quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Artigo, Rogério Mendelsky, Correio do Povo - Castelo Branco rebatizada

Depois de um período que pode ter sido de catapora ideológica, uma das principais vias de acesso a Porto Alegre foi rebatizada com o nome do marechal Humberto de Alencar Castello Branco. Por quatro anos a avenida ficou conhecida pela esquerda porto-alegrense como Avenida da Legalidade e da Democracia. E somente pela esquerda, porque a maioria absoluta dos moradores de Porto Alegre continuou se referindo àquela via pública como “a Castello Branco”.
Sinceramente, não lembro os motivos que justificaram a troca dos nomes e nem vale a pena relembrá-los numa rápida pesquisa, pois o que embasou o discurso foi uma biografia deformada de Castello Branco que sequer foi lembrado como um dos heróis da FEB na Segunda Guerra Mundial.  Consta que lhe trataram como “ditador” e a Câmara de Vereadores de Porto Alegre embarcou na conversa, aprovando uma lei considerada ilegal pelo Tribunal de Justiça do RS.
O líder revolução russa de 1917, Wladimir Ilyich Ulyanov ( o velho Lenin), não gostava de esquerdistas e ele dizia ser o esquerdismo  “a doença infantil do comunismo” e como a catapora é uma doença que tem preferência por crianças até dez anos de idade, provavelmente, a maioria votante, afetada por um esquerdismo revisionista , talvez tenha contraído catapora ideológica na hora trocar o nome da avenida.
 Felizmente, o nosso tribunal maior do Estado refez o equívoco e reparou uma injustiça com o ex-presidente Castello Branco devolvendo-lhe a titularidade da avenida que recebe quem chega à nossa Capital.  Porto Alegre já tem homenagens em demasia a terroristas como Carlos Marighella  (rua no Bairro Cascata), Che Guevara (uma praça na Restinga) e Carlos Lamarca (rua no Bairro Agronomia).  Agora chega, pois catapora ideológica se cura com vacinação de doses democráticas. Caso contrário, ainda pode surgir algum projeto de batismo de rua com o nome do coronel Hugo Chavez.

5 comentários:

  1. E o dinheiro público sendo, mais uma vez, rasgado por essas bobagens ideológicas que não levam a nada. O custo disso tudo deveria ser atribuído a quem propôs esta besteira ideológica e não recair sobre o suado imposto pago pelos cidadãos da cidade.

    ResponderExcluir
  2. E O ROGÉRIO MENDELSKI E O POLÍBIO ESQUECERAM-SE DE DIZER O PIOR:
    SOMOS MOTIVO DE CHACOTA E TODO O TIPO DE PIADAS PELO BRASIL AFORA!
    "ENTÃO, GAÚCHO? COMO VAI A AVENIDA DA LEGALIDADE LÁ EM PORTO ALEGRE?" E VOCES ACEITARAM ISSO PASSIVAMENTE?" NOSSA SORTE É QUE NÃO ACEITAMOS. CONTINUAMOS A CHAMÁ-LA DE CASTELO BRANCO. E ELA FICOU CONHECIDA COMO A AVENIDA COMUNISTA DE PORTO ALEGRE!

    ResponderExcluir
  3. Sempre que passava por lá, diziaa meus netos: esta é a av. Castello Branco. Não me conformava com aquela barbaridade.Finalmente as coisas vão voltando ao seu lugar👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir
  4. A Câmara Municipal, com maioria comunista nada tem pra fazer, a não ser dar ou tirar nomes de ruas! Se por ser ditador não deveria ter nome de rua, então tudo o que se refere a Julio de Castilhos deveria ser apagado. Querem um governador mais ditador e eliminador de inimigos do que ele?

    ResponderExcluir
  5. Que tristeza, ler esse artigo e esses comentários. A doença pior não é a "catapora do esquerdismo", mas sim a "amnésia nacional" de que fala o escritor Brnardo Kucinski. Amnésia, sim, voluntária ou n ão. para uns que sabem e recusam que outros saibam e para outros, que não conhecem (ou não querem conhecer) a História da ditadura militar no Brasil; inaugurada pelo governo Castello Branco. Este mesmo que prometeu "salvar a democracia" e devolver o poder aos civis em 66... Os milicos ficaram lá 21 anos! Evocês ainda têm a petulância de falar em democracia? Eh deprimente constatar que o Brasil tá muito longe de ser um país respeitável lá fora.

    ResponderExcluir