sexta-feira, 21 de junho de 2019

Artigo, Matthews Stephenson - O incrível escândalo que encolheu


Reflexões adicionais sobre os vazamentos de lava Jato
Matthew Stephenson, de GAB, Blog Anticorrupção Global

Na semana passada, publiquei um longo comentário sobre os recentes relatórios explosivos do Intercept sobre a operação Lava Jato no Brasil - relatórios baseados principalmente em mensagens de texto fornecidas por uma fonte que aparentemente hackeou (ou obteve acesso não autorizado) ao celular. Deltan Dallagnol, o promotor principal do caso. Porque eu sou incapaz de ler Português, minha discussão foi baseada exclusivamente nos dois relatórios substantivos em inglês, aqui e aqui. (Há mais relatórios na série, mas até agora eles não foram traduzidos para o inglês; se e quando forem, posso atualizar meu comentário.) Os relatórios do Intercept argumentavam que essas mensagens de texto vazadas indicam: (1) que o juiz Moro engajou-se na coordenação antiética e possivelmente ilegal com o coaching dos promotores; (2) que os promotores reconheceram que seu caso contra o ex-presidente Lula não tinha fundamento legal ou probatório sólido; e (3) que os promotores foram motivados por viés político / ideológico contra Lula e seu partido, o PT.
No comentário da semana passada, com base em minha análise preliminar das histórias do Intercept, e o que eu sabia sobre o contexto de fundo, cheguei às seguintes conclusões preliminares:
• Primeiro , achei que a evidência de extensas comunicações de texto entre o procurador principal e o juiz presidente era (ou pelo menos deveria ser) per se inadmissível. Usei uma linguagem muito forte para explicar esse fato, descrevendo o fato de que os dois estavam em contato regular com o texto como "o cúmulo da impropriedade" e "uma violação chocante e indesculpável da ética judicial".
• Segundo , porém, achei que as trocas de textos específicas relatadas pelo Intercept - aquelas que supostamente mostravam o treinamento e a colaboração - eram em grande parte inócuas e não pareciam conter material muito problemático além do fato das próprias comunicações.
• Em terceiro lugar , não achei que as mensagens de texto relatadas pelo Intercept fornecessem qualquer razão para questionar a base legal e probatória da condenação de Lula. Essa condenação foi e continua sendo controversa, mas as mensagens de texto vazadas não mostram nada além de um promotor se preparando adequadamente para o seu caso.
• Em quarto lugar , concluí que embora os textos trocados entre os promotores no final de setembro de 2018 indicassem que os promotores não queriam que o candidato do PT ganhasse a eleição, isso não necessariamente mostrou que os promotores estavam inclinados contra o PT em 2015-2016 (quando ocorreu a decisão de investigar e processar Lula), nem havia qualquer evidência de que os promotores tivessem tomado qualquer medida concreta que pudesse ser atribuída a parcialidade partidária.
Para minha surpresa, o post da semana passada parece ter atraído muita atenção, particularmente no Brasil. Como resultado, tive a oportunidade de participar de intercâmbios substantivos com vários especialistas brasileiros de todo o espectro político, que possuem uma ampla variedade de opiniões sobre Lava Jato, Lula e assuntos relacionados. Algumas dessas trocas podem ser encontradas na seção de comentários do post da semana passada , que eu recomendo que os leitores interessados ​​façam checkout (particularmente aqueles que podem ter lido o post no dia em que saiu, antes que o thread de comentários incluísse mais de 60 entradas separadas) ; outros se comunicaram com o meu em particular. (Para ser claro, porém, eu não me comuniquei sobre o post, publicamente ou em particular, com o Sr. Dallagnol ou qualquer outra pessoa nomeada ou discutida na história do Intercept.)
Com base nessas conversas e em reflexões posteriores, minhas opiniões sobre a reportagem do Intercept mudaram um pouco, principalmente na direção de pensar que esse “escândalo” é consideravelmente menos escandaloso do que o Intercept noticiou, ou que eu acreditava originalmente.
Antes de explicar por que, porém, deixem-me notar três advertências importantes: Primeiro, como divulguei no post original, tenho uma amizade profissional com o Sr. Dallagnol, e embora não ache que isso distorça minha análise, os leitores têm um direito de saber. Em segundo lugar, minha discussão aqui ainda é baseada apenas nos relatórios em inglês do Intercept. Tem havido uma série de histórias subsequentes publicadas em Português, e pode ser que minhas opiniões possam mudar com base no que está nesses relatórios, uma vez que eu possa ler uma tradução. Terceiro, eu não sou especialista em direito brasileiro, então é inteiramente possível que minha análise possa ser falha devido a mal-entendidos das regras brasileiras relevantes. (Na verdade, parece que isso foi, até certo ponto, verdadeiro do meu post original.)
OK, com essas ressalvas fora do caminho, deixe-me dizer um pouco mais sobre a minha perspectiva atual sobre o Lava Jato Leaks.
Primeiro, minha convicção de que os vazamentos não minam a convicção de Lula é tão forte ou mais forte do que na semana passada.
No post da semana passada, castiguei o Intercept por sua sugestão sensacionalista de que os vazamentos mostravam que Dallagnol e sua equipe sabiam que seu caso contra Lula era infundado. Eu chamei esta parte da reportagem do Intercept de frívola. Eu permaneço por isso. De fato, acho que está dizendo que entre os inúmeros comentários que recebi, muitos deles sugerindo que eu subestimei a extensão dos lapsos éticos e afirmando um claro viés contra Lula, nenhum deles ofereceu um sério desafio à minha conclusão de que os textos As fraquezas legais e probatórias do caso contra Lula mostravam outra coisa que não um advogado fazendo um bom trabalho preparando um caso difícil. Sim, sim, eu sei que ainda há argumentos de que Lula não deveria ter sido processado ou condenado pela suposta corrupção envolvendo esse apartamento à beira-mar,
Em segundo lugar, não estou convencido de que os textos de setembro de 2018 “prestem credibilidade óbvia” (como diz o Intercept) a acusações de que os promotores Lava Jato são “ideólogos de direita cuja missão primordial era destruir o PT e impedir o retorno de Lula ao poder. a eleição de 2018. ”
Essa é uma acusação grave, que, se for apresentada por jornalistas sérios, deve ser apoiada por evidências convincentes. Mas, embora as mensagens de texto roubadas realmente mostrem que em setembro de 2018 os promotores Lava Jato (ou pelo menos alguns deles) eram amargamente hostis ao PT, eles não mostram que tal hostilidade (1) existiu em 2015-2016, quando a investigação e o julgamento de Lula começaram, (2) influenciaram qualquer decisão real do Ministério Público ou (3) basearam-se em motivações ideológicas de direita (em vez de, por exemplo, atacar a equipe Lava Jato em agressivas , muitas vezes pessoais termos por anos, e tinha ameaçado abertamente Lava Jato e desfazer muito do seu trabalho).
Agora, nesse último ponto, acho que vale a pena enfatizar uma distinção que muitos dos comentários atuais parecem ignorar. A questão se os promotores (e o juiz Moro) trataram injustamente os réus de Lava Jato (incluindo Lula e outros membros do PT) é diferente da questão de se a equipe Lava Jato era politicamente ou ideologicamente tendenciosa.contra o PT, ou a esquerda em geral. Digo isso porque, em resposta à minha afirmação de que os textos enviados em setembro de 2018 não mostram que houve parcialidade partidária em 2016, vários comentaristas responderam com alguma versão de: “Mas e as evidências de que Dallagnol e Moro estavam colaborando em 2016? Isso não mostra que eles estavam com Lula? A resposta é não. Vamos supor, no momento, apenas para argumentar, que é de fato o caso que os promotores e o juiz Moro se engajaram em colaborações inadmissíveis no caso de Lula e outros acusados, e que o objetivo dessas colaborações inadmissíveis era garantir as condenações. (Não estou convencido de que isso seja verdade, por razões que elaborarei abaixo, mas por enquanto vamos supor que seja verdade.) Isso seria realmente ruim, com certeza, mas não seria evidência deviés político / ideológico . O promotor e o juiz podem ter ficado (excessivamente) ansiosos em condenar porque acreditavam genuinamente que esses acusados ​​eram culpados. De fato, a maioria dos casos de conduta indevida do Ministério Público, pelo menos nos EUA (e eu suspeito em outro lugar), surgem devido a um desejo de condenar a todo custo, não por causa da ideologia política dos réus.
É possível que os promotores e o juiz fossem ideologicamente preconceituosos contra Lula e o PT? Claro, é possível. Mas há pelo menos um elemento de prova prima facie contra essa conclusão: o fato de que a Lava Jato foi atrás de muitas pessoas de uma série de partidos em todo o espectro político, incluindo os oponentes políticos do PT (como Michel Temer e Eduardo Cunha ). Além disso, os relatórios do Intercept até o momento podem implicar outra evidência contraa visão de conspiração de direita de Lava Jato: a ausência de quaisquer mensagens de texto incriminatórias (até agora) que mostrem um forte viés anti-PT ou anti-esquerdista nos primórdios da operação, antes que a promotoria de Lula causasse o PT e seus partidários para lançar seu ataque de terra arrasada e sem barreiras contra a Lava Jato. É óbvio que os repórteres do Intercept estão encarregados da operação Lava Jato, então acho justo supor que estão fazendo o possível para divulgar os piores e mais incriminadores textos que podem encontrar. Se eles tivessem encontrado textos de 2015-2017 que adotaram o mesmo tom anti-PT dos textos de setembro de 2018, tenho certeza de que o Intercept os publicaria imediatamente. Então, quanto mais o tempo passa sem histórias revelando esses textos, mais eu estou inclinado a acreditar que eles não existem,
Em terceiro lugar, acho que posso ter sido rápido demais para condenar a mera existência das trocas de texto entre o juiz Moro e o senhor Dallagnol, por si só ilegítimo.
Embora eu achasse que o Intercept tivesse exagerado em algumas de suas acusações, meu post original concordou que o juiz Moro provavelmente se envolveu em uma grave violação da ética judicial ao se comunicar com Dallagnol em particular por meio de texto, e que Dallagnol havia cometido no mínimo, um lapso de julgamento ao se engajar nessas conversas. Na verdade, usei uma linguagem muito forte para condenar essas conversas.
Agora acho que fui muito apressado ao concluir que as comunicações de texto eram claramente antiéticas, independentemente de seu conteúdo. Para ser claro, eu ainda estou profundamente preocupado com o fato de que um promotor e um juiz estavam regularmente trocando mensagens um com o outro, e o tom de algumas das mensagens sugere um teor excessivamente colaborativo para o relacionamento. Mas no meu post original, eu escrevi (entre outras coisas) que “para um juiz se engajar em comunicações secretas, ex parte com um promotor… em relação a um caso pendente é o cúmulo da impropriedade - ponto final”, e agora penso que isso pode não estar certo, pelo menos neste contexto, por duas razões.
• Primeiroe, mais importante, numa análise mais detalhada, parece que a maioria, talvez todas, das comunicações privadas em questão estavam no contexto não da fase de julgamento, mas sim da fase de investigação - quando o promotor estava fazendo coisas como pedir mandados, intimar testemunhas, etc., que o juiz deve aprovar. Nesse contexto, o promotor e o juiz podem (na verdade devem) se engajar em comunicações secretas ex parte. E eu entendo, com base em alguns dos comentários que recebi, que essas trocas provavelmente serão mais frequentes no Brasil do que em outras jurisdições devido a certas características da lei processual brasileira que exigem que o juiz esteja mais envolvido na supervisão da fase de investigação. do que é verdade em outros países. É um pouco incomum que essas comunicações ocorram via mensagem de texto, com certeza. Mas não é inédito para os promotores norte-americanos solicitarem mandados por telefone, então isso não parece muito mais que um salto. Isso não significa que qualquer comunicação que ocorra neste contexto seja eticamente correta, e eu falarei um pouco mais sobre isso em um momento. Isso significa, no entanto, que eu estava errado em dizer que há ou deveria ser per se em comunicações privadas secretas entre um promotor e um juiz. Mesmo se isso fosse verdade na fase de julgamento / contencioso, não é e não poderia ser verdade na fase de investigação. Quer dizer que eu estava errado em dizer que há ou deveria ser per se em comunicações privadas secretas entre um promotor e um juiz. Mesmo se isso fosse verdade na fase de julgamento / contencioso, não é e não poderia ser verdade na fase de investigação. Quer dizer que eu estava errado em dizer que há ou deveria ser per se em comunicações privadas secretas entre um promotor e um juiz. Mesmo se isso fosse verdade na fase de julgamento / contencioso, não é e não poderia ser verdade na fase de investigação.
• Segundo , a lei brasileira não parece proibir as comunicações substantivas ex parte mesmo na fase de litígio, desde que ambos os lados tenham a mesma oportunidade de se engajar em tais comunicações. Nos EUA, o código modelo de ética judicial da American Bar Association proíbe esses contatos, exceto sob uma estreita faixa de circunstâncias, e eu presumi erroneamente que algo como esse padrão também se aplica no Brasil. Mas o Brasil é aparentemente mais liberal em relação aos contatos ex parte entre juízes e advogados (ver Lei Federal 8.906 / 94, Artigo 7, Seção VIII). Eu não acho que essa seção se aplique a essas comunicações, em parte porque o juiz Moro era um participante ativo, em vez de simplesmente deixar que Dallagnol fizesse sua defesa. Mas sinto que devo corrigir o registro, já que assumi erroneamente que o fato do contato do texto sobre o caso, mesmo sem olhar para o conteúdo, estabeleceria uma violação ética, mas isso não parece ser verdade no Brasil.
Agora, o fato de contatos extensos ex-parte entre o promotor e o juiz na fase de investigação serem inevitáveis ​​levanta um problema legal complicado, que eu não acho que a maioria dos comentários existentes (incluindo meu post anterior) realmente lide adequadamente. É assim:
• O Brasil, seção 254 de seu código de processo criminal , proíbe sensivelmente um juiz de presidir um julgamento se o juiz tiver dado aconselhamento jurídico a qualquer parte do caso.
• No entanto, no contexto de supervisionar uma investigação criminal, pode não fazer sentido para o juiz ser totalmente passivo; em vez disso, o juiz deve dar feedback ao promotor, incluindo advertir o promotor quando seu plano investigativo pode entrar em conflito com as normas legais, ou explicar ao promotor o tipo de evidência que deve ser produzida para justificar a autorização de medidas investigativas intrusivas. Pense em algumas das coisas que o juiz Moro parece ter dito ao Sr. Dallagnol, nos moldes de (e aqui estou parafraseando, mas acho justo): “Certifique-se de que a polícia fazendo essas investigações siga as regras legais”, “ Tenha cuidado ao preencher esse pedido, a menos que você tenha evidências substanciais para apoiá-lo, ”“ Se você quiser falar com essa testemunha, faça um pedido formal através dos canais regulares. ”
• O problema é que é concebível que o último tipo de orientação possa ser interpretado como “aconselhamento jurídico”. Mas talvez não seja, ou não deva, dado como os promotores e juízes interagem no contexto da condução de uma investigação complexa. Como não posso enfatizar o suficiente, não sou especialista nesse assunto. Eu gostaria muito de receber qualquer comentário daqueles que podem explicar como a lei brasileira resolveu essa tensão. No mínimo, parece que o caso em que o juiz Moro ultrapassou as linhas éticas está longe de ser claro.
• O problema mais geral aqui é que ao envolver o juiz tão fortemente na supervisão da investigação, o juiz pode começar a se identificar com a acusação e desenvolver um relacionamento excessivamente colaborativo com os promotores. Isso pode muito bem ser um problema, mas se assim for, não é tanto uma falha ética por parte deste juiz em particular (ou esses promotores em particular), mas sim um problema estrutural com o processo criminal brasileiro.
Quarto, a troca de textos potencialmente mais problemática entre o juiz Moro e o senhor Dallagnol é suficientemente ambígua, e eu não estou preparado para dizer que isso é antiético.
Em meu post original, examinei o conteúdo das mensagens de texto Moro-Dallagnol citadas no relatório da Intercept em inglês e concluí que “nenhuma delas parece mostrar ... irregularidades processuais que possam prejudicar a imparcialidade dos julgamentos, além do fato de as comunicações em si. ”Vários comentaristas argumentaram que eu não tinha compreendido plenamente o alegado mais sério (e certamente mais confuso) dos intercâmbios em questão.
Porque isso é tão difícil de entender (pelo menos para mim), aqui está a passagem chave da história do Intercept, reproduzida na íntegra:
Outro exemplo de Moro cruzando a linha que separa promotor e juiz é em uma conversa com Dallagnol em 7 de dezembro de 2015, quando ele informalmente passou uma dica sobre o caso de Lula para os promotores. "Assim. Os seguintes. A fonte informou-me que a pessoa de contato está aborrecida por ter sido solicitada a emissão de documentos de transferência de propriedade para um dos filhos do ex-presidente. Aparentemente, a pessoa estaria disposta a fornecer as informações. Por isso estou passando adiante. A fonte é séria ”, escreveu Moro.
"Obrigado!! Vamos fazer contato - respondeu prontamente Dallagnol. Moro acrescentou: "E seriam dezenas de propriedades." Dallagnol depois aconselhou Moro que ele ligou para a fonte, mas ela não falou: "Estou pensando em elaborar uma intimação, baseada em notícias apócrifas", disse o promotor. Embora não esteja totalmente claro o que isso significa, parece que a Dallagnol estava flutuando a idéia de inventar uma denúncia anônima que poderia ser usada para forçar a fonte a testemunhar. Moro, ao invés de castigar o promotor ou permanecer em silêncio, parece endossar a proposta: “Melhor formalizar então”, respondeu o juiz.
A interpretação do Intercept parece ser a de que Dallagnol propôs inventar uma queixa anônima (falsa) que poderia ser usada para forçar uma testemunha a testemunhar, e que o juiz Moro concordou com isso, dizendo-lhe para "formalizar" o pedido. Isso soa escandaloso. Mas não está claro se esta é a interpretação correta da troca. Um dos comentadores do meu post original traduziu a troca inteira (que eu entendo está na versão em português) para o inglês, como segue:
Moro (17:42:56): Então. Os seguintes. A fonte informou-me que a pessoa de contato está aborrecida por ter sido solicitada a emissão de documentos de transferência de propriedade para um dos filhos do ex-presidente. Aparentemente, a pessoa estaria disposta a fornecer as informações. Por isso estou passando adiante. A fonte é séria.
Deltan (17:44:00): Obrigado !! Nós vamos fazer contato
Moro (17:45:00): E seriam dezenas de propriedades.
Deltan (18:08:08) Eu liguei para ele, mas ele voltou em suas observações. Ele disse que não tinha nada a dizer, etc ... quando apliquei alguma pressão, ele desligou em cima de mim ... Estou pensando em elaborar uma intimação, baseada em notícias apócrifas.
Moro (18:09:38): Isso é estranho, já que foi ele quem teria alertado as pessoas que falaram comigo. Melhor formalizar então.
Moro (18:15:04): Supostamente ele teria falado com [REDACTED], que então passou a informação adiante até chegar aqui.
Deltan (18:16:29): Posso identificar essa fonte intermediária?
Moro (18:59:39): Não tenho certeza sobre isso agora.
Moro (19:00:22): Talvez você deva conversar com [REDACTED] de antemão.
Deltan (20:03:00): Ok
Deltan (20:03:32): Ok, obrigado, eu vou ligar
É difícil descobrir o que fazer com essa troca, até porque as frases mais cruciais - “notícias apócrifas” e “melhor formalizar” - são ambíguas, pelo menos para mim. É possível que a interpretação do Intercept esteja correta. Como eu notei no meu post original, é estranho (pelo menos assim parece-me) que um juiz está passando uma dica de testemunha para um promotor em primeiro lugar. Mas colocando isso de lado, é possível interpretar essa troca da seguinte maneira: A Pessoa X diz ao Intermediário Y que ele tem evidência relevante contra Lula e pode estar disposto a testemunhar. O intermediário Y diz isso ao juiz Moro. O juiz Moro não pode fazer nada com essa informação, diz o Sr. Dallagnol. Dallagnol chama a Pessoa X, que se recusa a cooperar. Dallagnol relata isso ao juiz Moro e diz que está pensando em intimar o testemunho da pessoa X, com base em uma dica anônima que a pessoa X tem informações. Isso não é totalmente preciso, já que Dallagnol conhece a identidade do Intermediário Y. Mas énãoo caso em que a dica é “fabricada”, porque realmente existe uma fonte - Intermediário Y. Parece que o Sr. Dallagnol está contemplando a redação do pedido de uma intimação sem usar o nome do Intermediário Y. O juiz Moro então diz a Dallagnol para prosseguir através de canais formais (o que eu suponho que signifique esboçar uma intimação ao invés de fazer um telefonema informal). Mas Dallagnol pergunta então se seria melhor usar o nome do Intermediário Y na intimação, em vez de tratar sua dica como anônima. (Isto é, na medida em que o instinto inicial de Dallagnol de dizer que a dica era anônima pode ter sido impróprio, ele quase imediatamente se afasta dessa idéia e pergunta ao juiz Moro sobre isso.) O juiz Moro o aconselha a entrar em contato com a Intermediary. Y diretamente, o que parece ser uma coisa sensata a fazer sob as circunstâncias. E depois, Até onde podemos dizer, nada aconteceu. Nem o Intercept nem qualquer outro comentarista apontou para qualquer evidência de que o Sr. Dallagnol tenha intimado essa testemunha, com o nome do informante ou de outra forma.
Isso foi antiético? Honestamente, não faço ideia. A única coisa que está clara para mim é que a resposta não está clara. Algumas perguntas para as quais não conheço as respostas:
• É ético no Brasil para um juiz que recebe uma dica que uma testemunha pode ter provas relevantes para a investigação para passar essa informação para o procurador? Ou o juiz seria eticamente obrigado a dizer à fonte que ele / ela deve contatar o promotor diretamente?
• É ético no Brasil que um promotor registre uma intimação para uma testemunha baseada em uma dica genuína e confiável de que a testemunha tem informações, mas declarar que a fonte dessa dica é anônima mesmo quando o promotor (e o juiz) conhece a identidade do informante? ?
• Assumindo que a frase “notícias apócrifas” significa anônimo / não identificado neste contexto, uma intimação baseada em “notícias apócrifas” implica que a identidade da fonte é de fato desconhecida do promotor (e juiz)? Ou é apenas uma maneira de dizer que o arquivamento formal não irá listar o nome do informante (isto é, é mais como um “informante confidencial” do que um “informante anônimo”)?
Se alguém souber as respostas a estas perguntas, será extremamente útil!
Ah, também, mais uma coisa: enquanto o Intercept diz que, quando apresentado com o plano supostamente antiético de Dallagnol, o juiz Moro, “em vez de castigar o promotor ou permanecer em silêncio, parece endossar a proposta”, isso é um pouco injusto. . É verdade que o juiz Moro inicialmente responde com a frase ambígua “melhor para formalizar”, mas menos de uma hora depois ele diz a Dallagnol que deveria falar primeiro com o intermediário. E, novamente, até onde sabemos, nada acontece depois disso (ou pelo menos o Intercept ainda não o relatou).
Isso me leva a uma observação adicional mais geral aqui: Embora eu tenha grande respeito por jornalistas investigativos, e eu concordo com o argumento da Intercept de que, nesse caso, esses materiais vazados são de importância pública suficiente que podem ser divulgados no contexto desta publicação. tipo de história, estou desapontado com vários aspectos da cobertura do Intercept sobre esse assunto. Deixarei de lado o fato de que o Intercept, desconsiderando a prática usual de jornalistas profissionais, não contatou os sujeitos da matéria para dar a eles a oportunidade de responder antes da publicação - o que a Intercept diz ter sido porque eles tinham uma credibilidade. temem que o governo brasileiro reaja pedindo a publicação. Mesmo se dermos ao Intercept o benefício da dúvida sobre aquele, Há também o fato de que a Intercept parece não ter consultado nenhum especialista em lei brasileira ou ética jurídica / judicial, em vez de parecer acreditar que as decisões dos repórteres sobre o que é permitido pela lei brasileira estão corretas e não exigem comprovação. Assim, as histórias dizem repetidas vezes, de forma conclusiva, que a comunicação de Moro com Dallagnol “é antiética para um juiz” e “viola o Código de Ética do Judiciário”, que os textos vazados “revelam graves violações éticas” etc. Não há linguagem de cobertura (“possivelmente”, “indiscutivelmente”, “provavelmente” etc.), nem há citações de especialistas jurídicos que apóiem ​​as alegações de conduta ilegal. As histórias do Intercept nem se incomodam em citar ou citar as disposições relevantes da lei ou do código de ética que foram supostamente violados.
E isso é uma peça com a editorialização mais geral, e ocasionais piques gratuitos espalhados pelas peças. Apenas para dar um exemplo trivial, mas gracioso, ao citar textos nos quais Dallagnol discute, orando por um certo resultado, o Intercept declara que Dallagnol "se vangloria da sua piedade religiosa", uma maneira desnecessariamente sarcástica de dizer que Dallagnol muitas vezes fala abertamente sobre sua fé religiosa. (E enquanto o Sr. Dallagnol pode ter suas falhas, como todos nós, eu nunca soube que ele estava orgulhoso sobre qualquer coisa.) Isso é apenas um exemplo entre muitos.
Dois últimos pontos aqui antes de fechar:
• Primeiro, lamento dizer que esta história e sua recepção demonstraram que aqueles de nós que pensavam que o juiz Moro estava cometendo um grande erro.- e ameaçando enfraquecer a reputação da operação Lava Jato como um todo - quando ele aceitou o posto no gabinete de Bolsonaro estava certo em seus medos. Tanto a história original do Intercept quanto praticamente todos os comentários subseqüentes enfatizaram que essa nomeação lança dúvidas sobre a imparcialidade de Moro desde o início, e pode até sugerir um quid pro quo. Imagine como seria diferente o impacto das revelações do Intercept se Moro não apenas recusasse a indicação, mas o fizesse com algum tipo de declaração pública de que não seria apropriado aceitar a nomeação por causa da importância de manter a neutralidade da proposta. Lava Jato. Se isso tivesse acontecido, os vazamentos do Intercept ainda teriam feito o juiz Moro parecer mal, mas seus defensores teriam achado mais fácil desculpar as possíveis impropriedades como resultado de zelo excessivo na causa anticorrupção (tanto quanto muitos, para desgosto do petista, estavam dispostos a perdoar a liberação das gravações secretas das conversas de Dilma-Lula pelo juiz Moro. ). Nesse universo alternativo, a conduta do juiz Moro nos casos Lava Jato não pareceria motivada por ideologia ou desejo de progresso - agora é verdade ou não.
• Em segundo lugar, embora o foco agora seja, compreensivelmente, no conteúdo dos vazamentos, em algum momento as pessoas precisam começar a se preocupar sobre como a fonte do Intercept se apossou de todos os dados sobre o celular de Dallagnol e quais foram suas motivações. está. Este é um grande roubo de dados, um crime grave. Pare por um momento e pense em como se sentiria se soubesse que alguém lá fora tinha todas as informações do seu telefone, voltando pelo menos cinco anos. Agora pense em como se sentiria se as pessoas que tivessem essa informação tivessem um poderoso interesse ideológico / político em desacreditá-lo. E, embora os repórteres do Intercept sejam jornalistas honrados que são cuidadosos em não divulgar material privado simplesmente por causa de pessoas embaraçosas, não temos como saber o que mais a fonte original poderia fazer com os dados. Esta é uma tentativa de fechar o Lava Jato através de uma ameaça de chantagem velada, se a publicidade negativa inicial das histórias do Intercept não for suficiente? O objetivo é especificamente fechar a Lava Jato, ou é mais polarizar e desestabilizar a política brasileira em geral? Seja qual for o interesse público em escrever histórias baseadas nesses vazamentos, e eu concordo com o Intercept de que existe tal interesse, o fato de que hackers sofisticados estão atacando os celulares pessoais de figuras públicas e liberando as informações para minar uma anticorrupção. investigação ou desestabilizar um país é bastante assustador. ou é para polarizar e desestabilizar ainda mais a política brasileira em geral? Seja qual for o interesse público em escrever histórias baseadas nesses vazamentos, e eu concordo com o Intercept de que existe tal interesse, o fato de que hackers sofisticados estão atacando os celulares pessoais de figuras públicas e liberando as informações para minar uma anticorrupção. investigação ou desestabilizar um país é bastante assustador. ou é para polarizar e desestabilizar ainda mais a política brasileira em geral? Seja qual for o interesse público em escrever histórias baseadas nesses vazamentos, e eu concordo com o Intercept de que existe tal interesse, o fato de que hackers sofisticados estão atacando os celulares pessoais de figuras públicas e liberando as informações para minar uma anticorrupção. investigação ou desestabilizar um país é bastante assustador.
Para encerrar, e voltando ao foco principal da discussão, começo a me perguntar se há um grande escândalo aqui, afinal de contas. Sim, estou preocupado com o que parece ser um relacionamento excessivamente íntimo entre o promotor e o juiz presidente. E sim, o material vazado divulgado até agora (pelo menos nas versões em inglês) contém algum material problemático, que pode sugerir violações éticas. Mas até mesmo as trocas de textos mais problemáticas contêm ambigüidades consideráveis, de tal modo que o argumento para uma violação ética, embora plausível, não é nem de longe o que o Intercept fez. De fato, quando você retira a retórica, as insinuações e a reescrita do material que já está no registro público, não está de todo claro que os textos vazados relatados até agora (em inglês) realmente demonstrem uma conduta incorreta séria.
Essa visão é altamente experimental. Eu sei que muitos leitores provavelmente irão discordar, e eu convido, de fato peço, que aqueles de vocês que pensam que eu estou errado compartilhem sua crítica da minha análise na seção de comentários abaixo. Aprendi muito com o feedback do post anterior e agradeço a discussão substantiva, respeitosa e informativa que parece estar em andamento. Também deveria ser óbvio que, à medida que mais evidências surgirem (e / ou forem traduzidas para o inglês), atualizarei minhas opiniões de acordo. Ninguém deve apressar o julgamento neste caso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário