quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Análise, equipe de economistas do Bradesco - Retomada cíclica da economia vem em ritmo moderado

Nesta análise divulgada hoje pela equipe de economistas do Bradesco, fica claro que a retomada cíclica da economia vem se confirmando, mas em ritmo ainda moderado.

Leia (e estude) tudo com atenção:

Os dados de atividade corroboram um cenário de retomada consistente, mas ainda bastante gradual da economia. O comércio permanece como o setor líder da retomada, enquanto a indústria e o setor de serviços se estabilizam e ensaiam um início de expansão. Com os indicadores antecedentes de novembro e dezembro já conhecidos, projetamos crescimento de 0,2% da economia no 4º trimestre. Esse ritmo de expansão é ligeiramente inferior ao que imaginávamos há alguns meses e coloca um sutil viés de baixa para nossa projeção de 2,8% de crescimento em 2018. Os dados preliminares de vendas de Natal, por exemplo, sugerem uma alta entre 3% e 5%, bastante alinhada com a alta da massa real de salários, de 2,6%. Como a renda real não deve ter novo impulso marginal vindo de surpresas de desinflação, esse vetor terá menos peso ao longo de 2018. Com isso, o consumo ficará mais dependente da alta do emprego, que deve se dar em ritmo gradual, sustentando expansão de consumo moderada em 2018. 
Outro vetor que deve suportar a retomada da economia é a maior disponibilidade de crédito que deve fluir para economia. O estoque de crédito pessoa física se expandiu 5,8% nos últimos 12 meses, enquanto ainda há contração de 8,4% do estoque de crédito para pessoa jurídica na mesma base de comparação. Vale dizer que as modalidades de crédito com melhores garantias apresentam queda nas taxas de juros mais intensas do que as observadas para as modalidades com garantias mais frágeis, ou sem garantias.
Do lado mais positivo dos estímulos que podem impulsionar a economia em 2018 há a queda da taxa básica de juros. Os dados recentes de inflação, a alta contida do salário mínimo, a melhora do regime de chuvas e a comunicação do Banco Central deixam aberta a possibilidade de que os juros caiam até abaixo de nossa projeção de 6,75%. Os dados correntes de inflação voltaram a surpreender para baixo em novembro e dezembro e, com isso, o IPCA deve fechar 2017 ao redor de 2,7%, abaixo portanto do piso da meta de inflação, de 3,0%. A manutenção de níveis de inflação baixos por um período mais prolongado de tempo (está abaixo de 3,5% há mais de seis meses) tende a fazer com que a inércia da inflação também seja menor.
Indústria
O Indicador Agregado da Indústria subiu em dezembro e atingiu 53,4 pontos, um ponto acima da média histórica. A média dos resultados desde outubro sugerem crescimento de 0,4% do PIB no quarto trimestre. A projeção oficial do Depec, considerando todas as variáveis, é de alta de 0,2%, isto implica crescimento de 1,1% para o PIB de 2017.
Os destaques do mês foram pedidos em carteira, produção e NUCI. Os pedidos em carteira subiram 0,9 no mês, atingiram 53 pontos, se aproximando da média histórica de 53,8 pontos. O patamar de dezembro é o mais alto desde set/13. A produção também se recuperou no mês, com alta de 0,7 ponto, para 54,6 – também próximo da média histórica (54,8 pontos). Esse também é o resultado mais elevado desde o final de 2013. Ainda chamou a atenção o comportamento do NUCI, que subiu 0,5 ponto no mês, para 52,4 (média histórica: 53,8). O comportamento dos indicadores em dezembro sugerem que a desaceleração observada em novembro deve ter refletido antecipação de pedidos para a “Black Friday”. Assim, esperamos que o setor continue com desempenho positivo nos meses à frente. A confiança dos empresários do setor, em nível mais alto desde jan/11, corrobora essa leitura.
Em dezembro, os destaques setoriais da indústria foram: metalurgia básica, veículos e fumo. Considerando o indicador agregado de atividade de cada setor, estes foram os setores que apresentaram melhor desempenho no período, situando-se 2,3; 2,0 e 2,0 pontos acima das respectivas médias históricas. Esses setores já vem apresentando resultados melhores há alguns meses.
Comércio
O Indicador Agregado do Comércio caiu 1,2 ponto em dezembro e chegou a 51,9 pontos, um ponto abaixo da média histórica. A média dos indicadores desde outubro sugere que o consumo das famílias ficaria praticamente estável no período, em comparação com o trimestre anterior – quando o consumo mostrou forte crescimento (1,2%). Os dados reforçam a leitura de que o consumo continua dinâmico. A confiança, o aumento das concessões de crédito, a redução dos juros e a inflação baixa, devem continuar incentivando o consumo. 
A dinâmica do índice agregado foi puxada pelos indicadores de encomendas, enquanto as vendas e estoques recuaram. O indicador de encomendas caiu 2,7 pontos, para 52,1 pontos (média histórica: 54,1). A queda nesse indicador, pode indicar que houve antecipação para a “Black Friday” em novembro, movimento semelhante ao observado na indústria no mês passado. O indicador de vendas, por sua vez, recuou 0,8 ponto no mês, para 53,7 pontos (média histórica: 56,4). Mesmo assim, os estoques recuaram 2 pontos no mês, para 51,5, devolvendo toda a alta do mês anterior.
Em dezembro, os destaques setoriais do comércio foram: equipamentos de informática, outros artigos de uso pessoal e artigos farmacêuticos. Considerando o indicador agregado de atividade de cada setor, esses setores se situaram 0,4 e 0,3 ponto acima de sua média histórica. Os artigos farmacêuticos, que já vinham sendo destaque entre os menos dinâmicos, ficaram 1,9 ponto abaixo de sua média histórica.
Construção Civil
O Indicador Agregado da Construção Civil subiu 1,8 ponto em dezembro, para 50,5, maior patamar desde agosto/14. Assim, o indicador se aproxima da sua média histórica, de 51,2 pontos. A média dos resultados desde outubro sugere recuo de aproximadamente 2% do PIB de construção civil no 4º trimestre, quando comparado com o trimestre anterior. O setor continua sendo o menos dinâmicos entre as nossas Pesquisas, mas vem mostrando resultados melhores nos últimos meses.
Os destaques do mês foram a melhora no ambiente de negócios, procura de clientes por empreendimentos e número de empreendimentos lançados. O ambiente de negócios melhorou 3,3 pontos, para 46,1 pontos. Ainda que continue abaixo da média histórica (51,9 pontos), esse é o melhor nível do indicador desde o final de 2014. A procura de clientes por empreendimentos também melhorou 3,3 pontos, para 54,9 - permanecendo acima da média histórica (51,1 pontos). O resultado é o melhor desde maio de 2013. Ainda vale destacar o aumento no indicador de número de empreendimentos lançados, de 2,7, para 51,5 pontos, acima da média histórica (51,4 pontos). Alguns sinais de recuperação vem sendo observados nos últimos meses, mesmo que o ritmo de retomada seja mais lento do que observado nos outros setores.
Essa recuperação é puxada por incorporação residencial e construção residencial. Considerando o indicador agregado de atividade, a  incorporação residencial ficou 0,2 ponto acima de sua média histórica, enquanto a construção residencial ficou 0,3 ponto abaixo da média – estava mais distante nos meses anteriores. Vale notar que a parte residencial vem apresentando melhora já há alguns meses e já se posiciona no quadrante mais dinâmico. 
Serviços
O Indicador Agregado de Serviços subiu 0,6 ponto,  para 50,9 pontos em dezembro. Com isso, o índice seguiu abaixo da sua média histórica (52,3 pontos), indicando atividade ainda moderada no setor. Esse patamar sugere PIB de serviços ligeiramente negativo no quarto trimestre, quando comparado com o trimestre passado. Apesar do setor permanecer com atividade modesta, também vemos alguns sinais de melhora quando comparados aos últimos trimestres, com ritmo lento de retomada.
Os destaques do mês foram a melhora da demanda e do ambiente de negócios. O indicador de demanda por serviços subiu 0,9 ponto no mês, para 50,8 pontos. Ainda que abaixo da média histórica (51,6), esse é o melhor patamar desde agosto/14. O ambiente de negócios também registrou melhora no mês, de 0,6 ponto, para 52,3 pontos. Também abaixo da média histórica (54,9 pontos), é o melhor resultado desde 2014. Assim, a confiança dos empresários do setor continua melhorando e está no patamar mais elevado desde dezembro/13, em 69,4 pontos (média histórica: 67,9).
Nesse mês, o destaque setorial ficou para outras atividades de serviços e atividades imobiliárias. Considerando o índice agregado de atividade, esses setores ficaram 0,5 e -0,1 distantes de suas médias históricas. Esses também são os setores com melhor desempenho mensal no indicador de demanda, em que estão 0,7 e 0,2 ponto acima de suas médias históricas.
Caso não queira mais receber as publicações do DEPEC Bradesco, envie uma mensagem para:

"cadastrodepec@infobradesco.com.br"

Nenhum comentário:

Postar um comentário