terça-feira, 14 de novembro de 2017

Artigo, Tito Guarniere - As elites contra a reforma trabalhista

Artigo, Tito Guarniere - As elites contra a reforma trabalhista
Já está em vigor a reforma trabalhista. Digam o que quiserem a respeito do governo de Michel Temer, mas ninguém lhe tirará este mérito: desengessar as relações de trabalho, oxigená-las, dar-lhes um ar contemporâneo, arquivar velharias inaceitáveis como é o caso do imposto sindical.
Não há um único direito dos trabalhadores que tenha sido revogado. Quando dirigentes sindicais e políticos afirmam que a reforma é um "retrocesso social" estão apenas mentindo, e com a maior cara de pau. Não se deram conta de que chegou ao fim uma época, virou-se uma página que parecia imutável e teimava em não virar.
E quem impediu de virar? Políticos que precisam convalidar a narrativa de que são defensores da classe trabalhadora e que toda a mudança é para retirar "garantias e direitos sociais"; dirigentes de sindicatos, que se eternizam na atividade sindical, vivendo do dinheiro público (imposto sindical) fazendo dela um emprego e uma carreira, não raro legada para seus parentes e descendentes; intelectuais e estudiosos da academia, obtusos, incapazes de observar que o mundo gira, que mudanças (no mercado de trabalho) acontecem ao redor e pelo mundo afora, quer queiramos ou não, quer gostemos ou não, e que a vida pulsa mais forte do que vontades, desejos e concepções político-ideológicas; juízes e procuradores do Ministério Público do Trabalho, cheios de razões e soberba, que têm a si mesmos como superiores moralmente e qualificados tecnicamente para arbitrar os conflitos no mundo do trabalho, e que o fazem nos termos de sua particular concepção de mundo.
Todas estas elites - que são elites porque pertencem em sua esmagadora maioria ao bloco privilegiado dos 5% mais ricos da população - estiveram, ao longo da vida, com a mente enevoada de conceituações equivocadas para os interesses do Brasil e da classe trabalhadora.
A primeira delas é a desconfiança básica, às vezes o verdadeiro horror, que devotam ao empreendedor, ao investidor, ao dono de empresa, que para aquelas elites são exploradores contumazes, predadores sociais, que só querem enriquecer e sugar o sangue de seus empregados.
A segunda, a de que o trabalhador é um sujeito relativamente incapaz, que, portanto, deve ser protegido da sanha dos empregadores maldosos. Por quem? Pelo Estado, o ente estatal, que detém todo o poder e a varinha mágica de toda a proteção.
E terceira, que todas as políticas sociais e as regulações trabalhistas devem se destinar para os que já estão no mercado de trabalho, ignorando o vastíssimo e perturbador universo dos 12 milhões de desempregados brasileiros. São capazes de ver no detalhe fino os direitos do trabalhador de carteira assinada, mas de nada sabem nem raciocinam sobre a causa e efeito, entre as leis trabalhistas e o maior ou menor ingresso no mercado de trabalho. Para aquelas elites, desempregados não lhe dizem respeito.
A reforma trabalhista de Temer inverte essas lógicas perversas, abala os alicerces de conceituações falsas, e provoca um admirável salto de qualidade nas relações de trabalho, beneficiando empregados e empregadores.


titoguarniere@terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário