terça-feira, 4 de outubro de 2016

Artigo, Tito Guarnieri - A vítima

Deem um microfone a Lula e ele comandará o show, mestre do histrionismo, capaz de (se deixarem) encantar serpentes e levar ao delírio as plateias de sua grei, que mesmo um tanto aflitas com as perdas recentes, ainda têm amor para dar. Como disse uma vez a filósofa símbolo do PT, Marilena Chauí, “quando Lula fala o mundo se cala”.  Bem entendido, se cala somente no intervalo entre os aplausos, que Lula sabe puxar como ninguém.

Na véspera de ser declarado réu na Lava Jato, na Vara do juiz Sérgio Moro – tudo o que ele não queria – Lula falou para os seus no elogio que nunca cansa, da obra inexcedível dos governos do PT, ao mesmo tempo em que lançou desafios de reação e resistência, contra a perseguição de que é vítima.

Lula é bom no papel de vítima. Os algozes são os suspeitos de sempre, as elites (embora ele não decline quem sejam, pois as fatias mais poderosas do PIB nacional foram aliadas e beneficiárias dos governos do PT e mamaram docemente nas tetas do Estado – banqueiros, empreiteiras, multinacionais), a mídia golpista, os procuradores da Lava Jato, o juiz Moro, as oposições golpistas, sedentas de revanche depois das sucessivas derrotas.

Não duvidem, em algum momento ele perguntará: como ousam duvidar de minha inocência, eu que tanto bem fiz a este País?. Nas entrelinhas do discurso, lido com atenção, sempre estará explícito o subtexto pretensioso de que “eles nos odeiam porque somos melhores”.

No destampatório choroso, nenhuma palavra sobre as denúncias de que é alvo, como se não existissem, e nenhuma palavra de autocrítica, como se ele e o PT jamais tivessem cometido um erro, nem mesmo na indicação imperial da sucessora Rousseff, que se revelou um pesadelo, desses que fazem acordar à noite e varar a madrugada lamentando a escolha. O equívoco fatal, porém, em breve estará esquecido, graças ao providencial atributo da memória, que tende a esquecer as más lembranças e as coisas ruins.

O papel de vítima lhe cai e lhe faz bem, uma vez que a vida de Lula é um rolo só. Como diz Christopher Lasch, em “O Eu Mínimo”, a “possibilidade de se declarar (vítima) é uma casamata, uma fortificação, uma posição estratégica a ser ocupada”.

Lula poderia ter lido o primoroso tratado de Daniele Giglioli sobre o vitimismo, que ensina:  “A vítima é o herói do nosso tempo. Ser vítima dá prestígio, exige atenção, promove e promete reconhecimento, ativa um potente gerador de identidade, autoestima, imuniza contra qualquer crítica, garante inocência para além de qualquer dúvida razoável”.

Claro, Lula não leu o ensaio do historiador italiano, porque, esperto e intuitivo, já sabia dessas coisas muito antes. Não é de graça que todo pronunciamento do ex-presidente é vazado dos termos do conflito “nós”, os oprimidos, as vítimas, e “eles”, os opressores, os algozes. Pode ser primário e vulgar, mas funciona esplendidamente, diante das massas que adoram definições simplórias, tendo especial predileção pelas mais erradas e enganosas.

Claro, Lula, na sua intuição um tanto primitiva, não chega a notar, como Giglioli, que na vitimização, “o protesto político se degenera em uma choradeira de autocomplacência”.

titoguarniere@terra.com.br


Nenhum comentário:

Postar um comentário