem consequências, claro, da pior espécie: cenário de destruição; perda de recursos por gestão temerária; empobrecimen Inter, um clube tremendo...to; verdades oficiais e desrespeito a quem pensa diferente;  desânimo generalizado ante a perspectiva de um futuro catastrófico.

E será diferente o que está acontecendo com o Internacional?

Sócio colorado, com mandato parlamentar, Bibo Nunes está furioso e aponta o uso abusivo do clube como palanque eleitoral.


Para marcar os 15 anos do campeonato mundial (conquistado em 2006), os revolucionários, liderados pelo socialista Alessandro Barcellos, criaram um kit promocional de lançamento da camisa branca do clube.

Só que, na embalagem do kit, meteram a estrelinha do PT. É mole?

Bibo lembra que Alessandro Barcellos já foi assessor de vários políticos petistas e até já foi candidato a deputado com aquela gente...

Parte da torcida entende que a turma do presidente Alessandro Barcellos quer fazer da "glória do desporto nacional" um reduto socialista.

Isso pode, Arnaldo? Usar o clube para fins ideológicos?


Um torcedor descarregou sua raiva contra o comitê central, que pegou o Inter em alta e inventou uma crise: "Vá pra Cuba que o pariu!"

Se a direção não respeitar aqueles que, na torcida, são de centro e de direita (que, somados, são maioria) e se não mudar de rumo (o que é mais do que trocar treinador), o atual vice-campeão brasileiro poderá cair para a segundona... De cofres raspados! Na maior pindaíba!

Para decifrar o que está acontecendo por lá, valem as palavras de uma senhora que, na faculdade, nos mandaram odiar:

"O problema do socialismo é que você, no fim das contas, esgota o dinheiro... dos outros", (Margaret Thatcher).


Acordo Carrefour e MPE do RS

Acordo ratifica ações nas áreas de educação, empreendedorismo e em projetos socioculturais com a finalidade de contribuir para o combate ao racismo no Brasil e promover a equidade

Porto Alegre, 11 de junho de 2021 – O Grupo Carrefour Brasil fechou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública do Estado do Rio Grande Do Sul, Defensoria Pública da União e as entidades Educafro e Centro Santo Dias. 

Através deste Termo, o Grupo reafirma seu compromisso irrevogável de lutar contra o racismo e de atuar como um agente de transformação da sociedade. Passados poucos mais de seis meses do ocorrido, além da celebração do acordo, o Grupo já indenizou todos os membros da família da vítima, reformulou o modelo de segurança nas lojas e vem colocando em prática os demais compromissos assumidos publicamente desde novembro para combater o racismo e promover a equidade.

As ações já iniciadas pelo Grupo Carrefour Brasil e confirmadas pelo acordo têm como foco a promoção da educação, por meio de bolsas de educação e qualificação profissional, o empreendedorismo de pessoas negras e o desenvolvimento de projetos socioculturais, com a finalidade de combater o racismo estrutural no Brasil. Todas as iniciativas serão amplamente divulgadas e verificadas por uma auditoria externa.

O acordo estabelecido tem vigência de três anos e prevê o investimento de R$ 115 milhões.

“O Termo assinado não reduz a perda irreparável de uma vida, mas é mais uma medida tomada com o objetivo de ajudar a evitar que novas tragédias se repitam. Com este novo passo, o Grupo Carrefour Brasil reforça sua postura antirracista, ampliando sua política de enfrentamento à discriminação e à violência, bem como da promoção dos direitos humanos em todas as suas lojas”, afirma Noël Prioux, presidente do Grupo Carrefour Brasil. 


As iniciativas confirmadas pelo TAC

Um dos destaques são as ações voltadas para educação. Boa parte do recurso financeiro será destinado à concessão de bolsas de estudos para pessoas negras, de nível superior e de pós-graduação. Haverá ainda bolsas voltadas para a aprendizagem de idiomas, inovação e tecnologia, com foco na formação de jovens profissionais para o mercado de trabalho. Ao todo serão mais de 10 mil bolsas.  “Entendemos ser necessário o investimento em bolsas de estudos com a finalidade de gerar mais oportunidades e aumentar a empregabilidade das pessoas negras”, afirma Cristiane Lacerda, diretora de Desenvolvimento Humano do Grupo.  

O plano de ações conta também com a promoção do empreendedorismo entre pessoas negras e aceleração de empresas. Há ainda a implementação de política de Tolerância Zero, treinamento contínuo de todos os profissionais que atuam no Grupo Carrefour Brasil em relação ao letramento racial e ao combate de todo o tipo de discriminação e violência, bem como o fortalecimento do canal de denúncias. Todas as três ações já em implementação na Companhia.

Outro compromisso ainda destaca a necessidade de se contratar pessoas negras, sendo 30 mil no período de três anos, a fim de contribuir para o quadro de diversidade racial da Companhia. Vale destacar que hoje 64% dos profissionais do Grupo Carrefour Brasil se declaram negros ou pardos. O Grupo também terá um programa de estágio e de trainees voltados para negras e negros e ainda pretende acelerar a carreira de 300 profissionais negros e negras que já atuam na companhia, como forma de contribuir para que eles ascendam à liderança.

Na parte de segurança, o Grupo optou por internalizar a segurança interna, também chamada de agentes de prevenção. Foram mais de 600 profissionais contratados, que se destacam por representar a diversidade da população brasileira quanto ao gênero e raça. Eles serão continuamente treinados com foco em acolher o cliente e proporcionar a melhor experiência nas lojas do Grupo.

A elaboração das ações, principalmente aquelas já colocadas em prática, contou com o suporte do Comitê de Diversidade Externo Independente, que assessora o Grupo Carrefour Brasil desde novembro. 

Combater o racismo é um tema que precisa ser prioridade de todos e o Grupo Carrefour Brasil quer atuar neste contexto como um agente de transformação da sociedade. Para ter acesso à integra do Termo de Ajustamento de Conduta, bem como acompanhar os compromissos assumidos pelo Grupo Carrefour Brasil, acesse o site Não Vamos Esquecer, que reúne todas as ações e avanços da empresa na luta do combate ao racismo: https://naovamosesquecer.com.br/.