segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Tentando entender o discurso.


Mesmo tendo passado mais de uma semana das eleições de 28 de outubro, a gritaria por parte da esquerda continua ululante como se a campanha ainda não tivesse acabado.
A nomeação do juiz Sérgio Moro incendiou mais uma vez o discurso da esquerda que agora afirma que Bolsonaro só ganhou porque Moro mandou prender Lula. Livre, Lula ganharia no primeiro turno. Com certeza.
Em 2014 Lula disse que quando votassem no 13, apareceria a foto da Dilma no lugar da dele.
Dilma, o poste ganhou as eleições naquele ano.
Em 2018, todo o primeiro turno o PT ficou proclamando “Lula é Haddad e Haddad é Lula” e as pesquisas apontando vitória no primeiro turno se o candidato fosse o Lula e no segundo, com certeza, mesmo sendo o Haddad.
No imaginário petista, sendo um representante oficial de Lula, Haddad ganharia fácil no primeiro turno, ou, na pior das hipóteses, no segundo, especialmente por ter como adversário o Bolsonaro, candidato com o maior índice de rejeição principalmente entre as ditas minorias raciais, sexuais e geográficas.
Então tudo eclipsou.
Bolsonaro não proclamou apoio a nenhum candidato a governador exceto os do PSL o mesmo ocorrendo com os candidatos às eleições proporcionais tanto federais como estaduais, mas inúmeros candidatos de outros partidos proclamaram seu apoio ao Bolsonaro chegando ao ponto de os dois concorrentes do segundo turno em alguns estados dizerem-se bolsonaristas. E aqueles que ligaram seus nomes ao do Bolsonaro tiveram votações surpreendentes e até mesmo arrasadoras.
Por outro lado, Haddad suspendeu as visitas que, religiosamente, fazia às segundas-feiras à Curitiba para tomar a benção do Lula, trocou as cores de suas propagandas do vermelho para verde e amarelo e ocultou a foto de presidiário.
Aí não entendi mais nada.
Por que será que esconderam suas cores e o próprio Lula se ele seria inevitavelmente eleito até mesmo no primeiro turno?
Terão sido o juiz Sérgio Moro e o WhatsApp os algozes do grande líder, ou será que o grande líder não é mais tão grande quanto as pesquisas tentaram demonstrar e o PT continua a vociferar?
Continuo não entendendo o discurso da esquerda. Será que quiseram perder quando esconderam o Lula ou já haviam se convencido de que a sua grande liderança já era?
Mas a gritaria continua. Durma-se com um barulho desses.

O autor é CEO da Jacques - Gestão através de Ideias Atratoras, Porto Alegre, www.fjacques.com.br. fabio@fjacques.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário