sexta-feira, 1 de abril de 2016

Artigo, Marcelo Aiquel - As manifestações assalariadas não enganam mais ninguém

As ruas de várias cidades do país foram inundadas ontem por grupos de manifestantes à favor da presidente Dilma e do governo do PT.
Muitos aproveitaram para, também, "rasgar loas" ao sindicalista e ex-presidente Lula.
O ato de desagravo - segundo os organizadores - reuniu uma multidão que apoia o governo e é contrário ao pedido de impeachment da presidente.
Respeitando a todos que, de uma forma ou outra, discordam da minha opinião, devo dizer que achei a manifestação bastante reduzida.
Talvez representasse o verdadeiro sentimento do povo brasileiro, não tivesse sido "inflada" com a participação de muita gente levada aos locais de encontro por meio de uma "vontade comprada".
Além disso, o fato da organização montar shows populares também ajudou a juntar gente que, voluntariamente, jamais estaria presente.
A comparação (necessária) com as manifestações do dia 13 de março (pró impeachment) demonstraram à evidência um fato importante: as pesquisas de opinião, que mostram uma maciça desaprovação ao governo Dilma, estão corretas.
Tentem fazer manifestações ESPONTÂNEAS, sem shows, sem transporte grátis, sem lanche grátis, sem a obrigatoriedade da presença de funcionários da administração pública, e sem remuneração alguma, e com certeza, não conseguirão sequer o apoio de uma pequena "horda" de militantes.
E quanto custou esta "festa"?
Quem bancou?
Os milhares de ônibus que transportaram a massa não saem das suas garagens sem um pagamento (nem que seja para o combustível).
Os milhares de lanches distribuídos não são doação de nenhum fiel militante.
Os artistas que se apresentaram não o fazem sem cachê (talvez haja alguma exceção, mas é exceção).
As bandeiras e cartazes não foram levados pelas pessoas, mas sim distribuídos de graça.
E, o mais ridículo, foi escutar os esquerdopatas festejarem a grande adesão popular.
Ah, ela foi espontânea?

ME ENGANA QUE EU GOSTO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário