terça-feira, 4 de outubro de 2016

Queda da produção industrial em agosto sugere retração dos investimentos no terceiro trimestre

A produção industrial recuou 3,8% na passagem de julho para agosto, excetuada a sazonalidade, conforme divulgado hoje pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE. O resultado veio em linha com nossa projeção (de queda de 3,7%) e abaixo da expectativa do mercado, que esperava uma retração de 3,1%, de acordo com coleta da Bloomberg. Com esse resultado, foi interrompida a trajetória positiva observada por cinco meses consecutivos da atividade industrial. Na comparação interanual, a produção recuou 5,2%, acumulando declínio de 9,3% nos últimos doze meses.
Vinte e um dos vinte e quatro setores pesquisados mostraram retração em agosto, com destaque para veículos automotores, reboques e carrocerias, com queda de 10,4%, desempenho puxado pelas greves que levaram à paralisação de algumas fábricas. Ao mesmo tempo, a produção da indústria extrativa recuou 1,8% no período. No sentido oposto, o segmento de produtos farmoquímicos e farmacêuticos registrou expansão de 8,3% na margem.
Dentre as categorias de uso, a produção de bens de consumo duráveis teve sua tendência positiva interrompida, recuando 9,3% na margem. Também chama atenção o comportamento da fabricação de bens intermediários, com queda de 4,3%, a despeito do aumento das importações no período. Por fim, a produção de bens de consumo semiduráveis e não duráveis caiu 0,9% em agosto.
A produção de bens de capital avançou 0,4%, retomando o ritmo de expansão que vinha sendo registrado desde o início deste ano. Esse crescimento está alinhado com os sinais positivos vindos da retomada da confiança do empresariado industrial e do crescimento significativo das importações no período. No entanto, a produção dos insumos típicos da construção civil (ITCC) caiu 7,9% ante julho, o que deve levar a nova retração da formação bruta de capital fixo no terceiro trimestre do ano.
A contínua e significativa melhora da confiança nos últimos meses (conforme apontado pela FGV e CNI) deve manter o desempenho modesto da atividade industrial no curto prazo, a despeito dessa retração observada em agosto. Dessa maneira, esperamos alta da produção industrial em setembro, especialmente por conta da retomada da produção automotiva. De todo modo, acreditamos que a produção industrial deverá encerrar 2016 em queda, em parte refletindo a contração do início do ano e o carregamento estatístico dos fortes recuos do ano passado.
Conheça também nosso site: economiaemdia.com.br
Octavio de Barros
Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos - BRADESCO

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 

Nenhum comentário:

Postar um comentário