terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Artigo - Muque não tem idade


Este artigo é de Camila Kosachenco, Folhapress. 

Leia tudo

Estamos vivendo mais. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comprovam que, desde 1940 até 2016, a expectativa de vida dos brasileiros ao nascer cresceu mais de três décadas e, hoje, chega a 75,8 anos. No Rio Grande do Sul, essa estimativa sobe para 77,8. Por conta desse acréscimo, ficamos mais expostos a situações inerentes á velhice. Uma delas, que tem chamado a atenção de especialistas no mundo todo, é a sarcopenia, ou a redução dos músculos, o que compromete a mobilidade e as atividades diárias na terceira idade.
Atualmente, essa condição debilitante afeta mais de 50 milhões de pessoas e pode superar os 200 milhões à medida que o tempo passa – e a expectativa de vida cresce.
Característica fisiológica dos seres humanos, a redução muscular não perdoa.
Atinge todo mundo, mais cedo ou mais tarde, em diferentes graus de intensidade.
A má notícia é que isso começa antes do que esperamos, mas em ritmo bastante lento - o que pode tornar o problema imperceptível.
-Perdemos, em média, cerca de 25% da nossa massa entre a segunda e a sétima décadas de vida. Uns mais, outros menos. Mas é inescapável, vai acontecer com todo mundo – afirma o nutrólogo Nelson Lucif Jr., responsável pelo departamento de geriatria da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).
Embora comece cedo e evolua de maneira gradativa, essa redução começa a pesar mesmo a partir da quinta década de vida, quando a queda muscular fica mais evidente, diz a médica geriatra Carla Schwanke.


Nenhum comentário:

Postar um comentário