segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

O alerta sobre álcool e trânsito


A nefasta mistura entre bebida e direção se mostra mais fatal nas madrugadas de domingo.

São inquietantes e devem servir de alerta os números sobre a alta relação entre o consumo de álcool e mortes no trânsito no Rio Grande do Sul. O levantamento realizado pelo Detran-RS e o Instituto-Geral de Perícias (IGP), com constatações espantosas, reforça a importância de apertar a fiscalização nas ruas e estradas gaúchas e, principalmente, a necessidade de uma grande campanha de conscientização devido à chegada da época de festas de fim de ano, um período em que a combinação mortal infelizmente costuma estar mais presente, materializando-se em tragédias que poderiam ser evitadas.

O resultado do estudo feito por Detran e IGP deve servir para o planejamento de ações das autoridades para tentar mitigar a carnificina nas vias do Estado
Publicidade

O estudo indicou que 38% dos mortos em acidentes de trânsito no Estado em 2018 tiveram a presença de álcool constatada no sangue. Entre os motoristas, o percentual é ainda maior, de 41,3%. A nefasta mistura entre bebida e direção se mostra mais fatal nas madrugadas de domingo. Neste recorte temporal, 94,7% dos condutores que perderam a vida tinham traços alcoólicos na corrente sanguínea. Os riscos, identificou ainda o levantamento, não são limitados a quem está em um veículo. O cruzamento de dados revela também que 45,9% dos pedestres e 42,5% dos ciclistas mortos em acidentes de trânsito ao longo de 2018 também tinham ingerido álcool. O perigo iminente, portanto, é comum a todos com algum grau de embriaguez que interagem com o trânsito.

Mais do que escancarar em números o tamanho da catástrofe, o resultado vai servir para o planejamento de ações das autoridades para tentar mitigar a carnificina nas vias do Estado. Neste sentido, está correto o presidente do Detran, Enio Bacci, ao ressaltar que iniciativas louváveis como a Balada Segura devem se concentrar nos dias e horários em que são verificadas as maiores incidências dos problemas, como nos finais de semana e durante a madrugada, até o amanhecer. Este ajuste, ressaltou, já está em curso. Assim, é possível inibir de forma mais eficaz a imprudente associação entre álcool e direção, trabalhar a educação diretamente com o público que está exposto nas ruas e, se for o caso, punir e tirar os inconsequentes de circulação, ao menos momentaneamente.

Enquanto o Estado faz a sua parte, o governo Jair Bolsonaro segue condescendente com infratores e teima em afrouxar a fiscalização. De forma prudente, a Justiça, no início do mês, determinou que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) volte a usar radares móveis nas estradas sob sua jurisdição, o que deve acontecer até segunda-feira. No começo da semana, o presidente também declarou que vai vetar mudanças feitas pelo Congresso no projeto em que propôs mudanças no Código Brasileiro de Trânsito. O relator do texto quer alterar trechos que vieram do Executivo, como o que aumenta de 20 para 40 pontos o limite para o motorista ter a carteira de habilitação suspensa. Em matéria de segurança nas estradas, Bolsonaro segue na contramão do bom senso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário