quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Artigo, Fábio Jacques - João de Deus, o charlatão.


João de Deus, além tarado estuprador, tem sido acusado de charlatanismo.
Longe de mim querer bancar o advogado da figura, mas gostaria de aproveitar o ensejo para fazer algumas considerações sobre charlatanismo.
Não sou expert no assunto e, portanto, minhas considerações podem ser vistas pelos especialistas como uma grande besteira fruto de minhaignorância. Mas, vamos lá.
O que vem a ser, realmente, um charlatão?
Milhares de pessoas, tanto do Brasil como do exterior afirmam terem sido curadas pelo João de Deus. Não é pouca gente.
Não sei se o médium tinha realmente poderes espirituais, mas as pessoas que se curaram, realmente foram curadas por sua influência. Terá sido realmente obra espiritual ou apenas autossugestão?
Todos os dias, pessoas se dizem curadas das mais diversas enfermidades por influência de pastores evangélicos, pais de santo, pajés, xamãsou até mesmo religiosos católicos. Serão todos charlatães? As curas, quando ocorrem,podem ser atribuídas às suas orações ou à imposição das mãos ou apenas seriamfruto de crença ou de atividades psicológicas?
Psicólogos e psiquiatras conseguem curas espetaculares apenas conversando e perguntando, muitas vezes sem a prescrição de qualquer medicamento. Seriam charlatães, também? E os santuários católicos como Lourdes, Fátima ou Caravaggio onde os católicos afirmam a ocorrência de muitos milagres seriam igualmente centros de charlatanismo?
Penso que, se uma pessoa for curada de alguma enfermidade, seja física, espiritual ou mental, não se pode simplesmente desqualificar esta cura em função do agente que a provocou. Teria ocorrido a cura sem a sua interferência?
Até mesmo na medicina ortodoxa, o médico pode prescrever um antibiótico ou aplicar uma vacina, porém estes medicamentos somente surtirão efeito se o organismo no qual forem ministrados reagir por si mesmo contra o agente que lhe provocou ou provocaria a enfermidade.
É o próprio organismo que tem que reagir e lutar contra o mal que o aflige. Os medicamentos, os conselhos ou os rituais de cura, em grande parte das vezes, apenas incentivam o organismo a reagir física ou psicologicamente ao mal e, até mesmo,derrotá-lo.
Como distinguir com precisão ciência, milagre e charlatanismo?
Penso que cura é cura. Charlatanismo seria enganar a pessoa com falsas promessassem que a esperada cura realmente venha aocorrer. Se ocorreu a cura, para mim, não é charlatanismo.
Como escrevi no início, não sou entendido do assunto. Estou apenas bisbilhotando.
Mas, me digam: será que não tenho alguma razão neste raciocínio?

O autor é CEO da Jacques - Gestão através de Ideias Atratoras, Porto Alegre,
www.fjacques.com.br-  fabio@fjacques.com.br

Um comentário: