segunda-feira, 31 de julho de 2017

Taxa de desemprego cai em junho com o avanço da ocupação informal

Os dados da Pnad Contínua referentes a junho apontaram para continuidade do processo de ajuste do mercado de trabalho. A taxa de desemprego caiu, impulsionada pelo crescimento do emprego por conta própria e do emprego informal. A ocupação formal, no entanto, caiu novamente no mês em linha com o indicado pelos dados do Caged. A taxa de desemprego foi de 13,0 % nos três meses encerrados em junho, segundo os dados da PNAD Contínua divulgados hoje pelo IBGE. Descontada a sazonalidade, a taxa recuou 0,2 p.p. ante a leitura anterior. Na comparação interanual, contudo, houve elevação de 1,7 pontos percentuais. A população ocupada reduziu seu ritmo de queda, ao recuar 0,6% na comparação interanual, ante retração de 1,3% verificada em abril. Em relação ao mês anterior, a ocupação cresceu 0,4% ante alta de 0,2% no mês anterior. A População Economicamente Ativa (PEA) cresceu 0,2%, depois de ter subido 0,1% na leitura anterior. Na comparação interanual, o crescimento da PEA passou de 1,1% para 1,3%. A intensificação da queda do emprego formal foi compensada pelo crescimento do emprego por conta própria. De fato, nos últimos três meses, a ocupação por conta própria subiu 4,3% em termos anualizados e o emprego informal, 5,4%. Vale dizer que esses tipos de emprego representam cerca de um terço da ocupação total. Por outro lado, a ocupação formal caiu 3,7% na mesma comparação. O rendimento médio nominal ficou praticamente estável entre maio e junho, ao passar de uma alta interanual de 6,4% para outra de 6,7% enquanto o rendimento médio real habitual alcançou R$ 2.104 em junho, o correspondente a uma elevação interanual de 3,0%. Apesar desse resultado mais positivo em junho, esperamos que mercado de trabalho continuará fraco nos próximos meses, com o aumento da taxa de desemprego. Esperamos, porém, moderação desse ajuste ao longo dos próximos meses, com a estabilização gradual da ocupação que, por sua vez, responde de forma defasada à recuperação da economia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário