segunda-feira, 9 de julho de 2018

Artigo, Marcelo Aiquel - Uma Opera Buffa


         A ópera bufa (buffa em linguagem italiana) ficou conhecida como a ópera cômica, numa época em que a dramaturgia era feita através de espetáculos de ópera.
         Pois, desde então (meados do século XVIII) não se viu nada parecido com a comédia golpista praticada por algumas “inteligências” petistas com o auxílio indispensável de um magistrado pra lá de ideologicamente engajado ao projeto bolivariano, nascido no malfadado Foro de SP.
         E tudo começou com o plano “desesperado” de libertar o ser mais honesto do planeta. O plano parecia perfeito: (i) O “grande carrasco” S. Moro estaria de férias (a qual só deve ter direito quem trabalha, coisa que a petezada desconhece); (ii) no plantão do TRF4 era a vez de um cumpanhero (dos bons!) estar jogando de mão; (iii) na véspera, o Brasil despacharia a Bélgica da Copa; e (iv) no dia seguinte era feriado em SP (o que diminuiria, em muito, a gritaria).
         Mas, a maionese começou a desandar ainda na Rússia: a Bélgica ganhou o jogo e o Brasil dançou!
         Ainda assim, o “plano” parecia bom.
         Só não contavam (os gênios que planejaram tudo) que uma regrinha básica impediria a comédia de dar certo: esta (regrinha básica) ensina – já no primeiro semestre das boas Faculdades de direito – uma coisa chamada hierarquia (coisa que petista desconhece). E que foi solenemente ignorada!
         Tudo bem, isto ainda estava nos “planos”. O que não estava nos “planos” era o fato do juiz Moro fazer um despacho via internet, Ah, não pode, gritaram os petistas golpistas! Como não pode, se o STF tentou fazer até uma sessão virtual inédita, recentemente, para libertar o Luladrão condenado?
         Aí podia?
         Quanta hipocrisia!
         Mas o magistrado cumpanhero ainda insistiu, até que foi literalmente desmoralizado pelo Presidente do TRF4.
         E, o pano caiu, pondo fim a esta comédia dominical.

         O resumo da ópera foi até curioso:
a)     Descobriu-se quem é golpista;
b)    Descobriu-se – pela primeira vez, num ineditismo ímpar – um petista trabalhando, e logo num domingo!
c)     Descobriu-se também, a ignorância jurídica dos petistas
d)    E descobriu-se ainda, quem é quem na nossa esquerda.

         Finalmente, foi noticiada a presença de alguns parlamentares petistas em Curitiba, exigindo a imediata soltura do seu “Sassá Mutema”. Porém, nenhum destes esquerdopatas foi visto – em abril – exigindo a imediata prisão do condenado. Dois pesos e duas medidas...
         Como sempre, a tradicional e inesgotável hipocrisia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário