sábado, 18 de agosto de 2018

Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre, diz El País


Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre
Eles contrariam o estereótipo atribuído pelos críticos e fogem das 'fake news'. O EL PAÍS mergulhou no fenômeno de adesão ao candidato de extrema direita a partir da pesquisa de duas antropólogas

EL PAIS    - NAIRA HOFMEISTER

Cássio Martins tem 18 anos e quer que a lei do morro onde ele vive, ditada pelos donos do tráfico, valha também para o “asfalto”. Assim, ele não vai mais precisar esconder o celular sempre que sair dos limites do Morro da Cruz, vila na periferia de Porto Alegre que tem um dos piores Índices de Desenvolvimento Humano da capital do Rio Grande do Sul, mas ond ele se sente confortável para ouvir música e checar o Facebook no telefone sem medo de ser roubado. Essa é a justificativa principal para dar o primeiro voto de sua vida para Jair Bolsonaro (PSL), o controverso candidato à presidência da República que promete rigor com a criminalidade.
Também são os problemas com a segurança que levam Anriel do Prado Neves, 24, a optar pela candidatura de extrema direita do parlamentar e capitão do Exército reformado. Sua convicção é tanta que até colou um adesivo com a cara do candidato na traseira do automóvel que dirige para um aplicativo de transporte. “Sei que tem gente que dá nota ruim por isso, mas tudo bem”, se resigna. Ele já foi assaltado duas vezes quando era taxista, mas o que preocupa mesmo Anriel é o tráfico e a guerra com a polícia. “Dos meus 30 amigos de infância, só sobraram dois. Os outros todos morreram, foram executados”, lamenta. No Morro da Cruz, metade das mortes de jovens entre 15 e 29 anos é por homicídio.
Para ambos, o perfil “linha dura” do militar, que promete endurecimento da legislação penal e a revisão do estatuto do desarmamento, poderia ajudar a solucionar os problemas.
Os dois estão na faixa etária em que Bolsonaro se destaca nas pesquisas eleitorais: entre os 16 e os 35 anos. Mas, à exceção de serem jovens, Cássio, Anriel e vários outros entrevistados pelo EL PAÍS no Morro da Cruz pouco têm em comum com o perfil que institutos de pesquisa desenham dos possíveis eleitores do presidenciável do PSL: eles não são os mais escolarizados (chegaram ao ensino médio), nem ricos e tampouco estão no Norte e Centro-Oeste do país. Também não se enquadram no estereótipo que os críticos do candidato dizem ter seus eleitores: são gente de fala branda, que defende opiniões com serenidade e argumentação, busca informações na imprensa e é, inclusive, capaz de discordar das propostas mais radicais de Bolsonaro.
Anriel, por exemplo, fica “com um pé atrás” sobre a ideia de liberar o porte de armas para a população. Ele tem medo que discussões bobas de trânsito terminem em tragédia se alguém estiver com um revólver na cintura. Por outro lado, a redução da maioridade penal não é um problema. “Aqui, gurizada de 13 anos mata sem dó”, exemplifica. Cássio, por sua vez, gosta da ideia de estar “no mesmo nível” de um potencial assaltante para sentir-se protegido e toparia ter uma arma. Mas confessa que o alerta do pai, sobre o radicalismo de Bolsonaro, o deixa intrigado: “Ele tem receio de que se não conseguir fazer o que pretende, possa dar um golpe ou coisa parecida”, revela.
Anriel tem perfil mais liberal: admira o ex-prefeito e candidato a governador de São Paulo João Doria (PSDB) e faz discurso contra a burocracia para empreendedores. Mas tem consciência da profunda desigualdade brasileira e acha que ampliar oportunidades aos mais pobres é tarefa do Estado. Quando faz corridas para estudantes (ele detesta pegar passageiros das humanas na federal do Rio Grande do Sul), nota diferenças: “Se eu pego corrida na UFRGS é só Assunção, Menino Deus, bairros finos. Mas se é nas faculdades privadas, o destino é Restinga, Pinheiro, só periferia”. Por isso, embora contrário a cotas raciais, ele é simpático à reserva de vagas públicas a quem tem baixa renda.
A pesquisa
A complexidade do pensamento desses jovens eleitores de Bolsonaro e a disponibilidade que eles têm para o debate de propostas chamou a atenção de duas antropólogas que pesquisam juventude, consumo e política no Morro da Cruz há quase uma década e que desenvolvem agora uma nova fase do trabalho que só termina depois das eleições. Foi acompanhando o trabalho de campo de Rosana Pinheiro-Machado e Lucia Mury Scalco que a reportagem do EL PAÍS esteve no local numa sexta-feira de agosto. “Eles não são fascistas, pelo contrário, tem argumentos para defender sua posição”, observa Rosana.
De fato, tanto Anriel como Cássio se sentem incomodados com os rótulos costumeiramente a eles atribuídos quando revelam ser potenciais eleitores do militar da reserva. “Me dizem que sou lixo, mas isso não descreve como sou. Eu não vou discriminar outra pessoa só porque gosta da Dilma ou do Temer”, queixa-se Cássio.
Anriel também se ressente das frequentes investidas de adversários: “Me chamam de racista. Justo eu, que namoro uma negra… e ela discorda da minha posição, é contra o Bolsonaro”, argumenta, confirmando, aliás, outro dos achados das pesquisadoras.
Em grupos focais que vem realizando em escolas, as antropólogas Lucia e Rosana perceberam que o voto em Bolsonaro é também uma questão de gênero. “As meninas são muito articuladas na crítica ao machismo que o candidato demonstra”, assevera Rosana. A convicção delas era tanta que foi preciso criar um grupo exclusivamente masculino para que os rapazes se sentissem à vontade para declarar seu voto, o que as pesquisadoras também interpretam como uma reação ao feminismo crescente.
A namorada de Cássio faz campanha abertamente contra o capitão reformado, mas para ele o candidato não parece preconceituoso e suas opiniões mais polêmicas soam mais como galhofa: “Dizem que Bolsonaro é racista, machista e homofóbico, mas acho que estão distorcendo. Uma pessoa assim não é legal e ele não parece ser alguém ruim”, analisa.
Ao mesmo tempo, ele é crítico ao ataque de Bolsonaro à deputada federal Maria do Rosário (PT). Em duas ocasiões, o presidenciável do PSL disse que não estupraria sua colega na Câmara Federal porque ela “é feia” e “não merece”. Bolsonaro já foi condenado no Superior Tribunal de Justiça por essa agressão, e ainda responde a outro processo, em andamento no Supremo Tribunal Federal. “Totalmente desrespeitoso”, condena Cássio.


Nenhum comentário:

Postar um comentário