domingo, 13 de junho de 2021

Dica - Saiba como identificar e prevenir doenças do trato urinário

 Segundo pesquisa do Congresso Brasileiro de Urologia, as taxas de incidência dos sintomas relacionados ao trato urinário, entre os brasileiros, já chegaram ao nível de epidemia.  

O que acontece no corpo

Os rins estão em atividade constante ao longo do dia, assim como a produção da urina. Conforme a filtragem dos líquidos vai acontecendo, a urina caminha pelo ureter e enche a bexiga. A musculatura que envolve o reservatório, começa a contrair, mandando sinais ao cérebro de que já está em sua capacidade máxima e então, a necessidade de ir ao banheiro se torna física.

Condições mais comuns:

1. Incontinência urinaria de urgência: (espasmos ou contrações na bexiga e com eventuais vazamentos de urina antes de a pessoa conseguir chegar ao banheiro.)

2. Bexiga Hiperativa: (os músculos comprimem a bexiga muitas vezes, mesmo sem um acúmulo considerável de líquido)

Só a urgência de querer ir ao banheiro vira um incômodo no cotidiano, afetando a qualidade de vida. Os números mostram que apesar de afetar principalmente mulheres, os homens não saem ilesos.

 Confira algumas dicas!

Ingestão de líquidos X Incontinência urinaria

Apesar de parecer lógico, cortar líquidos não é uma boa solução para este tipo de problema. Beber pouca água, leva a desidratação, afetando o funcionamento de alguns órgãos e a urina fica muito concentrada, o que pode causar irritação da bexiga.

Encontre o equilíbrio

Hidrate-se
Varia de pessoa para pessoa, mas em geral o recomendado é beber em torno de 2 litros de água por dia.

Escolha uma boa opção de líquido

Evite bebidas diuréticas, como café ou cerveja e pensando em qualidade, procure reduzir o consumo de bebidas com açúcar e gás. A água é sempre umaboa escolha.

Ouça seu corpo!

A sede é o sinal de que seu corpo precisa de água.

Diminua a ingestão antes de dormir

Pode ajudar a reduzir algumas das viagens noturnas ao banheiro.


Diário de micção

O controle diário pode te ajudar a rastrear a relação entre o que você come e bebe e a incontinência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário