terça-feira, 26 de julho de 2022

Inflação do IPCA-15

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), prévia do índice oficial de inflação do Brasil, subiu 0,13% em julho na comparação mensal, com junho, mas desacelerou para 11,39% na comparação anual, com julho de 2021.


É a menor variação mensal do IPCA-15 desde junho de 2020, durante a primeira onda da pandemia (quando ficou em 0,02%). Em julho do ano passado a taxa foi de 0,72%, o que fez a alta em 12 meses desacelerar de 12,04% em junho para 11,39% agora.


Os dados divulgados nesta terça-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ficaram levemente abaixo da expectativa do mercado, que era de alta de 0,17% na base mensal e de 11,41% na anual, segundo o consenso Refinitiv.


A inflação desacelerou puxada por transportes (-1,08%) e habitação (-0,78%), que segundo o IBGE contribuíram conjuntamente com uma redução de 0,36 ponto percentual no IPCA-15 de junho. A deflação nos 2 grupos foi puxada pelo recuo nos preços dos combustíveis (-4,88%), em particular da gasolina (-5,01%) e do etanol (-8,16%), e da energia elétrica residencial (-4,61%).


Mas 6 dos 9 grupos pesquisados tiveram alta de preços, incluindo alimentação e bebidas (+1,16%) e vestuário (+1,39%), e no ano o indicador já acumula alta de 5,79% (acima do teto da meta do Banco Central para a inflação do ano inteiro, que é de 5%). O destaque negativo foi o leite longa vida, que subiu 22,27% no mês, foi responsável pelo maior impacto no indicador (0,18 p.p.) e já acumula alta de 57,42% no ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário