sexta-feira, 3 de setembro de 2021

7 de Setembro, um novo Brasil

 Tenente-Coronel Zucco

Deputado estadual/PSL



Há 199 anos o Brasil deu um basta à exploração da coroa portuguesa, simbolizado pela cena histórica de Dom Pedro que, às margens do riacho Ipiranga, bradou:

- Independência ou morte!

Hoje os tempos são de radicalização, turbinados pelas redes sociais e pela politização da cobertura jornalística de boa parte da grande mídia. A liberdade, cerne do movimento que uniu todos os segmentos e classes sociais no Brasil império, está ameaçada. Isso se deve, em boa parte, às decisões polêmicas sobre “crimes de opinião” que ameaçam o direito à livre manifestação. E colocam dúvidas sobre os critérios que lastreiam os julgamentos.

O emblemático 7 de Setembro sofreu profundas alterações nos últimos anos, reflexo da pregação ideológica dentro da sala de aula. É incrível constatar que o tradicional Desfile da Mocidade desapareceu do calendário escolar e isso aconteceu ao longo do tempo, muito antes da pandemia se instalar. 

O verde-amarelo, símbolo mundial do Brasil, é vilipendiado pelos adeptos do “quanto pior, melhor” instalado no território nacional desde a vitória do Presidente Bolsonaro em 2018. Diante do fantasma da reeleição em 2022, jamais se viu tamanho esforço para desconstruir um governo. Isso é feito através da omissão das realizações e da supervalorização de aspectos desairosos.

As relações política belicosas geram uma grande expectativa em torno das manifestações organizadas espontaneamente por todo país em 7 de setembro. Será a culminância de um fenômeno simbolizado pelas gigantescas motociatas em torno do Presidente Brasil afora. 

Apesar das multidões que arrasta, nenhum incidente foi registrado. Muito diferente dos movimentos de rua patrocinados pela oposição, marcados por pichações de prédios públicos e privados, além de depredações e destruição generalizada em várias cidades.

Desde a restauração do instituto da reeleição – cujos bastidores da aprovação até hoje não foram divulgados e esclarecidos com a necessária clareza – o Brasil não experimentava tamanha esforço da “torcida organizada” contrária ao país. Nem a pandemia conseguiu unir o cotidiano de Brasília. Prova disso é que o Congresso Nacional mantém uma CPI que consome milhões sem chegar a lugar algum. O esforço de criminalizar o Governo Federal foi infrutífero, como esperado.

O país tem problemas graves que exigem trabalho e dedicação. Obras paralisadas estão sendo entregues todos os dias. Os  Estados nunca receberam tanto dinheiro e vacinas ao longo da pandemia e a corrupção que desviou bilhões da saúde, educação e segurança foi estancada. Por isso, 7 de Setembro é dia de comemorar um Brasil que está mudando. E mudando para melhor!

2 comentários:

  1. BLSONARO NA PRESIDÊNCIA DO BRASIL e ladrão na cadeia. Carlos Edison Domingues O.A.B. RS 3.626

    ResponderExcluir
  2. BOLSONARO NA PRESIDÊNCIA DO BRASIL e ladrão na cadeia. Carlos Edison Domingues O.A.B./ RS nº 3.626

    ResponderExcluir