sexta-feira, 15 de junho de 2018

Artigo, Fábio Jacques - Há jurisprudência, sim!

Artigo, Fábio Jacques - Há jurisprudência, sim!
O PT está exigindo que Lula, o presidiário de Curitiba, seja julgado pelo povo. Não aceita o julgamento feito pela justiça brasileira que o condenou até agora, a 12 anos e 1 mês de prisão.
Pode parecer estranha esta exigência, porém houve um julgamento histórico que é lembrado por milhões de pessoas todos os dias e que deve ter criado a jurisprudência hoje requerida pelo PT. O julgamento de Barrabás.
Barrabás tinha sido condenado pelos romanos por insurreição entre vários outros crimes menores. Não consta em seu prontuário, pelo que se saiba, o crime de corrupção, o que seria muito estranho uma vez que não ocupava cargo político de relevância e o país era a província romana da Judeia e não o Brasil.
Por ocasião da páscoa, surgiu para Barrabás uma ótima oportunidade. Era costume o governo romano libertar um prisioneiro a pedido do povo. Como estava sendo julgado um outro judeu conhecido como Jesus, e não tendo o governador da província romana da Judeia, o romano Pôncio Pilatos encontrado crime que o pudesse condenar, ante o clamor do povo que o queria crucificado resolveu usar o costume romano e tentar libertar Jesus a pedido do próprio povo que o acusava. Não deu certo.
Colocado como opção para ser indultado, Barrabás venceu de lavada, e Jesus não conseguiu se livrar da cruz.
Hoje o fato se repete.
De um lado o povo brasileiro flagelado por ações de governos altamente corruptos e ineptos, é colocado como opção ao presidiário de Curitiba para ser libertado.
A nossa páscoa acontecerá em 7 de outubro. Quem o povo escolherá? Libertará a si mesmo livrando-se de vez da escravidão a que está sujeito trabalhando gratuitamente meio ano para sustentar uma máquina absurdamente perversa ou libertará seu maior algoz, o criminoso que instituiu no país um governo cleptocrata de magnitude inimaginável?
O PT clama por Barrabás, seu presidiário de estimação. O que decidirá o povo?
É o momento decisivo para romper os grilhões e dar uma grande guinada rumo a um porvir pelo menos mais decente, de preferência, realmente melhor para todos. Mas há uma parcela da população que continua gritando completamente alienada pedindo sua própria crucificação.
O Calvário está à vista. Ainda há tempo de recuar. O que o povo decidirá? Apenas lavará as mãos ajudando a afundar de vez este pobre país no abismo do bolivarianismo ou resgatará o brio de ser brasileiro e arrancará da pele as sanguessugas que o estão sugando até a última gota de sangue?
Dia 7 de outubro está logo ali. Se formos crucificados neste dia tenhamos a certeza de que não haverá ressurreição por um longo período de tempo. Quem sabe, nunca mais.
Fabio Jacques tem mais de 40 anos de experiência em gestão empresarial. Exerceu cargos de chefia e direção em empresas como ATH Albarus (hoje GKN do Brasil Ltda), Dana Albarus S.A., Calçados Bibi, Viação Hamburguesa e Unidasul, dentre outras. É diretor da FJacques - Gestão através de Ideias 

Um comentário:

  1. Posso compartilhar seu artigo em meu site? www.pastor.escritor@terra.com.br

    ResponderExcluir