sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Artigo, Marcelo Aiquel - Mais um debate na TV


         Desta vez foi na Band. E, novamente (há anos é assim) o mesmo “blábláblá“ do Alkmin. Até parece que ele estava no debate de 2006, quando concorreu pelo PSDB..., pois o discurso é rigorosamente o mesmo.
         Já o Ciro Gomes “vestiu” uma fantasia de tranquilo e educado, bem ao contrário do que ele realmente é. E ainda fez uma promessa totalmente demagoga: “ajudar” os 63 milhões de devedores a sair do SPC. Ele repetiu que “iria zerar as dívidas destes milhões de brasileiros”. Promessa vazia e populista.
         A Marina Silva continua o mesmo “ET” de sempre. Não sabe nem o que está fazendo ali.
         O Álvaro Dias fala, fala, mas não convence. Além disso, precisa de uma operação plástica urgente.
         Os nanicos não merecem um mísero comentário. Raivosos como o tal de Boulus, ou despreparados como o Cabo Daciolo (?).
         E os que não compareceram, só perderam pontos.
         Sobrou aquele que, de tanto assustar aos outros, foi pouco perguntado.
         Mesmo assim, sempre que teve oportunidade, mostrou porque é o líder da corrida presidencial. Bem objetivo, não fugiu de nenhum tema.
         Jair Bolsonaro está preparadíssimo, e as acusações que lhe fazem, não passam de fake news, sem qualquer prova evidente.
         É o velho “assassinato de reputação”!





2 comentários:

  1. a verdade é precisamos um XOC no sistema ,nós precisamos da uma chance por BOLSANARO por ter essa
    energia de se contrapor , a esse a um jogo viciado do
    TOMA LA , e o que reforça convicção é a EQUIPE DELE , que tem elementos qualificados ,de alto nível se diferenciando do MAIS do MESMO.....

    ResponderExcluir
  2. Discordo do articulista. Era partidário de Bolsonaro mas depois dos dois debates fiquei descrente do candidato. Mostrou completa ignorância em Economia, apresentou muito pouco do seu programa, e pior, mostrou limitada lucidez. A única esperança que mantive no candidato , é que ele possa, de fato, em razão da sua propensão ao radicalismo, promover uma reforma profunda no nosso sistema institucional, contando principalmente com uma ação das FFAA. Se é que elas ainda podem operar.

    ResponderExcluir