sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Artigo, Bruno Dornelles - A “Nova Era” e os sete dias que chacoalharam a Grande Mídia

O autor é advogado, RS.


Desde o momento em que o Prof. Olavo de Carvalho indicou os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Vélez-Rodriguez (Educação), a mesma Grande Mídia, composta dos já conhecidos conglomerados, passou a ceder espaços e buscar entrevistas com ele. O que não esperavam é o quão humilhante e libertador essa experiência seria, tanto para os próprios conglomerados como para os entrevistadores, totalmente alheios à realidade da maioria que se autodenominou “Povo da Nova Era” (uma “fanfic” humorística inspirada de outra ficção viral, na qual uma petista havia relatado em seu Facebook que seu pai havia lhe ameaçado com uma arma afirmando “é a Nova Era, tá com medo petista safada?”). Assim, o que se viu, muito além de uma entrevista, acabou sendo uma aula de jornalismo e de análise política.

Primeiramente, todos os entrevistadores mostraram-se completamente inaptos a promoverem a entrevista. A maioria afirmava não ter lido um só livro ou artigo do Prof. Olavo, demonstrando a mais absoluta incapacidade de elaborar um simples perfil ou resumo do professor, na medida em que se prestavam a simplesmente elaborá-lo pelos jargões esquerdóides que corriam por suas redações ou, quem sabe, pelas simples impressão imediata de quem sequer teve a mínima boa vontade de usar o seu pouco intelecto para tentar compreender o entrevistado. Seja como for, o resultado já se ensaiava como precário, restando a alguns, como o caso da Veja, recorrer ao coitadismo e ao puxa-saquismo para que ao menos existisse uma entrevista.

Assim, o que se viu, em todos os casos, era justamente o que era esperado: o questionamento de dados sem comprovação de fontes primárias tal como os usos de jargões baixos que tentassem revelar uma espécie de relação de “guru” do Prof. Olavo junto a Jair Bolsonaro, foram respondidos com literais verdades. Estas, combinadas com doses de humor e ironia que desmoralizaram por completo qualquer meio de comunicação que tentasse permanecer com a velha e burra retórica corrente imposta pelo politicamente correto de esquerda. Uma verdadeira aula de bom senso e de leveza em prol da verdade sufocada.

Ao mesmo tempo em que os entrevistadores vomitavam panfletos de senso ideológico, eram também questionados por terem por tanto tempo cometido o crime dos crimes: não terem relatado com uma só linha a existência, a ocorrência e a influência do Foro de São Paulo nas políticas de esquerda da América Latina, o que alguns no passado chegaram ao senso escatológico de denominar “teoria da conspiração”.

O recado foi curto e simples: ou a mídia como um todo passa a estudar e entender a realidade, a verdade mais contingente e óbvia e, sobretudo, a experiência que levou o discurso de esquerda se revelar algo imensamente burro e contraditório, ou seguirá passando vergonha pública. No final das contas, deveriam os jornalistas seguirem um conselho dado pela própria “fanfic” humorística citada no início deste texto: “é melhor ‘jair’ se acostumando”.
  
Bruno Dornelles
Advogado especializado em Direito Tributário e mestre em Direito Público


Nenhum comentário:

Postar um comentário