quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Retração do IGP-M de novembro indicou alívio de preços aos produtores


Retração do IGP-M de novembro indicou alívio de preços aos produtores
O IGP-M de novembro registrou deflação de 0,49%, conforme divulgado há pouco pela FGV. Esse resultado veio alinhado com a nossa projeção (-0,50%) e abaixo da mediana das expectativas do mercado (-0,45%). Trata-se de um recuo importante comparado à alta de 0,89% registrada no mês anterior. O IPA Agrícola, que registrou  recuo de 2,51%, abaixo dos 0,29% de outubro, foi o principal vetor dessa deflação, com queda generalizada nos produtos de agricultura e pecuária. Destaque para a desaceleração na variação do preço do tomate (de 92,9% para 34,4%). Além disso, com a dinâmica do câmbio mais apreciado e a recente baixa na cotação do petróleo, os preços dos bens industriais também passaram para o campo deflacionário (-0,24%, contra 1,38% no mês anterior), refletindo, principalmente, o recuo no item combustíveis. Com isso, o IPA Industrial, a despeito de ter sido pressionado pelos preços mais elevados do minério de ferro, manteve a tendência de queda observada desde setembro. O núcleo (que exclui indústria extrativa, combustíveis e produtos alimentares), por sua vez, também tem mostrado uma importante desaceleração, influenciado pelos mesmos fatores. Isso indica um significativo alívio aos produtores, uma vez que o repasse de custos ao consumidor esteja demasiadamente moderado, como acompanhado nos resultados do IPCA e também do IPC, que registrou leve alta de 0,07%, contra 0,51% de outubro. No mesmo sentido, o INCC arrefeceu, passando de 0,33% para 0,26% este mês. Acumulado em doze meses, o IGP-M registrou elevação de 9,68% e, para o IGP-DI de novembro, esperamos que o movimento deflacionário se acentue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário