terça-feira, 19 de junho de 2018

Intervenção militar

A partir de um ponto, só a democracia é capaz de regular uma sociedade.

Afora a proclamação da República, os militares (na prática, os comandantes do Exército) intervieram na política por cinco vezes.
Em 1945, para depor o Getúlio Vargas ditador que até então haviam sustentado. Em 1954, para exigir a saída de Vargas, desta vez eleito pelo voto, quando se revelou que o atentado contra o líder da oposição na imprensa (no qual morreu um oficial da Aeronáutica) fora preparado nos bastidores do palácio presidencial.
No ano seguinte, o então ministro da Guerra desfechou um golpe sui generis, dito preventivo ou legalista, destinado a garantir a posse do presidente recém-eleito, Juscelino Kubitschek. Em 1961, em face da renúncia de Jânio Quadros, os generais vetaram a posse do vice João Goulart, afinal admitida graças ao arranjo parlamentarista, que mitigou seus poderes e seria revertido por plebiscito em 1963.
Essas intromissões foram resultado da alta voltagem ideológica que percorria as sociedades num mundo dividido em dois sistemas e duas potências que terceirizavam seu conflito para países pobres, convertidos em ditaduras de direita ou de esquerda conforme o lado vitorioso.
O súbito acesso ao poder, em Cuba, de revolucionários que a hostilidade americana empurrou nos braços soviéticos, criou o que para a esquerda seria um paradigma, e para a direita, uma paranoia.
Em meados de 1963, Goulart começou a perder o controle de sua base de apoio sindical e parlamentar, que se radicalizava. Camponeses eram treinados como guerrilheiros para fazer a reforma agrária “na lei ou marra”.
Os dois lados se preparavam para a violência; pensava-se que o presidente daria o golpe ou seria vitima de um. Mas foi preciso que fuzileiros e sargentos, amotinados em sovietes contra seus superiores, recebessem perdão presidencial para que os generais se resolvessem a intervir. E desta vez para exercer um poder brutal por 20 anos.
No aforismo que o tornou famoso, Claus Von Clausewitz disse que a guerra é continuação da política por outros meios; o mesmo se diga das ditaduras. Uma facção política, para se impor aos adversários, submete a sociedade inteira a uma feroz restrição de direitos. Aos horrores evidentes da ditadura-os assassinatos e as torturas, as baixezas estimuladas pelo medo e pela boçalidade imperante-vêm somar-se seus efeitos degradantes na autoestima de um povo que não se autogoverna.
Qual o saldo desse longo período (1964-85)? Modernização industrial e da infraestrutura, que de fato ocorreu, e crescimento econômico (média anual de 6%) são seus melhores álibis. O avanço se devia mais, porém, ao estágio formativo do país do que ao regime de governo: nos 20 anos anteriores, em plena democracia populista, o crescimento anual havia sido 7%. Enquanto isso, na ditadura a disparidade social aumentou e a remuneração do trabalho foi arrochada (o salário mínimo perdeu 25% do valor real).
Um dos piores resultados desencadeados pela industrialização a toque de caixa foi à explosão urbana que resultou nas periferias das grandes cidades, quase sempre mal planejadas e abandonadas pelo Estado à mercê do crime organizado. Outro foi o impacto ambiental exercido não apenas por megaprojetos causadores de ampla devastação, mas pela mentalidade de ocupação predatória.
Difícil saber se a corrupção era menor que hoje; era com certeza menos investigada. E pairam dois crimes nefandos, nunca reconhecidos pelo Exército como deveriam: a tortura e o assassinato como método de repressão e a perseguição violenta movida contra guerrilheiros que pretendiam instalar sua própria ditadura de esquerda no país, decerto, mas também contra opositores pacíficos, comunistas, cristãos e até liberais.
A causa imediata do fim da ditadura foi à catastrófica recessão de 1981-3, provocada pela disparada nos preços do petróleo. Mas sua erosão foi um processo “lento, seguro e gradual”, como general-presidente Geisel definiu a descompressão por ele iniciada quase dez anos antes, em 1974.
 Foi na trabalhosa maturação dessa “abertura” que se consolidou, nas camadas politizadas, a profunda consciência democrática, expressa num pacto não escrito de não violência, hoje posta sob desafio.
Há um momento em que a trama das relações econômicas e sociais se torna complexa demais para caber na lógica simplória da caserna, há um ponto em que a democracia passa a ser o único sistema capaz de regular uma sociedade atravessada por incontáveis interesses contraditórios.
Uma intervenção militar demandaria, além de condições históricas que hoje não parecem presentes, uma sociedade mais simples, mais rudimentar e primitiva, que já desapareceu entre nós há várias décadas.

6 comentários:

  1. 1. Texto acima c/ boas colocações a respeito do passado. 2. Para atual tempo presente dá de considerar que TODOS os "presidenciáveis" que aparecem nas pesquisas NÃO DEVEM ser eleitos. 3. Então surge a questão "onde estaria o brasileiro que o país NECESSITARIA"? 4. Reparar que tal questão nunca houve por ocasião de cada uma das cinco intervenções militares. 5. Portanto NECESSARIAMENTE não haverá solução fora da democracia por pleito/TSE. 6. Mas há urgências pendentes: a) quem seriam os cidadãos que escolheriam/indicariam o brasileiro NECESSÁRIO?; b) quais os requisitos levados em conta na escolha/designação pró NECESSIDADES? 7. Daí a pergunta que não quer calar: “Quanta coesão NECESSARIAMENTE os segmentos da sociedade assumiriam em prol das NECESSIDADES a serem levadas a cabo na construção/instalação dum NECESSÁRIO?”.

    ResponderExcluir
  2. Análise profundamente tendenciosa. Faltou mencionar que éramos a quadragésima terceira economia do planeta e nos tornamos a oitava. Corrupção? Qual governante militar morreu rico? E as obras de infraestrutura que foram realizadas? E os mais de 45 mil kilometros que foram asfaltados? E as grandes hidroelétricas? E as indústrias aeronáutica e naval? E o Pró-alcool, Telebrás, Nuclebrás, Eletrobrás etc. A chamada democracia instalada depois de 1985, só promoveu bandidos à presidência, talvez, com uma única exceção. Faltou mencionar que nesse último período, o Congresso só tratou de legislar em causa própria, ficando o interesse público apenas como pretexto para se enganar um povo facilmente manipulável. O regime militar, sem dúvida, extrapolou no autoritarismo e executou militantes, porém, a dita democracia mata muito mais através da corrupção. Intervenção militar não é regime para se institucionalizar, mas remédio para os males que vivemos nessa nação que tirou as esperanças da maioria dos brasileiros de viver com um mínimo de harmonia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atenção PRFerreira. 1. A partir de 01/04/1964 ninguém imaginava nada além do dia "em curso", da semana "em curso", do mês "em curso". 2. Todos os construídos/formulados/recompostos no período 1964-1984 não eram considerados no transcurso dos anos 1964, 65, 66, 67, 68... 3. O Regime Militar durou muito para o pouco que fez ou seja o Regime Militar fez muito pouco pelo longo tempo que durou. 4. Dá de considerar que a Carta Magna/1988 é CULPA do Regime Militar envenenado pela LENTIDÃO e GRADUALISMO. 5. Em populesco: "os milicos dormiram no ponto".

      Excluir
    2. Sempre houve e haverão erros crassos na conduta de um país que prioriza o "ócio" ao trabalho, a aparência ao conteúdo e o "emprego com direitos" ao empreendimento auto sustentável. Somos uma nação de "macunaímas" e por isso NADA / NUNCA dará certo aqui. Enquanto não aprendermos a ser civilizados e coerentes fazendo o que pretendemos exigir dos outros NÃO SEREMOS NADA!!!

      Excluir
  3. Se cuide frias... com jornalzinho comunista faturando bilhões de dólares na bolsa em NY vai ter que se explicar muito...onde arranjou tantos capitalistas para financiar um jornal comunista ?????

    ResponderExcluir