quarta-feira, 11 de abril de 2018

A esquerda no divã

- Advogado 

Relativamente ao que se denomina de “campo da esquerda” está caracterizada uma desorientação e desarticulação ideológica. Fica clara a necessidade de reconstrução de objetivos e discursos. Para muito além do atual e juvenil “mimimi conspiratório”.
      Desde o escândalo do “mensalão” ficara evidente a necessidade de uma séria e profunda autocrítica. Porém, especialmente nas esferas diretivas petistas a tese da autocrítica não prosperou. Predominou e permaneceu o entendimento de que a realização de uma autocrítica significaria legitimar e fortalecer o discurso dos adversários.
      Mas a necessidade de uma autocrítica não seria apenas porque surgiram sinais e casos de corrupção governamental, mas também em relação aos rumos e as opções de gestão.
      Um balanço de erros e acertos. Especialmente relacionado ao fato de que os acordos políticos de Lula – com várias correntes conservadoras e retrógadas - despolitizaram os conflitos sociais em sua essência e demanda.
      Um exemplo grave e inesquecível foi a saída do ex-governador  Olívio Dutra do Ministério da Cidades. Fora substituído por Márcio Fortes(PP-RJ), indicado e recomendado pelo então presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE). Severino, lembra? Renunciou devido a atos de corrupção!
      Nada mais simbólico e negativo acerca do espectro e caráter dos acordos firmados por Lula. Evidentemente, ninguém ousou desafiar o chefe. Nem no PT, nem nos demais partidos aliados e de esquerda.
      O projeto eleitoral “Lulinha paz e amor” - e seu “pacto de governabilidade” -  fraudou as expectativas de mudanças profundas e conseqüentes nas estruturas sociais da nação.
      Com medidas populistas e “mesadas” aos dirigentes partidários e  parlamentares, a gastança estatal resultou em enriquecimento dos que já eram ricos e corrupção generalizada (vide petrolão e empreiteiras). A tentativa “de perpetuação no poder e ideologização de tudo” foi catastrófica.
      Outro ingrediente que comprometeu socialmente as gestões petistas foi a relação com o MST. O que na origem era (e ainda é) uma séria demanda social, se transformou num lastimável e inaceitável aparelho de perturbação da ordem e destruição do patrimônio alheio, o sempre disponível e inimputável “exército de Stédile”.
      Nada mais despolitizante e incentivador de uma onda conservadora do que dar respaldo a inconseqüentes agitadores. Um fato que ninguém na esfera petista e governamental ousou colocar em debate e eventual reprovação.   
      Depois de concessões político-ideológicas, populismo e messianismo, o que resta como discurso para esta autodenominada esquerda? O que foi e quem é o responsável pelo crescimento da atual onda conservadora?
      Não à toa históricos e atuantes nomes da esquerda se afastaram desde os primeiros escândalos. Afinal, a história rotineiramente ensina, alerta e faz ver.  Mas precisa querer ver!

Nenhum comentário:

Postar um comentário