domingo, 12 de julho de 2020

Artigo, Renata Bravo, diretora Jurídica, FSB - Novo normal da advocacia

A reflexão sobre a mudança da forma do advogado trabalhar já existia.
A tecnologia em algum momento iria sobrepor a categoria, processos seriam automatizados e os advogados que não estivessem atentos se tornariam obsoletos e substituídos por máquinas e robôs.
Aí veio a pandemia e o profissional tão acostumado a enxergar a vulnerabilidade de seus clientes, se viu mais vulnerável que nunca.
Advogados tiveram que trancar seus escritórios e abrir a porta de casa para continuar trabalhando. O terno e a gravata deixaram de fazer sentido. As salas de reunião, tão bem projetadas, ficaram vazias.
A mudança, que seria liderada pela tecnologia, passou a ser liderada pelo desconhecido e para o desconhecido não há plano de contingência.
Mas a demanda pelo trabalho continuou.
O debate da matéria jurídica em si se tornou protagonista.
A relação de confiança entre advogado e cliente teve que se fortalecer diante de um cenário de tanta insegurança.
A pandemia vai acabar, mas vai deixar um legado de mudanças de valores.
E o advogado terá que se ressignificar

Um comentário:

  1. TODOS TEMOS QUE NOS RESSIGNIFICAR,SEMPRE,O TEMPO TODO, AGORA MAIS DO QUE NUNCA E EM VELOCIDADE CADA VEZ MAIOR.

    É POSSÍVEL QUE PRECISEMOS DOS "APENDICES TECNOLÓGICOS" QUE ESTÃO SENDO DESENVOLVIDOS PELA SPACE X , INTERFACE CÉREBRO MÁQUINA,PARA QUE POSSAMOS DAR CONTA DO RECADO;MEMÓRIAS ANEXAS CEREBRO DE ALTA VELOCIDADE E CAPACIDADE,PROCESSADORES AUXILIARES,COMPUTAÇÃO QUANTICA, ETC,...

    QUEM MANDOU SAIR DA CAVERNA?

    ResponderExcluir