terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Artigo, Tito Guarniere - Narrativas mentirosas do PT

Das muitas práticas viciosas do PT talvez a mais abominável seja a mentira. Desde muito tempo o partido se especializou em fraudar os fatos, vesti-los com novas roupagens, exagerar sobre os seus próprios méritos, e nos adversários, inflar seus erros e defeitos.

Na semana passada, dois exemplos clássicos dessa verdadeira compulsão. A Petrobras teve de celebrar um acordo bilionário, de pagar uma multa de U$ 2,9 bilhões de dólares a investidores americanos que se sentiram lesados pelo esquema de corrupção na estatal brasileira, revelado na Operação Lava Jato. A ação foi encerrada pelo acordo. Se fosse até o fim o prejuízo poderia chegar aos U$ 10 bilhões, até U$ 15 bilhões.

O PT, como é do seu estilo, saiu atirando, dizendo que o acordo era prejudicial aos interesses da companhia, e que era parte da (eterna) conspiração para privatizar a estatal brasileira.

O golpe é meio vulgar, mas sempre há otários que acreditam. A indenização foi paga por causa das estripulias que os governos petistas fizeram na Petrobras, nos seus 13 anos de governo. Mas a pronta reação dos petistas foi dizer que a atual direção da Petrobras está gastando dinheiro à toa e que os corvos da privatização estão à espreita e nunca desistem. O PT, mesmo tendo governado o país de 2003 a 2016, nada tem a ver com isso. Como lembrou Merval Pereira, de O Globo, o partido que quase botou abaixo a Petrobras, por má gestão e roubalheira, correu à frente gritando: “Pega ladrão!”.

Ao longo dos anos do lulopetismo todos nós nos cansamos de ouvir que, por engenho e arte dos governos populares e democráticos, a pobreza teria sido extirpada do Brasil. Pois agora vem o IBGE e nos dá conta de uma outra realidade: em 2016 nada menos do que 52 milhões de brasileiros estavam na corda bamba, na linha da pobreza, com um rendimento médio de R$ 400 por mês. E dentro desses, existiam mais de 13 milhões de compatrícios em situação de pobreza extrema, com um ganho mensal de R$ 135.

Esses milhões de brasileiros pobres e miseráveis são os mesmos que com eles, e graças a eles, Lula, Dilma e o PT, haviam encontrado a redenção. Segundo os petistas, é por causa desses milhões que Lula sofre uma implacável marcação da Polícia Federal, do Ministério Público e da Justiça Federal. Na narrativa, que é de todas a mais fantasiosa e mais calhorda, tudo isso não passa da reação raivosa das “elites” (que eles nunca explicitam quem são) contra a melhoria da vida desses contingentes desvalidos da população. As tais elites são tão rancorosas que babam de raiva quando avistam pobres viajando de avião.

Agora, Lula está para enfrentar o julgamento no dia 24 de janeiro em Porto Alegre. Os lulopetistas estão de prontidão e de faca na bota. Convocam os militantes, mobilizam as forças, mostram as garras e ameaçam com uma convulsão. Têm a ilusão de que vão ganhar no grito.

Bem que gostariam de uma absolvição ou ao menos um voto a favor de Lula. Mas o que eles querem mesmo é dar sequência à narrativa, à lenda de que, se condenação houver, será por causa dos favores e benesses que Lula distribuiu, pelo bem que ele fez ao povo e ao Brasil.

titoguarniere@terra.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário