segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Passo Fundo na rota de um esquema bilionário de roubo na exportação de insumos e máquinas agrícolas para a Venezuela


Procuradores da República do RS receberam doTribunal Federal da Suíça extratos de contas e documentos de operações que podem ser o elo entre as propinas pagas por empresas brasileiras para a estatal venezuelana PDVSA e a alta cúpula corrupta Chavista.

Isto é o que informa o site Imprensa Livre, que publica extensa reportagem sobre o caso.

Leia tudo:

A decisão de enviar os documentos para procuradores da República do RS, responsáveis por iniciar as investigações, foi tomada dia 24 de outubro e tornada pública recentemente.
Na orgiem do esquema criminoso estava a PDVSA Agrícola, braço gigante do setor de petróleo que expandiu sua atuação para outros setores da economia durante a presidência do corruptoHugo Chaves. Foi revelado que dirigentes corruptos chavistas usaram um esquema no Brasil para desviar mais de R$ 80 milhões e parte desses recursos acabaram em contas secretas na Suíça.
O esquema criminoso envolvia a exportação de insumos e máquinas agrícolas superfaturados para a Venezuela. A diferença de valores foi parar no bolso de diretores de estatais venezuelanas e alimentou pelos menos quatro empresas offshore. A suspeita, porém, é de que a operação no setor agrícola seja apenas uma pequena parcela de um esquema mais amplo de corrupção daPSDVSA no Brasil, inclusive com construtoras nacionais.
Um dos envolvidos nesse esquema entre as empresas brasileiras e a PDVSA é o operador Osvaldo Basteri Rodrigues. Seria ele também quem cobraria as propinas que, em seguida, eram distribuídas à chefia da estatal. Os detalhes de suas contas na Suíça estarão à disposição dos procuradores gaúchos, que poderão examinar quem pagou e para onde foi o dinheiro da propina.
Investigadores do escândalo confirmaram que a Odebrecht  (sempre ela) foi uma das empresas citadas como tendo sido procurado pelo operador Rodrigues.
O processo começou em 2004, quando a Receita Federal suspeitou de um rápido crescimento de uma empresa de Passo Fundo (RS). Entre 2010 e 2011, a receita da América Trading aumentou deR$ 13 milhões (número do PT) para R$ 251 milhões com “exportação” de produtos agrícolas para a ditadura da Venezuela.
Segundo a PF, a América Trading havia conseguido um contrato para fornecer insumos agrícolas para a estatal venezuelana no valor de US$ 320 milhões (mais de 1 bilhão de reais). Cabia à empresa brasileira comprar máquinas no mercado doméstico, exportar para a Venezuela. Em Caracas, quem recebia a mercadoria e a repassava para a estatal bolivariana era a Tracto América.
As robustas investigações revelaram que o dono da América Trading era sócio oculto da Tracto América, em Caracas. Com detalhes de pagamentos,  a cooperação entre Brasil e Suiça começou em setembro de 2017, quando a Procuradoria da República do Rio Grande do Sul pediu ajuda aos suíços.
O endereço da América Trading Ltda., em Passo Fundo: Rua Teixeira Soares, nº 1075 – Sala 901 – Condomínio Tamandaré – Centro – Passo Fundo-RS.
O Operador Osvaldo Basteri Rodrigues consta como sócio, dono  ou administrador de duas empresas: Intersugar Consultoria Ltda –  CNPJ: 07.844.621/0001-29 – Av. das Nações Unidas, nº 14.401 – 27º andar – Sala 2715 – Vila Gertrudes – São Paulo/SP – Capital Social: 1.000,00
Intersugar Importação e Exportação Ltda – CNPJ: 19.701.736/0001-15 – Av. das Nações Unidas, nº 14.401 – 27º andar – Sala 2715 – Vila Gertrudes – São Paulo/SP – Capital Social: 750.000,00

Nenhum comentário:

Postar um comentário