domingo, 31 de março de 2019

Artigo, Fábio Jacques - Direita ou esquerda ?

A declaração do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo na qual afirma que nazismo e fascismo foram regimes de esquerda provocou um frenesi nas hostes esquerdistas não só do Brasil como do mundo.
Os argumentos de especialistas contra esta afirmação, como o embaixador alemão Georg Witschel, Peter Carrier pesquisador da UNESCO sobre o holocausto, ou Ruth Ben-Ghiat se baseiam principalmente no antagonismo de Hitler contra o comunismo, apesar de que até a invasão da Rússia pela Alemanha (operação Barbarossa), Rússia e Alemanha foram aliadas, parceria consolidada no pacto Molotov-Ribbentrop. Inclusive, ainda que muita gente ignore, a segunda guerra mundial começou com a invasão da Polônia pela Alemanha no dia primeiro de setembro de 1939 e pela Rússia no dia 17 do mesmo mês. Em 1945 a Polônia foi libertada dos alemães pelas tropas russas o que fez a população polonesa simbolicamente pular da frigideira para o fogo.
Hitler foi realmente contra o comunismo na Alemanha, o que não significa que seu regime também não fosse de esquerda. Dentro do próprio comunismo russo houve linhas ideológicas diferentes haja vista o assassinato de Trotsky a mando de Stalin assim como as várias reescritas da história a cada novo governo soviético quando até as fotos dos ditadores anteriores foram apagadas para que não fossem mais lembrados.
O que é direita e o que é esquerda? Qual a diferença fundamental entre estes dois regimes?
Minhas leituras na mídia têm me dito que direita é tudo aquilo que não é esquerda. Este raciocínio é semelhante à falácia de dizer que tudo o que não for vermelho é verde e que existe apenas um vermelho enquanto qualquer pessoa instruída sabe que os comprimentos de onda que nossos olhos percebem como vermelho variam entre 625 e 740 nanômetros, ou seja, uma gama bastante ampla.
Vamos, na internet, tentar encontrar alguma definição que diferencie claramente a esquerda da direita.
Direita:
Defende a liberdade de mercado, as liberdades individuais e os valores tradicionais. Sua filosofia é conservadora. O papel do Estado é de respeito aos direitos individuais com pouca intervenção na economia. Economicamente defende a diminuição de impostos e gastos públicos e menos poder do Estado sobre       o mercado.
Esquerda:
Defende a igualdade entre os cidadãos e os direitos das minorias. Sua filosofia é liberal. O papel do Estado é garantir a igualdade de oportunidades a todos os cidadãos. Economicamente defende programas sociais e políticas públicas, impostos pagos de acordo com a renda e regulamentação do Estado sobre o mercado.
Frente a estas duas definições fica difícil afirmar que nazismo e fascismo tenham sido regimes de extrema-direita e que os regimes de Cuba ou Venezuela sejam de esquerda.
Tanto o nazismo e o fascismo como o comunismo foram regimes ditatoriais os quais dificilmente poderiam se enquadrar em qualquer dos modelos teóricos de direita e esquerda acima elencados.
Thomas Morus na sua obra prima “Utopia”, cria uma ilha (dizem que sua inspiração foi o arquipélago brasileiro de Fernando de Noronha) na qual havia igualdade total entre as pessoas seja em termos de oportunidades como em termos de riqueza. Sem posses individuais todos seriam iguais e todos colaborariam pelo bem comum. O nome já diz que se trata de utopia porque as pessoas são diferentes entre si em miríades de aspectos sendo que a igualdade imposta desestimula qualquer senso de iniciativa levando sempre à nivelação por baixo. Quem não tem habilidades especiais ou firme vontade de fazer por si, nada faz porque tem certeza de que receberá o que precisa do Estado e quem for curioso, criativo ou empreendedor deixa estiolar estas suas características porque nenhum benefício lhes proporcionarão.
Cuba e Venezuela nivelaram sua população por baixo. O mesmo ocorreu na Rússia, na China ou em qualquer outro país comunista. Mas mesmo nestes países a natureza humana não foi suficientemente suplantada sendo que no momento da abertura para a livre iniciativa tanto na Rússia como na China surgiram como que do nada grandes empreendedores cujas habilidades se mantiveram por décadas latentes ou foram aplicadas em negócios escusos à margem da lei.
Me parece que o grande problema em aceitar que nazismo e fascismo foram de esquerda não está no reconhecimento da essência de sua ideologia e sim na necessidade de desdizer tudo o que sempre foi dito pela esquerda sobre estes regimes. Como os esquerdistas vão assimilar a ideia de que aqueles tachados por eles de extrema-direita na verdade foram de esquerda? Como vão aceitar que o holocausto foi perpetrado pela esquerda? Este sapo é grande demais pra ser engolido sem entalar na garganta.
Fica mais fácil gritar e espernear contra e simplesmente dividir o espectro político em vermelho e verde. Tudo o que não é vermelho é verde e tudo o que não é esquerda (independente de suas nuances), é direita, e ponto final.
Assim fica fácil argumentar.
O autor é diretor da FJacques - Gestão através de Ideias Atratoras, Porto Alegre, e autor do livro “Quando a empresa se torna Azul – O poder das grandes Ideias”.
www.fjacques.com.br -  fabio@fjacques.com.br

2 comentários:

  1. Gostaria de perguntar tanto ao Chanceler se ele considera a "Galinha Pintadinha" de esquerda ou de direita...
    E aqueles brasileiros que curtem a vida é não estão nem aí ?...
    São de direita ou de esquerda?...
    Se esquerda é tudo que não gosta de mim e direita é toda a turma que vai se locupletar comigo quando o governo não for do PT...
    E direita são todos que não gostam de mim e esquerda são todos que vão se locupletar comigo quando o PT ou algo parecido estiver no poder...
    Então restará aos democratas ( que costumam ser aqueles que constroem e honram este país e o Estado de Direito) se unirem aos alienados e mandarem para o inferno este bando de ladrões que históricamente se locupletam utilizando um texto para lá de mequetrefe como escudo , destruindo valores , a vida de pessoas honradas e impedindo o Brasil de ser uma grande nação...

    ResponderExcluir
  2. Hanna Harendt explica muito bem! não há diferença se examinarmos o fato de que ambos são TOTALITARISTAS;Por outro lado, HITLER necessitava da riqueza da URSS, achando que o próprio povo russo o apoiaria...não fosse a indústria EEUU e seu apoio logístico teria sido uma barbada para os alemães. Na minha opinião ambos não passam de regimes TOTALITARISTAS!

    ResponderExcluir