domingo, 12 de julho de 2020

À espera da indústria

Não são apenas os consumidores e comerciantes que esperam, ansiosos, pela retomada das atividades econômicas neste momento.

O setor elétrico aguarda, agoniado, que o país volte ao normal. Se há quase 20 anos o fantasma era o risco de desabastecimento no fornecimento, hoje o problema é a queda de consumo e aumento da inadimplência por causa da crise.

Os números são sombrios. A inadimplência, segundo a Abradee, está em torno de 15% a 20%, ante patamares de 4% pré-pandemia. Já o nível de consumo caiu 11% durante a fase de isolamento social.

Para minimizar danos, o governo agiu e aprovou, por intermédio do BNDES, um empréstimo robusto de R$ 16,1 bilhões (leia), com juros de mercado e prazo para quitação em até 60 meses.
Por que, então, a ansiedade das empresas? Porque elas dependem da recuperação não apenas do comércio, mas sobretudo da grande consumidora, a indústria.

É esta, que luta lentamente para retomar a produção, quem poderá diminuir a depressão no setor de energia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário