sexta-feira, 13 de abril de 2018

Estado menor, mas grande no resultado


Estado menor, mas grande no resultado

POR JOSUÉ BARBOSA - SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, GOVERNANÇA E GESTÃO

Todo o processo de contratação da Fipe foi conduzido por servidores e acompanhado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e a Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage), respondendo aos trâmites legais.
Na atual conjuntura econômica, não há margem financeira para arcar com custos de órgãos e atividades que podem facilmente ser absorvidos por secretarias ou ficar a cargo de parceiros privados sob a tutela do Estado.
Nesse contexto, as atribuições da FEE passam a ser desempenhadas pela Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, que já conta com o Departamento de Economia e Estatística (DEE).
A mudança faz parte de um plano de modernização da máquina pública. É a chave para um futuro economicamente seguro e sustentável da administração pública estadual. Estamos empenhados em deixar para trás a cultura do poder onipotente, que pode tudo e, ainda assim, não funciona. O que adianta ser grande na estrutura e pequeno no resultado?
O Plano de Modernização do Estado é mais do que necessário. É emergencial. O que propomos é a inversão da realidade de insuficiência. Queremos deixar no passado um Estado que trabalha para sustentar a si, enquanto a população precisa do básico e não tem.
O Poder Executivo estadual tornou-se refém do seu próprio custeio. Todos sofrem com isso. O servidor, que recebe com atraso; as prefeituras, que têm o repasse incerto; o cidadão, que não percebe em eficiência o imposto que paga.
Para mais segurança, saúde, educação, infraestrutura e política social, necessitamos de um novo Estado, que só surgirá com uma nova cultura política e administrativa. Propomos a esperança que o amanhã precisa. Mas a mudança só será realmente eficaz se for consistente e tiver continuidade. O Rio Grande já compreende isso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário