quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Nota do Exército

Nota do Exército


1. O trabalho da equipe das Forças Armadas, particularmente dos representantes do Exército Brasileiro, é eminentemente técnico e realizado de forma coletiva por seus integrantes, além de ser estritamente institucional, como se supõe que devam ser os trabalhos de todas as demais equipes participantes do processo.

 2. A participação de técnicos do Exército na equipe do MD segue rigorosamente as normas e as prerrogativas legais estabelecidas e legitimadas pela própria Resolução do TSE nº 23.673, de 14 de dezembro de 2021, que dispõe sobre os procedimentos de fiscalização e auditoria do sistema eletrônico de votação. Assim, não há interferências das posições pessoais dos integrantes nas tarefas das equipes, sendo o trabalho realizado de forma profissional e isenta.


3. Especificamente em relação ao oficial, cabe destacar que foi selecionado mercê de sua inequívoca capacitação técnico-científica e de seu desempenho profissional.


4. Todavia, após tomar conhecimento das notícias veiculadas, já no final da semana passada, o Exército, como usualmente faz nesses casos, buscou esclarecer os fatos antes de tomar quaisquer providências, eventualmente precipitadas ou infundadas.


5. Baseado em “apuração da imprensa” e de forma unilateral, sem qualquer pedido de esclarecimento ou consulta ao Ministério da Defesa ou ao Exército Brasileiro, o TSE “descredenciou” o militar. Dessa forma, o Exército não indicará substituto e continuará apoiando tecnicamente o MD nos trabalhos julgados pertinentes.


6. O Exército tem consciência de suas atribuições e da isenta competência técnica, da dedicação e do comprometimento de seus profissionais.


7. Por fim, cabe ressaltar que o Exército Brasileiro, Instituição Nacional e Permanente, sempre participou nas ações de Garantia de Votação e Apuração, seja em aspectos de segurança, seja no apoio logístico, particularmente, nos rincões mais distantes do País.

Um comentário:

  1. O COMPORTAMENTO DO TSE ELEITORAL, NO CASO, É DESCABIDO, INJUSTO E, PROFUNDAMENTE, PARCIAL, O QUE TORNA PREOCUPANTE SUA ATUAÇÃO NA CONDUÇÃO DO PROCESSO ELEITORAL QUE SE APROXIMA. COM MINISTROS DESCOMPROMETIDOS COM A ÉTICA E, AVERDADEIRA APURAÇÃO DOS FATOS, SEM TRABALHAR NOS ESCLARECIMENO DOS FATOS ANTES DE PRONUNCIAR-SE OFICIALMENTE, FICA DIFÍCIAL ACREDITAR-MOS QUE O PRÓXIMO PLEITO TRANSCORRERÁ EM PAZ.

    ResponderExcluir