quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Claudia Wild - Lula pegou um ótimo atalho para sua segunda condenação criminal

Claudia Wild

Lula pegou um ótimo atalho para sua segunda condenação criminal

Equivocada a comemoração prematura dos partidários e apoiadores do ex-presidente Lula acerca do seu desastroso segundo depoimento prestado na República de Curitiba.

Através da análise das inúmeras provas documentais divulgadas pela imprensa, pelos depoimentos aterradores dos delatores petistas, empresários camaradas e perícias, posso - através da minha experiência profissional - afirmar que o acusado Lula não escolheu a melhor estratégia para se defender das acusações robustas apresentadas na denúncia do Ministério Público.

Lula é acusado de ter recebido consideráveis propinas da empreiteira Oderbrecht para a compra de um terreno onde futuramente seria edificado a sede do Instituto Lula e ainda para aquisição fraudulenta de um apartamento em São Bernardo do Campo.

Visivelmente nervoso e irritado, o famoso depoente fez novamente do banco dos réus seu palanque eleitoral. Lá entoou a mesma cantilena que é repassada por sua entusiasmada militância: a do homem honesto e sistematicamente perseguido pela justiça, inimigos políticos e imprensa.

Mais uma vez Lula tentou ilidir a demanda criminal "no grito“ . Foi destemperado, arrogante, cínico e demonstrou não respeitar a justiça brasileira.

Foi impertinente, atrevido com o juiz Sérgio Moro - chegando a indagar sobre sua imparcialidade no julgamento de seus processos. Lula mostrou-se debochado com a procuradora federal do caso, a quem chamava reiteradamente de "querida". Demonstrou um comportamento instável, que ora parecia estar discursando em sua fracassada caravana, ora confraternizava em um churrasco movido a bravatas e goles etílicos e ora estava sentado em seu trono e esbravejava rodeado de súditos e capachos.

Lula se esqueceu que ali não era candidato a nada, mas sim um réu qualquer. Lula deveria ter se preocupado apenas em desmontar as provas existentes, exibindo cabalmente que não recebeu propinas da empreiteira e não escamoteou a compra de imóveis para burlar a lei e a justiça.

Seu advogado adotou uma postura inconveniente e pedante; atravessava com inserções descabidas em quase todas as perguntas dirigidas a seu cliente, citava convenções e arranjos - como se a justiça ali estivesse a praticar uma arbitrariedade ou um ilícito, quando na verdade era uma mera formalidade legal: o depoimento de um acusado.

Confrontado sobre as provas constantes dos autos, Lula mais uma vez foi inábil e confundiu os papéis a encenar. Acusou a Polícia Federal de ter forjado as provas documentais que foram apreendidas em seu apartamento; acusou seus delatores e ex-amigos chamando-lhes de "mentirosos e fantasiosos"; negou todo o depoimento de seu ex-companheiro petista, Antônio Palocci, a quem atribuiu "frieza e desfaçatez“; ridicularizou o precioso depoimento de Carlos Bumlai, bem como disse não ter conhecimento das tramoias articuladas por seus supostos prepostos na empreitada criminosa.

Instado a indicar provas documentais demonstrando que o apartamento adiquirido por um conhecido - que segundo a denúncia seria um laranja seu - limitou-se, arrogantemente, a dizer não iria fazê-lo, pois "não tinha nada a ver com isso e que se o Ministério Público quisesse deveria providenciar tais provas".

Enfim, um desastre gigantesco que poderá providenciar sua segunda condenação criminal - caso provas hábeis a revelar sua inocência não apareçam rapidamente nos autos. Lula e sua anêmica defesa adotaram a descabida tática em que o ataque é a melhor defesa. Por isso, atacam o juízo, a Polícia Federal e os ex-companheiros ( hoje delatores) e se esquecem da PROVA, esta sim, a única que poderia ser capaz de inocentá-lo.

Lula ainda não conseguiu entender que a justiça criminal não é palco de teatro arrendado para apresentação política e de público cativo. Lula não percebeu que diante de provas documentais, periciais e depoimentos, os discursos políticos são inócuos.


Lula não perde sua empáfia e aparenta viver em outra realidade. Ele não é mais o poderoso capo de tutti capi. Ele não enxerga que não passa de um réu e um réu em sérios apuros.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Esta imagem no background do texto é péssima para leitura no celular.

    ResponderExcluir
  3. Concordo. Principalmente para quem precisa usar óculos.

    ResponderExcluir
  4. É meio difícil de ler mesmo, sugiro deixar a imagem em tom sépia ou preto e branco.

    Ele entende bem a situação em que está, mas também sabe que está sendo filmado. Por isso que trata a audiência como palanque e zomba das autoridades presentes, a melhor estratégia no momento é apelar para o clamor popular e transformar a audiência em uma farsa encenada por adversários que o perseguem. Na primeira audiência os advogados até quiseram trazer um equipe de filmagem própria (já que a gravação oficial não é "cinematográfica"), foi negado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só que o clamor popular parte apenas dos hoje minguados mortadelas... Tá na hora deste vagabunda cair na real. Vai ser o último a ser trancafiado pra não ter o direito a delação premiada. Moro é equipe sabem o q fazem...

      Excluir
    2. Só que o clamor popular parte apenas dos hoje minguados mortadelas... Tá na hora deste vagabunda cair na real. Vai ser o último a ser trancafiado pra não ter o direito a delação premiada. Moro é equipe sabem o q fazem...

      Excluir