sábado, 1 de setembro de 2018

Porto Alegre lança programa de saúde inédito no Brasil


Desde ontem, sexta-feira, usuários das 140 Unidades de Saúde do Município já podem contar com um serviço pioneiro no Brasil, feito pelo SUS e voltado à prevenção do câncer de intestino. A prefeitura, pela Secretaria Municipal de Saúde, lançou o programa para rastreamento da doença, que já é o terceiro tipo de câncer que mais mata no Brasil. O lançamento foi feito pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior, na presença do secretário municipal de Saúde, Erno Harzheim, e de autoridades municipais e de instituições médicas, no auditório da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. 

O prefeito Nelson Marchezan Júnior afirmou que o programa representa um avanço na área da saúde pública e disse ter a certeza de que está sendo feito algo científico e estruturado que pode salvar vidas. “Se conseguirmos manter todos esses agentes unidos em prol desse programa, tenho certeza de que a vida de todos nós, 1,5 milhão de porto-alegrenses, mas principalmente dos que mais precisam, será muito melhor”, disse Marchezan.

Os kits com os testes já estão disponíveis nos postos de saúde e são indicados para pessoas entre 60 e 75 anos. Os pacientes poderão realizar o exame de fezes no próprio posto e o resultado sai na hora. Se houver necessidade, o paciente será encaminhado para fazer um rastreamento mais detalhado, com o exame de colonoscopia. A previsão, segundo o médico Ângelo Zambam de Mattos, coordenador do programa, é que nesta primeira etapa sejam feitos 25 mil testes por ano e pelo menos 1.500 colonoscopias. O secretário municipal de Saúde, Erno Harzheim, disse que o serviço gratuito que começa a ser oferecido “é um marco para a saúde pública de Porto Alegre”. 

Estiveram presentes no lançamento o vice-prefeito Gustavo Paim; a vice-reitora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Jenifer Saffi; o pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação da UFCSPA, Airton Stein: a coordenadora do lato sensu Alice Zelmanowicz, o representante do autor da emenda parlamentar que vai custear dois anos de exames, Pedro Feiten; o médico gastroenterologista Ângelo Zambam de Mattos; o diretor-presidente do Sistema de Saúde Vila Nova, Dirceu Dalmolin; o diretor geral do Hospital Restinga e Extremo Sul, Paulo Scolari; o diretor técnico do Grupo Hospitalar Conceição, Mauro Sparta; o presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul,Alfredo Floro Cantalice Neto; o coordenador do TelessaúdeRS-UFRGS Roberto Nunes e o coordenador da Unidade de Endoscopia Digestiva do Hospital Ernesto Dornelles, Guilher Sander.


Nenhum comentário:

Postar um comentário