quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Astor Wartchow - Brasil “à venezuela”

- Advogado, RS
       
      Populismo, messianismo, ufanismo, demagogia e irresponsabilidade fiscal não são práticas recentes. Alternados ou concomitantes, são fatos que se repetiram em outras nações.
      Em comum, entretanto, a história universal demonstra e ensina que o desfecho é sempre o mesmo. Descontrole e déficit orçamentário, inflação, desemprego e, principalmente, antagonismo social.
      Neste sentido, é surpreendente que ainda ocorra a repetição destas experimentações político-ideológicas inconseqüentes e irresponsáveis.
      No processo de ascensão e permanência no poder, tais governantes enfatizam seu discurso pelo divisionismo social, inventando e apregoando conflitos regionais, étnicos, sociais e profissionais (o conhecidíssimo “nós contra eles!”).
      Na mesma toada, alimentam a retórica do nacionalismo e do patriotismo ao afirmar que estariam ameaçados os bens naturais e comerciais da nação pelo capitalismo interno e o imperialismo internacional.
      Evidentemente, é um discurso fértil em nação que tenha agudas diferenças socioeconômicas a superar, e, sobretudo, cujo povo nutre sentimentos de baixa-autoestima, reflexo de precárias escolaridade, produtividade e segurança social. 
      É o que está ocorrendo, neste momento, no Brasil. E nem tanto pelas superáveis questões econômico-financeiras, mas sobretudo pela semeadura do divisionismo e antagonismo social.
      A irresponsabilidade de governantes e parlamentares ora acusados policial e judicialmente transborda perigosamente para o conjunto de seus admiradores.
      Como se fosse possível classificar alguém como um bom ladrão, ou, então, à moda “Ademar de Barros”, rouba, mas faz. Simplesmente patético e desanimador.
      Considero o momento nacional de extrema gravidade. E não apenas pelo transbordar e reprodução de frases de efeito que pretendem deslegitimizar todo o sistema policial, jurídico e constitucional.
      Sobretudo ao observar o elenco e o currículo de alguns destacados e qualificados opinadores nas redes sociais que repetem argumentos econômicos, jurídicos e ideológicos em tons incompatíveis com sua formação técnica. É assustador e preocupante.  
      Mas admitamos os fatos atuais como passageiros e emocionalmente contaminados, ou seja, passivos de “cura” em médio prazo. Ainda assim, advém uma preocupação mais acentuada, qual seja: 

      Entre os atuais e apregoados candidatos a presidência da república, qual deles tem realmente algo significativo a oferecer aos brasileiros, num momento em que mais do que nunca precisamos de esperança, otimismo, qualificação, confiança, pacificação e, principalmente, integridade ética e honrosa?  

2 comentários: